09/06/16 - 15:00:30

Festival de Cordel promete bom público na UNIT em Estância (Foto assessoria)

A cidade de Estância é cantada em verso e prosa, como ‘o berço da cultura sergipana’. Vários intelectuais estancianos do saber, deram nome ao seu município nas letras, músicas, literaturas, na política e também nas artes e ciências jurídicas, como foram os casos de Gumersindo Bessa, Gilberto Amado e Raimundo Souza Dantas, esses dois últimos, foram embaixadores do Brasil. O município está sempre inovando, quer seja pela iniciativa privada ou pública.

No mês de maio, pela passagem do aniversário de elevação á categoria de cidade, acontece o Festival de Poesia Falada de Estância, dando oportunidade àqueles jovens que escrevem poesias e acabam guardando nas gavetas. Este festival enaltece muito a cultura local.

Mas hoje, 9, para enriquecer mais ainda a cultura estanciana, estará acontecendo no auditório da Universidade Tiradentes (UNIT), o 1º Festival Direito Administrativo em Poesia de Cordel, realizado pelo 5º período do curso de Direito, e que tem como coordenadora, a professora Renata Cristina Macedônio. O evento está previsto para começar às 20h00.

De acordo com Renata, serão apresentados quatro poemas de cordel, elaborados pelos próprios acadêmicos do 5º periodo do curso de Direito, para ilustrar o conteúdo ATOS ADMINISTRATIVOS.

Para avaliar os cordéis, o Festival contará com a participação de uma célebre comissão, composta por cordelistas consagrados da região e de integrantes da Acadêmia Estanciana de Letras e do Clube dos Poetas Estancianos, dentre eles: Salete Nascimento, Maria Guadalupe e Sivaldo Cardoso. Ainda na comissão, o jovem Raul Muller, para representar os estudantes do curso de Direito.

Após as declamações, acontecerão as apresentações dos cordelistas Antônio Batista e Salete Nascimento, que farão um recital especial. Também, haverá a apresentação da tão festejada Batucada do Porto D’Areia, composta dos talentosos jovens, que integram o Projeto da Associação do Bairro Porto D’Areia, coordenada pelo jovem José Carlos. “Trata-se de uma oportunidade ímpar de repensar o ensino jurídico com a arte”, destacou Renata.

A Tribuna Cultural