02/07/16 - 05:17:23

TRABALHADORES DA SAÚDE COBRAM PROPOSTA DE JOÃO

 

Por: Iracema Corso

Um mês de greve dos trabalhadores da saúde de Aracaju, e até agora o prefeito João Alves (DEM) não apresentou nenhuma proposta de reajuste salarial… Após 30 dias de manifestações, forte mobilização e ocupação de prédios públicos, nesta data, sexta-feira, dia 01/07, os trabalhadores organizados em 10 sindicatos construíram um protesto unificado na porta da Prefeitura de Aracaju para deixar um recado claro ao prefeito: a luta dos trabalhadores da saúde não vai cessar enquanto não houver diálogo efetivo e proposta concreta, condizente com a importância do trabalho de assistência à saúde, que é um serviço essencial para a população.

Dirigente do SINDASSE (Assistente Social), Maísa Aguiar denunciou a privatização do CAPS da Atalaia como parte de um projeto maior de privatização da saúde, o que abre precedente para privatização de outros CAPSs. “A gestão João Alves não sinaliza nem com o diálogo. O desrespeito é tanto, que ele apenas diz que não vai dar reajuste e pronto. Não tem justificativa nenhuma, pois a gente vê o montante de recurso que foi investido no Forró Caju; que é investido em marketing e propaganda para ele se fazer encima da gestão, e nada é concedido aos trabalhadores da saúde. Sabemos que sucatear faz parte do projeto político desta gestão que quer privatizar a saúde de Aracaju. Vamos continuar nesta luta e precisaremos radicalizar ao máximo, pois com este prefeito Pinóquio, nada é resolvido. E ainda por cima o servidor é penalizado pelos problemas da saúde no município. Portanto, enquanto o servidor não for ouvido nem respeitado, não vamos recuar em hipótese nenhuma”.

Vice-presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT/SE), Plínio Pugliesi reforçou que a reposição salarial é um direito do trabalhador que consta na Constituição Federal. “Para os trabalhadores, nem sequer a lei. Esta é a postura da gestão de João Alves a frente da Prefeitura. João Alves não tem projeto para os trabalhadores, sua forma de lidar com sindicatos e movimentos sociais é a pior possível, e ele não se esquiva de dizer que é candidato de novo neste ano para concorrer à Prefeitura. É evidente que o projeto de João é menos estado… Sua estratégia está clara: sangrar a saúde, sucatear, para poder colocar na mão do capital, da iniciativa privada, basta ver quem são seus aliados na política local e nacional. Precisamos fazer com que o movimento paredista continue forte, consiga abrir a mesa de negociação para resolver a pauta imediata e fazer da greve um espaço de reflexão política”.

Liderança sindical do SINDINUTRISE (Nutricionista), Mychelyne Ferreira registrou que é a primeira vez que o seu sindicato participa de uma greve tão grande, construída com vários sindicatos. “O serviço de assistência à saúde não é realizado só por médicos e enfermeiros, esta é uma área que conta com o trabalho de vários profissionais. Nós, nutricionistas, recebemos um salário bem menor que os demais trabalhadores da saúde, nossa tabela é diferenciada, mas a nossa luta é a mesma. Então, apesar do prefeito virar as costas para a saúde de Aracaju, nós avaliamos que a união de todas as categorias, neste momento, é crucial”.

Dirigente do SINPSI (Psicólogo), Inês Santana vem participando da construção de todos os atos do movimento grevista. “Precisamos dialogar com nossos colegas, conquistar apoios e mostrar que só com a luta unificada todos serão vitoriosos”.