20/09/17 - 15:54:04

ALMEIDA FAZ BALANÇO DOS 8 MESES À FRENTE SECRETARIA SAÚDE

O secretário de Estado da Saúde, Almeida Lima, concedeu entrevista no início da manhã desta quarta-feira, 20, ao Programa Jornal Primeira Mão, da 103 FM, comandado pelos jornalistas André Barros e Priscila Andrade, quando fez um balanço dos oito meses à frente da pasta.  Ao abrir a entrevista, Almeida Lima destacou o apoio quer vem recebendo do governador Jackson Barreto e foi categórico ao afirmar que esse tempo de gestão foi suficiente para transformar a face da saúde pública de Sergipe.

E mostrou como vem sendo realizada essa mudança, começando o balanço exatamente pelo setor mais crítico, que é a Oncologia. “Ao iniciarmos a gestão, em fevereiro passado, não tínhamos na rede nenhum tomógrafo em funcionamento. Os três aparelhos existentes estavam quebrados. Já recuperados dois deles e falta consertar um. Por outro lado, compramos e recebemos três tomógrafos novos, com recursos próprios. Um deles já instalado no Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), estando em processo de regulação, devendo entrar em funcionando nos próximos dias”, informou o secretário.

Em relação ao segundo tomógrafo novo, Almeida adiantou que o aparelho já está no Hospital Regional de Itabaiana, onde a área de instalação sendo preparada e a obra segue adiantada. “O terceiro aparelho chegou ontem e já está no Huse para ser instalado. Estamos recuperando o terceiro tomógrafo que encontramos quebrado para encaminhá-lo ao Hospital Regional de Estância. Estamos interiorizando os equipamentos, levando saúde de qualidade às nossas regionais. Ao mesmo tempo em que melhoramos a oferta dos serviços de saúde no interior, também desafogamos o atendimento em Aracaju”, observou.

Questionado sobre como foi possível dar um salto de qualidade na saúde em tão pouco tempo, o secretário foi taxativo ao afirmar que os avanços são frutos das medidas de gestão que vêm sendo implantadas, com foco na economia e no combate ao desperdício. “Devo dizer que não há dinheiro novo. É dinheiro velho, que estava no orçamento, inclusive com certa dificuldade, uma vez que ainda não chegou ainda todo dinheiro previsto constitucionalmente, os 12% que devemos gastar com a saúde, mas sabemos que a Secretaria da Fazendo está lutando para providenciar o aporte completo. São melhorias decorrentes de um esforço administrativo”, considerou Almeida.

100 novos leitos

O secretário anunciou medidas administrativas que estão sendo implantadas no Huse e que resultarão na criação de 100 novos leitos. “E, por falar em gestão, temos um problema gravíssimo no Hospital de Urgência que é a ocupação daqueles corredores, que ocorre em grande parte porque outras unidades, de outras esferas, por exemplo, municipais, não funcionam adequadamente e o Huse transborda de pacientes. Mas, mesmo assim conseguimos reordenar os espaços e redistribuir alguns setores para melhor adequar a estrutura física interna e viabilizar a instalação de 100 novos leitos no Huse”, disse Almeida.

Segundo Almeida Lima, em três semanas no máximo, não menos que 60 leitos estarão sendo instalados e disponibilizados para o público. “O Huse deixará de parecer um hospital de campanha, de guerra, de refugiados, para ter a dignidade que a população e funcionários merecem. Depois, quando desocuparmos outras área vamos instalar mais 30 e outros 10 na UTI”, explicou.

Parar de ser refém

Almeida Lima tocou em um ponto crítico durante a entrevista: a dependência de outros hospitais conveniados, situação que nem sempre é boa.  Ele informou que o governo, através da SES, tomou a decisão de não ficar refém de hospitais outros, conveniados ou privados, nas cirurgias de altas complexidades.

“Temos pacientes no Huse com três, quatros, cinco, até seis meses de espera por uma vaga no Hospital Cirurgia. Não queremos mais esta situação e, mesmo sem receber do SUS pelo serviço, por falta de habilitação na realização de cirurgias eletivas de alta complexidade, vamos fazer 40 cirurgias ortopédicas nos próximos dias”, anunciou o secretário, informando que serão beneficiados exatamente estes pacientes que estão esperando há muito tempo pela cirurgia.

Mais uma maternidade

Para também deixar de ser dependente de instituições conveniadas é que o governo de Sergipe decidiu reabrir a Maternidade Hildete Falcão Baptista, garantiu Almeida no ar. “Do mesmo jeito não vamos mais ficar na dependência da rede privada ou filantrópica na área de maternidade. Nós sabemos que quando a Maternidade Santa Izabel fecha por qualquer razão, a Nossa Senhora de Lourdes chega à superlotação, com parturientes pelos corredores. Não, isso vai acabar! Estamos reconstruindo, depois de nove anos fechada, a maternidade Hildete Falcão, que deve entrar em operação em novembro. E frise-se, com recursos próprios, a partir do esforço da administração estadual”, atestou.

Profissionais sérios

O secretário Almeida Lima fez questão de destacar na entrevista a qualidade técnica e o compromisso do corpo de funcionários da Secretaria de Estado da Saúde (SES) com os usuários do SUS. “Olha, justiça se faça, os profissionais são sérios, dignos, gostam de trabalhar, que trabalham. Esta foi a regra encontrada por mim. Agora, há exceções, são pontuais, mas que prejudicam todo o trabalho. Não por outra razão estamos colocando biometria, ou seja, o registro de ponto. Mas acompanhamos os aparelhos com câmara também e identificamos na semana passada três funcionários quebrando dois desses equipamentos. E estão sendo expulsos do hospital. Agora, é a regra? Não, de jeito nenhum”, finalizou o secretário.

SES