03/08/16 - 16:34:26

LANÇAMENTO DO PARQUE DO POXIM: 1,8 KM DE ÁREA VERDE

O lançamento oficial de uma das áreas remanescentes de vegetação nativa de Aracaju, o Parque Natural Municipal do Poxim, aconteceu nesta quarta-feira (03), pela manhã, no Bairro Inácio Barbosa.

O evento reuniu autoridades de diversos órgãos e entidades públicas do estado. Estavam presentes os representantes do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (Ibama), Ministério Público de Sergipe (MPE), Guarda Municipal de Aracaju (GMA), Secretaria Municipal da Juventude e do Esporte (Sejesp), Secretaria Municipal da Defesa Social e da Cidadania (Semdec), Secretaria Municipal do Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplog), Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb), Secretaria Municipal de Comunicação (Secom), Funcaju , Procuradoria Geral do Município, e  a comunidade em geral.

O Parque do Poxim foi criado pelo decreto 5.370 de 02 de agosto de 2016. De acordo com a classificação do Sistema Nacional de Unidades de Conservação – SNUC, é uma Unidade de Conservação (UC) de Proteção Integral, na categoria Parque Natural.  Isto significa que o objetivo de sua criação é, sobretudo, proteger a natureza.

Preservação

“Estamos preservando uma área importante para a cidade, um espaço verde formado por ecossistema de Manguezal que abriga espécies da fauna e da flora, proporcionando para todos equilíbrio climático”, declara o secretário do Meio Ambiente de Aracaju, Eduardo Matos.

O Parque abrange uma área de cerca de 1,8 km², o equivalente a quase 20 estádios de futebol. A sua localização está dentro dos limites dos bairros Inácio Barbosa, Farolândia e São Conrado, sendo a sua parte leste banhada pelo Rio Poxim. O local vai abrigar um Centro de Monitoramento de áreas verdes da cidade, além de abrir para visitação pública para atividades com fins educacionais.

“Por ser um parque, possibilita visitação com autorização prévia da Sema. Futuramente pretendemos instalar passarelas, para que os visitantes interagir com a natureza, aprendendo a compreender a importância e a diversidade do mangue”, pontua Eduardo Matos.

Por: Deise Dias