20/08/18 - 15:51:47

Ação do Projeto Salve capacita crianças, jovens e adultos para ajudar a salvar vidas

Quem passou pelos shoppings da Capital no último sábado, 18, pôde aprender que, com um simples passo a passo é possível ajudar a salvar uma vida. Aproveitando o Dia Nacional da Reanimação Cardiopulmonar, voluntários do Projeto Salve e das Ligas Acadêmicas de Sergipe levaram até o público explicações essenciais de como prestar um primeiro atendimento.

A iniciativa é uma mobilização do Dia Nacional da Reanimação Cardiopulmonar e aconteceu em 20 estados brasileiros. Em Sergipe, essa foi a 3ª edição consecutiva da mobilização, que já capacitou mais de mil pessoas no Estado. O principal objetivo é preparar a população para saber identificar uma parada cardíaca (PCR), realizar as manobras iniciais de reanimação cardiopulmonar (RCP) e utilizar o Desfibrilador Externo Automático (DEA).

A estudante Lorena Góis Araújo, 18 anos, aproveitou o passeio no shopping para aprender os procedimentos. “Não conhecia o Projeto Salve e achei muito legal eles estarem dando essas instruções, especialmente nesse lugar tão movimentado e que pode acontecer com qualquer pessoa que esteja ao nosso lado. E é uma coisa que é realmente útil e que todo mundo deveria saber como agir. A partir de agora, eu, pelo menos, vou tentar ajuda caso eu presencie uma parada cardíaca. Coisa que antes eu nem tentaria, por não saber”, revelou ela.

Em Sergipe, o evento é organizado pelos voluntários do Projeto Salve em parceira com Ligas Acadêmicas de Sergipe. O Projeto Salve é desenvolvido por representantes da Sociedade Médica de Sergipe (Somese), Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), Corpo de Bombeiros e Cooperativa de Anestesiologistas de Sergipe (Coopanest).

Ronei Barbosa, coordenador do Projeto Salve, explicou como funciona a iniciativa. “O Projeto Salve faz esse trabalho durante todos os meses do ano e a gente aproveita o Dia Nacional da Reanimação Cardiopulmonar para reforçar. Então, o objetivo é esse. Primeiro ensinar a população a reconhecer a parada cardíaca e, em seguida, iniciar as manobras de reanimação. Então a gente aproveita esse dia de mobilização nacional para convocar a população para que eles entendam mais o tema”, disse.

O médico José Aderval Aragão, presidente da Somese, alertou que mais de 85% das paradas cardiorrespiratórias acontecem nos domicílios. “Há três anos começamos a idealizar o Projeto Salve que, no meu entendimento, é um projeto fantástico e pioneiro. E é extremamente importante que a população tenha esse conhecimento para saber como agir. Hoje já temos mais de 3 mil pessoas capacitadas pelo projeto. Eu fico muito contente com a aceitação do público. Tive a oportunidade de treinar várias crianças aqui e é impressionante como eles absorvem rapidamente. E isso é muito bom, pois essas crianças que foram treinadas serão multiplicadoras”, ressaltou ele.

O médico Milton Simões, presidente da Cooperativa de Anestesiologia do Estado de Sergipe, destacou a importância desse primeiro atendimento durante um episódio de parada cardíaca.

“A gente vem levando esse trabalho à frente, procurando cada vez mais conscientizar a população. Em geral, o leigo, aquele que não trabalha diretamente com esse tipo de situação, mas que pode se deparar, a qualquer momento, com uma situação como essa. O primeiro atendimento é vital para o paciente. Então, até que o socorro especializado chegue, o leigo pode salvar uma vida. Esse é o primeiro elo da corrente, o atendimento básico”, explicou Milton.

O Tenente Valter Alves, do Corpo de Bombeiros, ressaltou a importância de alcançar a população. “O intuito desse projeto é, justamente, alcançar o leigo, que é a pessoa que não é profissional de saúde e que não tem contato com isso no dia a dia. Então, muitas vezes a pessoa acha que é uma manobra difícil de se entender e de realizar. No passado, haviam muitas regras, então a gente conseguiu condensar isso e simplificar para que as pessoas entendam melhor. O Projeto Salve está empenhado para que as pessoas tenham mais acesso a isso, aprendam e se tornem multiplicadores”, completou.

Foto assessoria

Por Catarina Gonçalves