12/07/16 - 16:05:05

FORÇA NACIONAL PODE ABANDONAR A SEGURANÇA DAS OLIMPÍADAS

Os militares que compõem a Força Nacional ameaçam paralisar e não fazer a segurança durante as olimpíadas Rio 2016. Militares dizem que podem abandonar a segurança do evento.

Descontentes com a escala de serviço, atrasos nos pagamentos, os militares reclamam ainda da falta de atenção, e dizem que “para não ser uma crítica vazia, apontamos alguns pedidos: Diárias majoradas no mínimo no período das olimpíadas e paraolimpíadas. Escala 12/24 e 12/48. Nos deem o mínimo e terão o nosso máximo! A segurança está comprometida”, diz um membro da corporação.

As informações divulgadas aqui, estão sendo passadas instantaneamente para a redação do FAXAJU, por integrantes do movimento que acontece neste momento.

Veja a nota o que diz a nota assinada pelo TC do Rio Grande do Sul:

Olá , senhoras e senhores FNs!  Estamos em dias difíceis ! Viemos para cumprir uma missão de nível mundial, saímos de nossas casas, de nossos lares e toda a nossa família sente nossa falta, mas também  orgulho de estarmos  trabalhando nas olimpíadas. Talvez isso seja a única coisa que nos motive a trabalhar, porque assumimos um compromisso e todos que nos conhecem querem nosso sucesso e para não decepcionar todas as pessoas envolvidas nisso é que não fomos embora ainda. Acontece que o limite já chegou, e isso não está mais nos sustentando nem financeiramente,  nem psicologicamente, nem fisicamente. Vejo a cada dia os militares indo trabalhar já pensando em uma maneira de descansar, de sentar, de dormir, percebo militares que tem como característica a vibração, falarem baixinho. Vejo policiais pedindo dinheiro emprestado para se manter, enfim, já não é mais uma questão de motivação, todo dia correm informações furadas e nada de concreto. As diárias nos motivam, mas não nos seguram, não nos sustentam e não nos fazem aguentar mais que o nosso limite mental e físico. Quem faz a força nacional existir somos nós, quem faz a missão dar certo ou errado somos nós, e o que me preocupa não é só receber ou não, diarias dobrada ou não, o que me preocupa é a dimensão que isso está tomando, nenhum homem vai tirar um bom serviço desmotivado porque não recebe, cansado porque a escala está 20 por 16, sim 20 horas de serviço contando a prontidão e o deslocamento, 16 de folga para dormir, descansar e retornar ao rabanho. Estão esquecendo que somos seres humanos e falhos e estão  contribuindo com essa possibilidade. A moral está baixa e pode custar caro !

O êxito da missão está em jogo, infelizmente, hoje somos homens com prejuízos físicos e mentais. Não vão tirar um bom serviço e isso pode acarretar no êxito ou não da missão!

Os policiais estão se esgotando e em consequência, desmotivados, displicentes, desatentos, coisas que não passariam despercebidas, estão começando a passar, propício para alguém de má intenção se aproveitar.

Estão dando pouca importância para quem faz acontecer, para quem faz realmente a diferença, e isso pode parar na Comissão Interamericana dos Direitos Humanas, como uma  exploração estatal, pois exploram a necessidade de cada um de estar aqui, por nos remunerar, não dá o direito de nos escravizar.

Para não ser uma crítica vazia, apontamos alguns pedidos:

Diárias majoradas no mínimo no período das olimpíadas e paraolimpíadas.

Escala 12/24 e 12/48.

Nos dêem o mínimo e terão o nosso máximo!

A segurança está comprometida !!

Essa nota foi emitida e enviada para a redação do FAXAJU, por um grupo de militares que, descontentes resolveram entregar a pauta de reivindicações ao tenente coronel Andrade, comandante da “operação Rio 2016”.

Por: Munir Darrage

Foto Divulgação

A matéria foi atualizada às 18:00h para correção e acréscimo de informações