16/07/17 - 10:17:07

Jovem é espancada até a morte pelo companheiro e choca cidade de Glória

Mais um crime abala a cidade de Nossa Senhora da Glória neste domingo (16) com a prisão do jóvem Douglas Aragão pela Policia Civil do município. Ele é acusado de de matar, por espancamento, a jovem Kamila Rocha Melo, depois de desentendimento ocorrido na sexta-feira (14).

Familiares e amigos do casal acreditavam que Kamila sofria de uma doença grave e que teria se agravado exatamente no dia em que sofrera as agressões e que veio a óbito no sábado (15), depois de atendida no HUSE. O laudo Instituto Médico Legal (IML), entretanto, concluiu que a mulher fora morta por espancamento, e o laudo chocou a todos que conviviam com ela.

O que se sabia sobre a morte de Kamila Melo era que ela teria sofrido um desmaio, na sexta-feira (14) e sofrera de lesão na coluna vertical, não resistindo e chegando a óbito, depois de atendida no Hospital de Urgência de Sergipe (Huse).

Mas a polícia desconfiou da morte repentina sofrida pela vítima e prendeu, durante o velório, Douglas Aragão, que mantinha um relacionamento com a moça. Após nova avaliação por parte do Instituto Médico Legal (IML), concluiu-se que a moça teria morrido, na verdade, por conta de espancamento. O mesmo laudo foi divulgado pelo delegado de Glória, Jorge Eduardo.

Após a liberação do corpo para a família, a polícia recebeu informações de que na verdade Kamila havia sido vítima de espancamento praticado pelo seu companheiro Douglas Aragão Oliveira. A partir desse momento deu-se início a uma investigação tendo a equipe coletado indícios que possibilitaram a expedição de Mandado de Prisão contra Douglas por volta das 4 horas deste domingo (16), o qual foi cumprido as 7 horas.

Segundo o laudo do IML,  foi constatado pelos médicos que a jovem sofreu fraturas na costela, na lombar e nariz, além de diversas lesões internas e externas em decorrência do espancamento que sofreu.

Douglas será indiciado pelo crime de feminicídio e continuará preso temporariamente por 30 dias, podendo esse período ser dilatado pela justiça. Atenta-se para o fato de que Kamila era portadora de um síndrome rara chamada BUDD-CHIARI, que afeta a função hepática e essa condição de saúde era conhecida pelo seu companheiro, mas não o impediu de praticar esses atos com a vítima.