29/06/16 - 15:51:01

GOVERNO REÚNE COM SINTESE E ESTUDA AS REIVINDICAÇÕES

Sintese encaminhará ao governo uma proposta de agenda de discussões para continuar o diálogo em busca de alternativas às propostas da categoria

O vice-governado Belivaldo Chagas reuniu-se com a presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Estado de Sergipe (Sintese), Ivonete Cruz, e representantes da categoria, nesta terça-feira, 28, para discutir reivindicações dos profissionais do magistério do Estado. Os secretários de Estado do Planejamento, João Augusto Gama, da Fazenda, Jeferson Passos, a superintendente executiva da Secretaria da Educação, Marieta Barbosa, o diretor-presidente do Sergipeprevidência, Augusto Fábio e a deputada estadual Ana Lúcia também participaram da reunião. Na reunião ficou decidido que o Sintese encaminhará ao governo uma proposta de agenda de discussões para continuar o diálogo em busca de alternativas às propostas da categoria.

“O Governo procura dialogar com todas as categorias. Essa reunião com o Sintese foi uma determinação de Jackson Barreto. Entendemos a importância da categoria e o valor do professor, mas não podemos fazer promessas nesse momento de dificuldades. As reivindicações da categoria demandam um valor alto de recursos. Quando sentamos pra discutir o piso do magistério, estamos falando de um montante muito alto e, no momento, não há receita. Mas sentaremos com a categoria e nos dispomos a encontrar uma solução em conjunto. Estamos sendo o mais transparentes e sinceros possível”, explicou Belivaldo..

Segundo o secretário Jeferson Passos, todos os meses o governo tem feito um esforço enorme para pagar as despesas do Estado em dia, priorizando a folha de pagamento dos servidores. “A gente sabe que o Sindicato tem reivindicações legítimas. Mas não podemos assumir novos compromissos sem recursos para isso. Já fizemos muitos cortes nos custos e sabemos que sem a retomada da atividade econômica não dá para traçar um cenário favorável. Já são dois anos de recessão no país, sem expectativa de crescimento para este ano. A realidade de hoje é que as despesas são maiores do que a receita. Só podemos voltar a fazer novas despesas com a retomada econômica. Mas temos a obrigação de sentarmos e discutirmos, buscarmos alguma solução, alternativa com a ajuda dos representantes da categoria”.

Ivonete Cruz informou que a partir da próxima semana será retomada a agenda de discussão. “A gente espera que o Governo apresente uma proposta de retomada da carreira do Magistério. A expectativa é que a partir de agora se inicie, de fato, estudos e se apresente uma proposta concreta. Houve uma abertura do diálogo, a partir do vice-governador, orientado pelo governador, de marcar novos encontros e conversas. Esperamos que avancemos nessa discussão de proposta”, disse a presidente.

A deputada Ana Lúcia reforçou que o principal objetivo é que o governo possa apresentar uma proposta em relação ao plano de carreira da categoria. “Com a formação desse grupo de trabalho pretendemos restabelecer as discussões para que o sindicato e o governo estudem a realidade dos recursos para atender a categoria, priorizando quem está na sala de aula”.

De acordo com o vice-governador, é necessário ser realista e transparente diante da situação econômica do estado e do país e o governo tem buscado alternativas para garantia dos direitos dos servidores, como no caso da conquista do Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos (PCCV). “A compreensão que tenho é que é preciso vencer etapas e a implantação do PCCV foi uma importante etapa, uma conquista dos servidores”.

João Augusto Gama esclareceu que o diálogo tem sido constante com todas as categorias, porque cada uma tem suas reivindicações. “Encontramos o PCCV parado na Secretaria com 15 a 20 anos. Levamos para o governador as alterações e conseguimos avançar com muitas categorias. Concordamos que tem que ter mais avanços e a diferenciação das carreiras. Estamos vendo o cenário mundial, a Europa, que sempre foi referência, passando por essa crise e isso nos faz repensar as nossas decisões, para onde estamos caminhando. Não temos divergências quanto às reivindicações do Sintese, tem que ter piso, diferenciação salarial na carreira, mas não há como prometermos e garantirmos isso neste momento. O governo está ouvindo todas as categorias, e cada uma tem suas reivindicações, que também são legítimas, e buscamos esclarecer a realidade, seriamente. A cada mês há maiores quedas na receita. Mas o governo continua aberto, para dialogarmos e encontrarmos uma solução”.

Fonte ASN