27/08/16 - 05:42:53

ASSESSOR JURÍDICO DA AMESE REBATE NOTA DE EMANUEL CACHO

Na tarde desta sexta-feira (26), o advogado Emanuel Cacho, postou em grupo constituído por políticos sergipanos no WhatsApp, a mensagem de que o governador Jackson Barreto “deixe de ser frouxo e tome uma providência urgente”. A matéria foi reproduzida pelo FAXAJU.

Qual providência o insigne advogado espera que venha ser tomada?

Esperamos que as mesmas digam respeito à aquisição de coletes balísticos individualizados para a tropa, o licenciamento das viaturas e condições plenas de segurança  das mesmas, a aprovação do pagamento de subsídio para a categoria assim como fez com outras classes da segurança pública, a promoção por tempo de serviço, a reforma e construção de prédios decentes para que os militares trabalhem de forma produtiva, ou até mesmo o reajuste do vale-refeição que vale apenas oito reais.

Pela forma que se expressou e pelo histórico de tratamento dados aos militares pelos seguidos governos, não queremos acreditar que “deixar de ser frouxo” seja o governador utilizar o Código Penal Militar ou o Regulamento Disciplinar para punir aqueles que ofertam suas vidas diariamente na proteção da nossa querida sociedade sergipana. Emanuel Cacho é democrata e jamais pensaria dessa forma. Ou será que não?

Em outro trecho da mensagem, o causídico expressa que os militares estarão cavando as “próprias sepulturas da sociedade”. Será que são os militares que estão cavando realmente essas covas?

Não!

Caso alguma sepultura tenha sido ou venha a ser cavada, o grande culpado chama-se o Governo do Estado, por estar há vários anos tratando a categoria mais importante da segurança pública do Estado como uma polícia de segunda classe.

Com salários defasados, promoções atrasadas, péssimas condições de trabalho e falta de valorização e discriminação explícitas, os militares sergipanos cansaram de dar jeitinho e vão trabalhar como o governo quer, até que uma proposta real, exequível e aprovada em assembleia da categoria seja encaminhada e aprovada na ALESE.

Atenciosamente,

MÁRLIO DAMASCENO DA CONCEIÇÃO

Assessor Jurídico da AMESE