12/12/17 - 05:00:38

Retirada de feira irregular da praça João XIII garante mais segurança

A retirada dos feirantes da praça João XXIII, conhecida como Praça da Rodoviária Velha, na noite de sábado, 9, que ocorreu conforme o plano de ação para desocupação da feira irregular, buscou proporcionar mais segurança e tranquilidade à população que trafega pelo local. Durante o período de permanência da feira, diversas ocorrências foram constatadas e acabou se tornando um problema de ordem e segurança pública. Afinal, em menos de um mês, foram registrados nove homicídios.

De acordo com o presidente da Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb), Luiz Roberto Dantas, a feira funcionava de forma precária e irregular, sem nenhuma permissão do órgão competente. Além disso, ele explica que, diante os últimos acontecimentos nas proximidades, a retirada também passou a ser uma exigência da Secretaria de Segurança Pública de Sergipe (SSP/SE). “Daremos prioridade de realocação aos comerciantes do município de Aracaju nos mercados e feiras livres da capital para aqueles que compareceram à Emsurb e realizaram o cadastro”, ressalta.

O secretário de Estado da Segurança Pública, João Eloy, reafirma a importância da retirada da feira para a segurança pública. “Tivemos muitos homicídios dolosos naquela região este ano, cujas investigações mostram a relação com o tráfico de drogas. Portanto, a retirada da feira daquele local será importante para facilitar as investigações, o patrulhamento da Polícia Militar e evitar a aglomeração de usuários de drogas e traficantes. Foi uma decisão correta da Prefeitura de Aracaju”, garante.

O coronel Luís Fernando Almeida, secretário municipal da Defesa Social e da Cidadania, conta que o processo de desocupação ocorreu de forma pacífica e com o auxílio de diversos órgãos, como a Guarda Municipal de Aracaju (GMA), Empresa Municipal de Obras e Urbanização (Emurb), Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT), Secretaria de Estado da Infraestrutura (Seinfra), Polícias Civil e Militar e Corpo de Bombeiros.

“Por ser um local de tráfico de drogas, prática que gera conflitos e violência, avalio como uma ação extremamente positiva para o município e para a sociedade. A mobilidade também é um fator muito importante, já que no local trafegavam muitos veículos e pedestres ao mesmo tempo. Para a Guarda Municipal, que atua no terminal de integração localizado nas proximidades, a ausência do aglomerado da feira irá melhorar consideravelmente a visibilidade, refletindo na melhoria do policiamento ostensivo”, afirma o coronel.

O baiano Luiz Carlo Badaró, que está residindo em Aracaju, aprovou o procedimento e conta que em Salvador foram realizados dois projetos assim, quando organizaram a feira São Joaquim e o Centro da cidade. Segundo ele, “a ação foi positiva por tornar a cidade mais limpa, organizada e mais urbana. Afinal, os locais para venda de produtos devem ter lugares específicos para isso”, disse.

Os comerciantes da região também se sentiam intimidados com a situação. “O local estava ilegal e oferecia riscos à população, devido ao tráfico de drogas. Para os comerciantes, a decisão foi benéfica por ser uma correção de uma ação do passado, que a atual gestão teve que resolver, tanto que a própria justiça foi favorável à decisão. O fato é que a feira não agregava valor ao local e irá gerar um movimento mais benéficos aos lojistas”, destacou Brenno Barreto, presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Aracaju.

Fonte e foto ascom