11/08/17 - 3:09:07

Contêineres se rompem no mar e produtos eletrônicos se espalham

Aparelhos de ar-condicionado, mochilas, material hospitalar, pneus, toalhas e tapetes estão entre as cargas armazenadas nos 45 contêineres que caíram de um navio no mar em Santos, no litoral de São Paulo, nesta sexta-feira (11). Autoridades tentam coibir a ação de saqueadores que foram ao local em pequenos barcos para furtar os produtos. As cargas se espalharam pela área costeira.

A Capitania dos Portos de São Paulo (CPSP) informou que o acidente ocorreu entre 1h30 e 3h, enquanto o navio Log In Pantanal estava fundeado a aproximadamente 4 quilômetros da costa. A embarcação aguardava para realizar a manobra de entrada no Porto de Santos (SP).

As causas do acidente ainda são desconhecidas, mas já são alvo de um inquérito da autoridade marítima. Não há informações de feridos. Suspeita-se, inicialmente, que ondas de pouco mais de 3 metros, provenientes de uma ressaca marítima, tenham contribuído para a queda.

Oficialmente, a armadora do navio ainda não informou o que os contêineres que caíram no mar armazenavam. Entretanto, o G1 apurou que parte da carga era composta por eletrônicos, eletrodoméstico, cilindros de oxigênio para hospitais, além de material de vestuário.

Algumas caixas metálicas se romperam e parte da carga se espalhou entre a barra de Santos e a região costeira de Guarujá (SP). Testemunhas afirmaram que alguns produtos já eram vistos próximos da praia do Guaiúba, onde, por volta do meio-dia, estavam 10 contêineres boiando.

Equipes dos núcleos marítimos da Polícia Federal e da Alfândega da Receita Federal monitoram a a região para evitar o saqueamento dos produtos. Soldados da Companhia Marítima da Polícia Militar Ambiental também estão no local para coibir ação de piratas e verificar danos ambientais.

A Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) foi notificada sobre a ocorrência e monitora junto com a Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp) os procedimentos adotados para retirar os contêineres da água. O Ibama ainda não se pronunciou sobre o ocorrido.

Oficialmente, a Codesp confirmou que o acidente ocorreu na madrugada no Fundeadouro 3, fora do cais. Ainda em nota, a estatal disse que autoridade marítima, com o apoio da Praticagem de São Paulo, fazem o levantamento para identificar o local exato da queda dos contêineres.

Imagens obtidas pelo G1 mostram a área do acidente após ocorrido. Segundo testemunhas, alguns compartimentos abriram no impacto com água e a carga se espalhou. Segudo a autoridade marítima, o canal de navegação precisou ser fechado por pelo menos 5 horas por segurança.

O navio operou no terminal Embraport, na margem esquerda do cais, na quinta-feira (10). Segundo a empresa, foram 341 contêineres carregados e outros 248 descarregados. Após a operação, ele foi manobrado para a barra para aguardar atracação na BTP, na margem direita do cais.

Às 13 horas, o navio recebeu autorizaração para realizar a manobra de atracação no terminal de contêineres. A manobra de entrada no cais santista foi acompanhada pela autoridade marítima, uma vez que parte dos contêineres a bordo também estavam tombados.

A Log-In, responsável pelo navio, informou que o mau tempo ocoasionou o desprendimento dos navios. Por nota, a empresa informou que “não havia contêineres que caíram no mar com cargas declaradas como perigosas de acordo com critérios da Organização Marítima Internacional”.

Por José Claudio Pimentel e Mariane Rossi, G1 Santos