25/01/17 - 10:17:39

Lojistas querem vender produtos não comercializados (Foto Agencia Brasil)

Eles também já fazem expectativa para o Carnaval

Os produtos que não conseguiram ser vendidos durante as festa de final de ano – Natal e Ano Novo – surge como expectativa de vendas após os gastos da população com as tradicionais compras de dezembro.

Apesar de a população ter tido um consumo considerado “baixo” em relação aos últimos dois anos, a expectativa dos lojistas é a de que, no inicio de fevereiro, parte destes produtos que “encalharam”, sejam “aproveitados” pelos consumidores, como vem acontecendo desde o começo do ano.

A opinião é do presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), Brenno Barreto, para quem a tendência dos comerciantes em realizar uma baixa de preços dos produtos, por meio de promoções, já acontece desde os primeiros dias de janeiro como forma de desencalhar as mercadorias “e partir para a renovação de estoques”.

Mesma impressão é tida pelo Sindicato dos Lojistas de Sergipe (Sindilojas), que já enxerga novas perspectivas de aquecimento nas vendas com o advento do Carnaval, que começa em 24 de fevereiro, sobretudo para alguns segmentos do comércio.

“Evidente que os armarinhos, boutiques, sapatarias, óticas, lojas de vestuários, atacadões e comércio de bebidas sofrerão um esperado aquecimento no mês do carnaval, ajudando a puxar outros setores como o de bares, restaurantes e hotéis”, crê Gilson Figueiredo, que preside o Sindilojas.

Também os produtos do verão e fantasias carnavalescas deverão fomentar a comercialização de outros itens, beneficiando algumas atividades comerciais.

Salários e Economia

O Sindilojas espera que, com o pagamento salarial por parte da Prefeitura de Aracaju e Governo do Estado em datas já anunciadas antes do Carnaval, relativo ao mês de janeiro, também contribua para a circulação de moedas na capital sergipana.

“A economia local poderá ser impulsionada diante do pagamento dos servidores públicos em dia”, destacou Gilson Figueiredo.

A expectativa da CDL, de igual modo, é a de que este ano ocorra uma recuperação da economia brasileira, de modo a acalentar todos os segmentos produtivos.

“Nas últimas datas comemorativas, desde o Dia dos Namorados, passando pelo Dia dos Pais e Natal, o consumidor se portou de maneira tímida e tivemos pequenos acréscimos, mas estamos esperançosos”, diz Brenno.

Da assessoria

Foto Agencia Brasil