03/02/17 - 14:32:54

Ipesaúde garante tratamento integral a pacientes oncológicos (Foto ascom)

Neste sábado, dia 04 de fevereiro, é o dia mundial do câncer. A campanha internacional criada pela União Internacional de Controle do Câncer (UICC) traz o mote “Nós podemos. Eu posso”, com o objetivo de reforçar a importância da sociedade no controle da doença. O câncer, segundo os especialistas, é a segunda que mais mata no Brasil, precedida apenas das doenças cardiovasculares. O oncologista e Diretor de Atenção a Saúde do Ipesaúde, Eduardo Azevedo diz, ainda que este “ é um tema muito importante e sobretudo quando a gente coloca em perspectiva que o câncer hoje, ao contrário de cem anos atrás era uma doença muito pouco relevante e hoje responde a 15% das mortes do mundo, ou seja, a cada cem óbitos, quinze são causados por câncer”, diz.

O câncer é um problema de saúde pública mundial e sua incidência cresceu 20% na última década. Para 2030, a expectativa, em todo o mundo, é de 21,4 milhões de novos registros e 13,2 milhões de óbitos, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). Os países em desenvolvimento serão os mais afetados, incluindo o Brasil. Para se prevenir, a indicação do oncologista Eduardo Azevedo é a adoção de um estilo de vida saudável. “ É a prática de exercícios físicos, uma alimentação de qualidade, onde se consuma menos gordura, menos carne vermelha, mais frutas e mais legumes, também, evitar o fumo, beber moderadamente, ou seja, práticas genéricas de vida que reduzem a chance de ter câncer”, explica Azevedo Ele acrescenta que o tipo mais comum de câncer tanto para homens quanto para as mulheres é o de pele, mas ressalta que “ como o câncer de pele tem uma chance de cura elevadíssima, geralmente se omite esse dado, então normalmente destacamos assim, omitindo o câncer de pele, o mais comum no homem é o de próstata e na mulher, o câncer de mama”, conclui

Tratamento – “ O paciente beneficiário do Ipesaúde tem acesso a diversos médicos e clinicas especializadas credenciadas em nosso plano para sua livre escolha que oferecem um tratamento padrão como acontece em qualquer lugar do país. No caso específico da radioterapia, que há pouca disponibilidade no Estado, quando necessário, o Ipesaúde tem feito um esforço econômico muito grande para custear esse tipo de tratamento fora do Estado”, explica o diretor presidente do Ipesaúde, Christian Oliveira

Ascom/Ipesaúde com informações da Fundação do Câncer