14/04/16 - 05:48:24

HÁ 3 COISAS NA VIDA QUE NÃO VOLTAM ATRÁS, ESCREVE CAPITÃO PM

Há três coisas na vida que nunca voltam atrás: a flecha lançada, a oportunidade perdida e a palavra pronunciada.

Inicio o texto usando a frase bastante conhecida, de autoria desconhecida, para fazer analogia com julgamentos recentes envolvendo lideranças associativas da Polícia Militar.

No mês de julho de 2011, quando em viagem, tomei conhecimento que um dos gestores da antiga Caixa Beneficente teria ido a um programa de rádio me acusar de ter me apropriado de valores da referida associação. Como não me encontrava no Estado, não tive a oportunidade de me defender da mesma forma. Todavia, o estrago já havia sido feito.

Um nome construído ao longo de toda uma carreira devotada a servir a sociedade e à nossa querida Polícia Militar, jogado na lama.

Fui indiciado, processado (TJSE/ 201421200109) julgado e absolvido. Porém, até esse caminho longo ser percorrido, perdi minha paz, a credibilidade – perante os que não conhecem a fundo minha índole – e passei a entender o quanto é perigoso você lidar com aqueles que manipulam o Direito (especialmente o Penal Militar) a seu bel prazer.

Semana passada, tive a alegria de saber que mais três companheiros de luta foram absolvidos de mais um processo inventado com o claro intuito de prejudicar lideranças classistas.

Em mais um processo inventado envolvendo a antiga associação (TJSE/201421200174), foram absolvidos os Cel Péricles, SGT Vieira e SGT Edgard.

As duas absolvições tiveram um ponto em comum. Em ambas, o próprio Ministério Público pediu a absolvição dos militares já mencionados.

E agora?

Até quando vai continuar essa patacoada vergonhosa de provocar o poder judiciário com ações imbecis, envolvendo a estrutura do Estado, que poderia muito bem estar sendo canalizada na prestação de um bom serviço à sociedade?

Falando por mim, como vice-presidente da AMESE e pelo Sargento Vieira – presidente e o mais processado de todos – foram bastante duros conosco com tais invencionices, prejudicando nossas carreiras e manchando nossas imagens perante a sociedade e demais colegas militares.

 

Onde estão aqueles que foram aos programas de rádio, aos sites “jornalísticos”, às redes sociais com voracidade ferina para nos prejudicar? Onde encontrar um pedido de desculpas formal de todos que nos vilipendiaram?

Desse relato vocês já tem uma ideia do preço que paga por quem dedica sua vida a lutar pela categoria.

Sigamos em frente.

QUE DEUS NOS AJUDE.

Capitão Ildomário

vice-presidente da Amese