11/02/17 - 07:10:14

“Jackson não é só o governador, ele é um amigo”, diz agricultor (Foto Victor Ribeiro)

Declaração de representante de produtores de Graccho Cardoso foi feita durante autorização do oitavo plano do Dom Távora no município

O Governo do Estado, por meio da Secretaria da Agricultura, Desenvolvimento Agrário e Pesca (Seagri) e da Empresa de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe (Emdagro), celebrou nesta última sexta-feira, 10, mais cinco contratos de Planos de Investimento Produtivo no âmbito do Projeto Dom Távora, no município de Carira.

A iniciativa tem como objetivo incrementar negócios na área rural, com foco nas cadeias produtivas e na sustentabilidade. Os novos projetos de inclusão produtiva beneficiarão 188 famílias e receberão um investimento total de R$ 1.447.442,74.

Somados aos outros três projetos que o governo já implantou no município, o valor investido sobe para R$ 2.434.083,93 e o número de pessoas beneficiadas aumenta para 1144. Todos os beneficiados serão assistidos por técnicos da Emdagro e consultores especialistas, que orientarão o desenvolvimento dos trabalhos.

De acordo com o governador ainda há cerca de R$ 600 mil de outras associações comunitárias que estão para ser aprovadas. “Há três meses nós trouxemos quase R$ 1 milhão para outras comunidades. Ou seja, ao total, só neste município, investimos quase R$ 3 milhões, o que é um valor considerável, tendo em vista que o Governo Federal destinou apenas R$ 7 milhões para todo estado de Sergipe a fim de amenizar os problemas causados pela seca”, contabilizou.

“Com esses valores, nós geramos emprego e renda para centenas de famílias, levantando a autoestima delas e, consequentemente, aumentando a qualidade de vida. É a presença do Governo do Estado prestando solidariedade nesse momento à parcela da população que mais precisa de assistência”, complementou Jackson.

Beneficiados

Um dos projetos beneficiará a Associação de Desenvolvimento Social e Comunitário do Povoado Gavião. Ele prevê a realização de atividades de corte e costura, e contempla 50 famílias. O investimento é de R$ 267.418 e a contrapartida da Associação é de R$ 72 mil, totalizando R$ 339.418.

“Jackson não é só o nosso governador, ele também é um verdadeiro amigo das nossas comunidades. Ele hoje veio aqui mudar a história de centenas de famílias e não temos palavras para agradecer o quanto o governo tem feito por todos nós, e o quanto o secretário [Esmeraldo Leal] que ele confiou essa missão tem nos ajudado. Tenho certeza que nos próximos anos a nossa realidade será completamente diferente do que era antes desse programa”, afirmou Pedro Bispo de Aragão, representante do povoado Gavião.

A segunda iniciativa é em prol do Assentamento Apolônio de Carvalho, por meio do Instituto Joazeiro, que contempla atividades de ovinocultura e beneficia 30 famílias, com financiamento de R$ 165.368,48. A contrapartida da Associação é de R$ 53.256,88 e o investimento total é de R$ 218.625,36.

O terceiro projeto beneficia os moradores da Comunidade Imbira, através da Associação de Produtores do Povoado Imbira, onde 40 famílias praticam a ovinocultura. Para elas, o investimento oriundo do projeto é de R$ 219.062,72, e, somados à contrapartida da Associação de R$ 54.691,28, o total chaga a R$ 273.754.

A comunidade Queimadas, que igualmente trabalha com ovinocultura, e é representada pela Sociedade Comunitária São Jorge, composta por 39 famílias, é a quarta a ser beneficiada. Juntando o financiamento de R$ 214.653,58, mais a contrapartida de R$ 54.033,80, o investimento total atinge o montante de R$ 268.677,38.

O quinto e último projeto ajuda a Comunidade Vajota, integrada pelas 29 famílias da Associação do Povoado Vajota, que também lidam com a criação de ovinos. Elas receberão o financiamento de R$ 289.140 e darão a contrapartida de R$ 57.828, o que representa um investimento final de R$ 346.968.

“Esse auxílio do governo é muito importante para nós porque estávamos esquecidos e através de do conhecimento desse programa, buscamos juntar as famílias carentes para receber o benefício, que com certeza será uma coisa muito boa para todos”, disse Valdinalson Cardoso dos Santos, representante da Associação Vajota.

Para o secretário da Seagri, Esmeraldo Leal, o município de Graccho Cardoso está de parabéns pois desponta na frente de outras cidades da região com vários projetos. “É justamente isso que nós queremos aproveitar com a vinda do governador. A mobilização do município, de todos os agentes municipais, desde as associações comunitárias até os vereadores, para que possamos, o mais rápido possível, transformar essa vontade do governo em ações concretas”.

Ainda de acordo com ele, a maioria dos projetos de Graccho estão relacionados a ovinocultura, pois essa atividade já é característica da região. “Sendo assim, o governo contribui para a construção de apriscos, para a compra de matrizes de ovelhas e reprodutores, tudo de excelente qualidade, justamente para melhorarmos o rebanho e aproveitar a aptidão local”, informou Esmeraldo.

Onde e como participar?

Embora seja executado pela Secretaria de Agricultura, o Dom Távora não se restringe apenas a projetos agrícolas. Na realidade, existe o incentivo para que as comunidades apresentem projetos inovadores e sustentáveis, independente do setor de atuação. Atualmente, existem projetos financiados pelo Dom Távora que comtemplam o bordado, a costura e o artesanato.

De acordo com informações da Seagri, já há inclusive comunidades se mobilizando para criar projetos de turismo rural, por exemplo. As associações e cooperativas interessadas em montar projetos ou conhecerem mais sobre o Dom Távora, podem se dirigir à sede estadual do programa, localizado na Secretaria de Agricultura, em Aracaju; aos escritórios municipais da Emdagro ou a um dos quatro polos regionais do Dom Távora (Poço Verde, Carira, Aquidabã e Neópolis).

Entretanto, segundo o secretário da Seagri, o Dom Távora também faz um trabalho de busca ativa nas comunidades. “Nós as visitamos, provocamos gestores e lideranças locais, vamos aos Conselhos Municipais de Desenvolvimento Rural Sustentável, aos territórios, sempre conversado com eles para que surjam mais projetos interessados. Fazemos isso, pois temos condições de beneficiar muito mais comunidades do que as que já estão aprovadas”, garante.

O coordenador do Projeto, Delmo Naziazeno, também destaca o caráter participativo das comunidades. “Todos os beneficiários participam de todo o processo, desde a elaboração do Plano de Negócio, com a equipe técnica, até a licitação para aquisição dos produtos e equipamentos, fiscalização e toda a gestão do empreendimento. Mas é importante observar que o Dom Távora está voltado paras as comunidades que estejam organizadas em associações, comunidades quilombolas ou assentamentos rurais, até o limite de R$ 5.750,00 por família, e que tenham, no mínimo, 30 % dos beneficiários formados por mulheres e jovens rurais”, pontuou.

Abastecimento humano

O governador Jackson Barreto também declarou durante a visita a Graccho Cardoso que a partir de hoje a Deso não cobrará mais das prefeituras o abastecimento de água das populações mais necessitadas através de carros-pipa.

“O prefeito Cassinho me fez hoje um pedido muito importante. A Deso estava cobrando das prefeituras os custos para o transporte de água em carros-pipa destinados ao abastecimento das populações mais carentes. É preciso convocar os prefeitos dessas regiões, pois acredito que é de nossa responsabilidade ofertar água para o consumo humano, principalmente num momento tão difícil como esse. A Deso não pode cobrar aos municípios pelos caminhões que eles precisam enviar para atender populações desabastecidas. É assim que se trabalha”.

Após a declaração, o diretor-presidente da Companhia de Saneamento de Sergipe, Carlos Fernandes de Melo Neto, afirmou que a ordem será cumprida. “Ouvi a determinação, e vou convocar os prefeitos dos municípios que estão em estado de emergência para modificar a operação sem a cobrança do abastecimento humano”, garantiu.

Dom Távora

O Projeto Dom Távora, cofinanciado pelo Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), tem por objetivo promover o desenvolvimento de negócios agropecuários e não agropecuários, por meio de financiamento de planos de negócios para associações e cooperativas de agricultores familiares. Contratado em 2013, com investimento previsto de US$ 28 milhões, sendo contrapartida estadual de US$ 12,3 milhões, o projeto Dom Távora beneficiará cerca de 10 mil famílias de pequenos produtores rurais, favorecendo 40 mil pessoas, através da implementação de 300 planos de negócios. O Projeto atua em 15 municípios dos territórios Agreste Central, Centro Sul, Baixo São Francisco e Médio Sertão Sergipano.

Segundo o oficial do FIDA para o Brasil, Leonardo Bichara, o único banco de desenvolvimento rural do sistema da Organização das Nações Unidas (ONU), sente-se honrado em poder contribuir com Sergipe nesse momento histórico. “A seca recorde dos últimos anos no estado exige atenção muito especial com os agricultores, e a parceria entre o Governo de Sergipe e o FIDA, por meio do Dom Távora, é a oportunidade concreta aos que vivem no campo. Os projetos FIDA têm o diferencial de não serem apenas investimentos   para obras, mas possuem também um acompanhamento especial com assistência técnica, um foco exclusivo em gênero, raça e juventude, assentamentos rurais, além do mandato irredutível de efetivamente diminuir a pobreza rural no estado. Desejamos ao Dom Távora todo o sucesso que ele merece”, declarou.

Entre os municípios beneficiados estão Nossa Senhora Aparecida, Carira e Pinhão (Agreste Central); Tobias Barreto, Poço Verde e Simão Dias (Centro Sul); Graccho Cardoso e Aquidabã (Médio Sertão); e Pacatuba, Brejo Grande, Ilha das Flores, Neópolis, Santana do São Francisco, Japoatã e Canhoba (Baixo São Francisco).

O lançamento do Dom Távora foi realizado em 07 de janeiro de 2016, no povoado Betume, em Neópolis, quando foi celebrado convênio entre o Governo do Estado e a Associação de Pescadores Evangélicos do povoado para a implementação de um Plano de Negócios de Piscicultura Intensiva. A iniciativa beneficiou 20 famílias, através de investimento total de R$ 300.617.

Em dezembro do ano passado, a Seagri e a Emdagro aceleraram a celebração de novos planos de investimento produtivo no âmbito do Projeto Dom Távora. Em Carira, foram apoiados quatro planos, beneficiando 113 famílias de agricultores familiares, com o total de recursos investidos em R$ 1.238.472.

No mesmo período, em Simão Dias, foram assinados dois planos de investimento produtivo no valor total de R$ 651.226,74, beneficiando 62 famílias. Em Poço Verde também foram celebrados dois planos, envolvendo 34 famílias e um investimento de R$ 438.842.

Já em Pacatuba, o projeto de piscicultura em tanque escavado, que já está em andamento no Assentamento Santana dos Frades, atinge 60 famílias com um valor de R$ 468.268.

Em Ilha das Flores foram firmados dois planos de investimento para 49 famílias, com investimento de R$ 668.226,83; e em Santana do São Francisco, o Dom Távora financia a implantação de um projeto de piscicultura para 15 famílias, com investimento de R$ 205.325.

Esmeraldo Leal acrescenta que mais investimentos estão prestes a ser contratados, e que a prioridade do governo é com as áreas mais atingidas pela seca. “Além desses recentes contratos em Graccho Cardoso, nós temos mais cinco projetos previstos para Carira; dois em Poço Verde; um em Simão Dias; alguns em Tobias Barreto, sem falar os do Baixo São Francisco. Nesse momento, estamos priorizando essa parte árida do estado justamente em função da seca, e também estamos trabalhando para integrar essas ações com a Cohidro para trazer poços artesianos e dessalinizadores. É extremamente importante o diálogo constante com a sociedade e com outras pastas governamentais a fim de potencializar esses resultados”, explicou.

AS