27/02/18 - 16:35:20

Seminários do Mão Amiga chegam a Tomar do Geru e Cristinápolis

Vice-governador Belivaldo Chagas acompanhou a realização de mais um encontro e reafirmou o compromisso do governo do Estado em melhorar a qualidade de vida da população que depende da colheita da laranja

Na manhã desta terça-feira (27), os seminários do Mão Amiga Laranja 2017/2018 aconteceram nas cidades de Tomar do Geru e Cristinápolis. As ações contaram com as presenças do vice-governador Belivaldo Chagas e do secretário de Estado da Inclusão Social, Zezinho Sobral. A primeira parada foi em Tomar do Geru, município sergipano localizado a 131 km da capital. O seminário aconteceu na Escola Agrícola da cidade e contou com orientações sobre o programa, informações sobre outros benefícios públicos e sobre o desenvolvimento do cultivo da laranja no município. Além disso, os catadores também ouviram informações sobre Saúde do Trabalhador e Técnicas Alternativas de Combate às Pragas da Citricultura.

No município de Tomar do Geru, o Mão Amiga beneficia 236 agricultores e investe no pagamento das quatro parcelas do benefício, R$ 179.360,00, recursos oriundos do FUNCEP – Fundo Estadual de Erradicação e Combate à Pobreza. Duas das quatro parcelas já foram pagas. A participação do agricultor nos seminários é de grande importância, pois é pré-requisito para a manutenção do benefício no Programa.

O vice-governador fez questão de destacar a importância desse auxílio e a valorização que o governo do Estado dá aos trabalhadores rurais. “Temos como compromisso tratar este programa da forma que ele tem que ser tratado. E é obrigação de um governo que tem compromisso com o seu povo, fazer redistribuição de renda. Porque a população paga imposto e o governo tem que olhar para quem mais precisa em momentos como esse, que é o momento da entressafra da laranja. O governo que tem compromisso com a população não pode esquecer um projeto como esse, mesmo diante das dificuldades”.

Sendo o programa Mão amiga, uma ação entre o governo do Estado e a Secretaria de Estado da Mulher, Inclusão e Assistência Social, do Trabalho e dos Direitos Humanos, na oportunidade do seminário foram entregues Sacolas Ergométricas para Catação da Laranja – Equipamento de Proteção Individual (EPI) para a realização do trabalho. As sacolas de lona foram resultado de patrocínio do Banese. E o secretário de Inclusão Social, Zezinho Sobral, ressaltou que esse equipamento foi uma solicitação dos trabalhadores que fazem parte do programa.

“Até o início do ano passado eram doadas as camisas, mas a pedido dos trabalhadores, buscamos uma bolsa com boa qualidade e encontramos no estado de São Paulo. E o Banese realizou a aquisição. A liberação desse material retrata a importância que o governo dá a cada um de vocês. É a sensibilidade das pessoas que formam esse governo em atender a comunidade”, discursou o secretário.

O jovem agricultor Maciel Lima, trabalha com a colheita da laranja há cerca de três anos, e após realizar o cadastro está recebendo o benefício pela primeira vez. “É a primeira vez que recebo o benefício e estou feliz porque ele vai ajudar bastante na renda em casa. Com esse período da entressafra, a gente fica com pouca renda e um complemento como esse do Mão Amiga, vem em boa hora”.

Visita a escola

Durante sua passagem pelo município de Tomar do Geru, Belivaldo Chagas, acompanhado da vereadora Leide, visitaram a Escola Estadual Dom José Vicente Távora. De acordo com o diretor Franz Russemberg, a escola era considerada a mais pobre da DRE01 e em seis meses de modificações, se tornou referência em qualidade de ensino, bem como no que confere à conservação do patrimônio público.

“Tudo foi feito através do Programa Novo Mais Educação, onde conseguimos climatizar e reformar três salas de aula e dois suprimentos, de fundos advindos da Secretaria de Estado da Educação. O apoio do governo do Estado foi fundamental para que todas as mudanças acontecessem”, enfatizou o diretor. Diante dessa nova realidade, a escola, que é a mais antiga de Tomar do Geru, mais que dobrou o número de alunos no último ano e é motivo de orgulho no município.

Para Belivaldo, conferir de perto a boa preservação e manutenção de uma instituição que recebe apoio do governo do Estado, é muito gratificante. “Na escola pública é preciso que se tenha um trabalho integrado entre a comunidade, equipe diretiva, os alunos e pais de alunos. O que a gente observa nessa escola é que, os alunos e a equipe como um todo fazem com que a escola trabalhe em sintonia. Nós vimos aqui a escola totalmente limpa, não tem uma cadeira danificada, nem paredes sujas. Todos os alunos estudando com salas com ar-condicionado, e tudo acontecendo da maneira que deve acontecer. A gente fica extremamente feliz quando chega numa escola e encontra essa realidade vista aqui em Tomar do Geru. Parabéns a todos que fazem essa escola!”.

Cristinápolis

De Tomar do Geru, o vice-governador seguiu para a cidade de Cristinápolis, onde o programa Mão Amiga beneficia 289 agricultores. O valor investido nos benefícios das quatro parcelas do Mão Amiga 2017/2018 no município é de R$ 219.640,00, recursos oriundos do FUNCEP – Fundo Estadual de Erradicação e Combate à Pobreza. Duas das quatro parcelas também já foram pagas.

Para o prefeito, José Dantas, o Mão Amiga é um alívio para muitos trabalhadores de Cristinápolis, visto que essa é sua única fonte de renda. “O Mão Amiga chegou bem na hora que o nosso povo está precisando. E o catador de laranja é um trabalhador digno, são homens e mulheres que vivem do suor que cai do rosto, principalmente aqui onde não se tem outra fonte de renda. É uma satisfação participar desse momento com os trabalhadores e receber o vice-governador Belivaldo Chagas, que veio trazer essa boa notícia para toda a população de Cristinápolis”.

O ex-prefeito do município, Padre Raimundo, também participou do evento e fez questão de destacar o significado desse apoio. “O programa chega na hora certa, na hora que a situação aperta. Com a crise que passa o estado e o município, não é fácil manter o programa, que tem essa característica de estender a mão e ajudar. Agradecemos ao estado, que mesmo diante de todas as dificuldades, mantém o programa. Que ele continue cada vez mais”.

O agricultor Roberto Souza Lima concordou quando o Padre Raimundo falou sobre “estender a mão e ajudar”. “Esse benefício é muito importante porque complementa com a renda que a gente procura fazer quando não tem colheita. Ajuda a manter a casa, fazer uma compra na feira, é muito bom contar com esse dinheiro”, afirmou.

Participaram do seminário em Cristinápolis, a vice-prefeita, Gislane Rocha; a primeira-dama e secretária de Assistência Social Andréa dos Santos; vereadores e secretários municipais. Também esteve presente o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Cristinápolis, Genilson dos Santos, que reforçou a importância do trabalhador rural e incentivou os catadores presentes a fundarem o Sindicato dos Catadores de Laranja em Cristinápolis.

Foto Marcelle Cristinne