30/11/17 - 13:26:27

LANÇAMENTO DA ESCOLA FAZENDÁRIA DO FISCO MUNICIPAL DE SE

Nova Escola Fazendária para servidores do fisco municipal de Sergipe será lançado nesta sexta-feira (1º). SINAF Aracaju e ABAM Salvador começam a oferecer cursos nos setores fiscal e tributário a partir de 2018.

O Sindicato dos Auditores e Fiscais do Município de Aracaju (SINAF) fechou parceria com a Associação Baiana de Auditores Municipais de Salvador (ABAM) para incorporar em Sergipe a Escola Fazendária dos servidores do fisco municipal. O convênio foi assinado no Congresso Nacional de Auditores e Fiscais de Tributos e será apresentado em Sergipe nesta sexta-feira (1º), na Escola Municipal de Governo de Aracaju às 14h.

“A ideia da Escola é que a capacitação fiscal e tributária se torne uma ação permanente, planejada e que atenda as necessidades de cada município, principalmente em relação aos meios de fiscalização e cobrança do IPTU, ITBI e ISS que são os principais impostos municipais. Tudo isso estará dentro deste programa de capacitação”, revela o presidente do SINAF Carlos Trindade.

Em Sergipe, os servidores do fisco municipal se qualificam a partir de oportunidades que surgem de acordo com os interesses de cada Prefeitura, e os mesmos se inscrevem para participar desses cursos.

O modelo da Escola Fazendária adotado no contrato firmado entre as duas Entidades vai oferecer quatro cursos que serão ministrados por especialistas da área a partir de março do próximo ano, como explica Trindade. “Estamos programando inicialmente quatro cursos para 2018 voltados para o ISS, IPTU, o terceiro para o Super Simples e mais um que será discutido abertamente com os servidores”, afirma.

O presidente do SINAF conta ainda que,

nos últimos anos, houveram modificações significativas nos instrumentos de trabalho das secretarias municipais de Fazenda, dentro do sistema fiscal e tributário, e isso só reforça a necessidade de qualificação profissional de todo o quadro de servidores, garantindo o aumento das receitas próprias de cada município.

“Isso passa pela reciclagem dos profissionais, porque nos últimos anos entrou, por exemplo, a nota fiscal eletrônica e agora o sistema de escrituração digital contábil, ou seja, o processo de inovação tecnológica está muito acelerado e isto requer que os fiscais e auditores estejam se capacitando permanentemente para dar conta desses desafios”, finaliza.

Fernanda Queiroz