01/10/17 - 05:01:39

HU CAPACITA MÉDICOS PARA USO APARELHOS DE VENTILAÇÃO

O objetivo do curso é demonstrar o manejo dos distintos aparelhos usados em situações nas quais o paciente sofre de insuficiência respiratória

Médicos do HU-UFS recebem treinamento sobre a ventilação mecânica não invasiva, que é atualmente o tratamento escolhido na maior parte dos pacientes com insuficiência respiratória.

A Unidade de Reabilitação (UR) do Hospital Universitário da Universidade Federal de Sergipe (HU-UFS) promove, durante os meses de setembro e outubro, um curso de capacitação direcionado aos médicos do hospital, com o intuito de familiarizá-los com os aparelhos de ventilação não invasiva (VNI).  A ação, que acontece em datas já pré-definidas, está dividida em parte teórica e parte prática, tendo como base os equipamentos disponíveis no HU-UFS.

A VNI pode ser definida como qualquer forma de suporte ventilatório administrado sem necessidade de intubação endotraqueal, sempre que o paciente apresenta um quadro de insuficiência respiratória. A fisioterapeuta da UR e preceptora do curso, Thaísa Bastos, explica a importância dessa iniciativa. “Na parte teórica, falamos um pouco do conceito e dos fundamentos da VNI; na parte prática, colocamos os médicos em contato com os aparelhos”, resume.

“Quando o médico está diante do caso prático, o objetivo é que ele prefira a VNI à ventilação invasiva, tendo total controle de ambas as possibilidades. A VNI é mais confortável para o paciente e evita complicações de uma maneira geral”, esclarece Thaísa. Como os equipamentos são de marcas distintas, cada um deles tem uma maneira própria de trava e destrava. Os participantes do curso recebem também um folheto com instruções impressas sobre o manejo de cada aparelho.

Apesar de estar mais presente nos cursos de fisioterapia, a competência para decidir sobre a ventilação é do profissional da medicina. “Ainda que esteja acompanhado do fisioterapeuta, o médico deve saber operar os equipamentos de VNI. Como hospital-escola, o HU-UFS sempre se preocupa com a multidisciplinaridade e a capacitação constante dos seus profissionais de saúde”, garante Thaísa.

Por Luís Fernando Lourenço

Foto assessoria