30/11/17 - 16:16:31

FHS quer reduzir número de acidentes de trabalho na rede hospitalar estadual

O número de acidentes de trabalho registrado na rede hospitalar estadual neste ano de 2017 levou a Gerência do Serviço Especializado em Segurança e Medicina do Trabalho da Fundação Hospitalar de Saúde a decidir por focar seus esforços em 2018 na redução das estatísticas. Este ano foram 89 casos de acidentes de trabalho nos hospitais administrados pelo Estado, na capital e no interior. Somente no Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), unidade referência em alta complexidade e que está constantemente superlotada, foram 64.

Os trabalhadores mais afetados são técnicos e auxiliares de enfermagem que atuam em UTIs, Áreas Vermelha e Azul, centros cirúrgicos e Área Verde Clínica, mas há registros, em escala menor, em praticamente todas as áreas de assistência hospitalar. O agente causador é variado, vai de queda a instrumental, mas o campeão mesmo é a agulha, que ganha disparado do segundo colocado que é lâmina. Na escala de 0 a 50, a agulha alcança a linha dos 45.

Para a gerente do Serviço Especializado em Segurança e Medicina do Trabalho, Christiane Silva de Andrade Hora, os acidentes de trabalho são motivados principalmente pela resistência de parte dos trabalhadores da saúde que atuam na assistência a utilizarem os Equipamentos de Proteção Individuais (EPIs). “Temos tentado ações para tentar diminuir as estatísticas e, uma delas, são os treinamentos que temos realizado com os trabalhadores nos próprios locais de trabalho porque infelizmente não temos como tirá-los dos setores”, disse a gerente, acrescentando que os treinamentos ocorreram este ano apenas no Huse.

Para 2018, o planejamento da Gerência contempla também os hospitais do interior do Estado que, juntos, responderam por 25 acidentes de trabalho este ano, até este mês de novembro.  Segundo Christiane Hora, os treinamentos são focados no registro dos acidentes, nos acidentes com material biológico, apresentar o fluxo de procedimento em casos de acidentes e enfatizar a importância do uso dos EPIs.

“A grande maioria dos funcionários usa os EPIs, mas encontramos resistência de muitos ainda em utilizar os equipamentos de segurança. A gente ouve alguns dizerem, por exemplo, que só vão usar sapatos fechados se o governo der o acessório, mas quando ele sai daqui e vai para a rede privada, ele usa o sapato fechado sem nenhuma reclamação ou comentário. Então, a gente vê que é uma questão de conscientização. Esses trabalhadores que insistem em não usar precisam entender que estão colocando suas vidas e até de outros em risco”, considerou a gerente.

Foto SES