19/05/16 - 06:10:20

Racismo e intolerância religiosa são temas de palestra promovida por SSP (Foto SSP)

O objetivo foi promover uma pauta de discussões  entre os órgãos que compõem a segurança pública, no que diz respeito ao racismo e à intolerância religiosa

Na manhã desta quarta-feira, 18, policiais militares e civis de diferentes unidades participaram do Encontro “Desmistificando o Sincretismo – A polícia dialogando com a comunidade”. O evento, pactuado em audiência pública promovida pelo Ministério Público em março deste ano, tem como objetivo promover uma pauta de discussões  entre os órgãos que compõem a segurança pública, no que diz respeito ao racismo e à intolerância religiosa.

O babalorixá Janilson Teixeira, palestrante do evento, informa que o objetivo maior é o diálogo e a reflexão. “Temos que trabalhar as diferenças da sociedade, em um processo de parceria e transmitir aquilo que nos deixa vulnerável, enquanto minoria religiosa”, pontuou Janilson.

O encontro, de viés antropológico, faz parte de uma das etapas do plano de ação do projeto ‘Racismo: Conhecer para Enfrentar’. Uma campanha nacional coordenada pelo Grupo de Trabalho Enfrentamento ao Racismo e Respeito à Diversidade Cultural, da Comissão de Defesa dos Direitos Fundamentais (CDDF) do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP).

A coordenadora do Núcleo de Análise de Pesquisas e Políticas Públicas, Cidadania e Prevenção, Abigail Souza, informa que o objetivo desse encontro, é quebrar paradigmas criados historicamente. “A SSP na perspectiva do seu trabalho de excelência, preza pelo respeito à pluralidade, pelo trabalho de prevenção e pela harmonia da sociedade”, enfatizou.

Aqui no Estado, o Ministério Público Estadual está à frente do projeto, por meio do promotor de Justiça Dr. Luis Fausto Dias de Valois Santos.

No atendimento às reivindicações promovidas pela instituição, coube às Polícias Civil e Militar a participação no evento. Para a capitã da Polícia Militar, Jussara, é um marco histórico tanto para o candomblé como para a instituição. “É de suma importância para os alunos, aqui em formação, conhecer as religiões para poder respeitá-las”, concluiu.

Fonte ASN