22/08/18 - 05:41:16

EVENTOS DA ABES DEBATEM CAMINHOS PARA TRANSFORMAÇÃO

Com a presença de presidenciáveis e dos ex-ministro Carlos Ayres Britto, eventos da ABES debatem caminhos para a transformação digital

 

Seminário Brasil 2022 e 8ª Edição do ABES Software Conference foram realizados em São Paulo nesta segunda-feira (20 de agosto)

Com a presença do ex-ministro do STF Carlos Ayres Britto e de nomes envolvidos na disputa eleitoral à presidência – Henrique Meirelles (candidato à presidência pelo MDB); João Almoêdo (candidato à presidência pelo NOVO); José Maria Eymael (candidato à presidência pela DC); e Kátia Abreu (do PDT, candidata à vice na chapa de Ciro Gomes) – entre outros importantes nomes do mercado de tecnologia da informação e autoridades governamentais, foram realizados, em São Paulo, neste dia 20 de agosto, a 8ª edição do ABES Software Conference e o Seminário Brasil 2022, encontros promovidos com o intuito de debater os caminhos para impulsionar a transformação digital no Brasil, organizados pela ABES (Associação Brasileira das Empresas de Software), com apoio de diversas entidades do setor.

Seminário Brasil 2022

Todos os presidenciáveis presentes receberam em mãos o Estudo “Independência Digital – Brasil 2022“, disponível neste link, elaborado pelo Think Tank Brasil 2022, uma iniciativa apoiada pela ABES, que reuniu lideranças do setor de TI para formular propostas que possibilitem ao Brasil declarar a sua “independência digital” no ano de 2022, quando celebra o bicentenário de sua independência. Diversas medidas (de curto e médio prazo) foram recomendadas, focadas nas áreas da educação, segurança jurídica, fomento à inovação e internacionalização do setor.

Vanda Scartezini, engenheira e conselheira da ABES, ex-secretária de Política de Informática [SEPIN, atual SEPOD] do MCTIC e ex-secretária de Tecnologia Industrial [STI] do MDIC; e Dorothea Werneck, ex-ministra da Indústria e Comércio e do Trabalho, apresentaram o estudo, que foi entregue, em ordem, a José Marie Eymael, Henrique Meirelles, João Amoêdo e Kátia Abreu. No evento, os candidatos tiveram oportunidade de responder perguntas e apresentar suas propostas para o setor de tecnologia. A iniciativa contou com o apoio da ACATE, ASSESPRO, BRASSCOM, FENAINFO e SOFTEX.

José Maria Eymael, o primeiro a se apresentar, salientou que a transformação digital precisa estar presente no desenvolvimento do país e que o próximo presidente precisa “ter uma obsessão” pelo tema, tamanha a sua importância. Na sequência, Henrique Meirelles comentou suas propostas na área, incluindo a criação de um gabinete digital ligado diretamente à Presidência e o uso de tecnologia no SUS, com cartões digitais capazes de registrar o histórico de saúde dos pacientes.

O terceiro a discursar, João Amoêdo comparou seu partido, o NOVO, a uma startup política, começando do zero, explorando as possibilidades da tecnologia digital. Considerou fundamental que haja liberdade econômica, segurança jurídica e a favor de um governo digital, que preste serviços rápidos e de qualidade. Encerrando o seminário, Kátia Abreu usou o exemplo do desenvolvimento do agronegócio por meio do investimento em pesquisa e tecnologia para demonstrar que é possível sim, dar o grande salto rumo à economia digital no Brasil. Citou o exemplo das zonas econômicas especiais da China como um modelo interessante para o Brasil acelerar a transformação digital e a integração nas cadeias de valor mundiais.

ABES Software Conference

A 8ª Edição do ABES Software Conference, reconhecida como uma das conferências mais importantes do setor de tecnologia, teve início com uma apresentação de Francisco Camargo, presidente da ABES. “Nos próximos anos os países irão se dividir em dois: aqueles que possuem economia digital e os que ficaram pelo caminho. O Brasil tem pressa para fazer parte do primeiro grupo, pois outros continuam avançando. Precisamos concentrar nossos esforços em promover políticas públicas, perenes e permanentes, que assegurem a transformação digital e segurança jurídica necessária para que os empreendedores tragam competitividade e eficiência ao nosso setor produtivo, melhorando a qualidade de vida da população”, comentou.

Seguindo a tradição dos últimos anos, o ABES Software Conference contou com uma apresentação dos números do Estudo Mercado Brasileiro de Software 2018, levantamento do Instituto IDC, organizado pela ABES, fundamental para compreender o contexto do setor. “Neste balanço, notamos que 2017 representou o início da retomada do crescimento do setor de tecnologia da informação no Brasil, após retração em 2016. O mercado de TI cresceu 4,5% no país no último ano, ainda aquém do crescimento médio mundial, que foi de 5,5%, mas um importante indício de que estamos retomando o fôlego e podemos ter um grande momento no futuro próximo se aproveitarmos as oportunidades”, diagnósticou Jorge Sukarie, presidente do Conselho da ABES, que apresentou os dados, disponíveis no link.

“Somos o nono maior mercado de software do mundo e nosso setor tem participação fundamental das micros, pequenas e médias empresas – todas com menos de 500 funcionários –, que representam 99,5% do segmento. Se nos atentarmos a tendências como o crescimento e consolidação de tecnologias disruptivas, a exemplo de IoT, Big Data, Cloud e a densificação dos smartphones, incentivando a inovação e formos capazes de criar um ambiente seguro para investimentos, teremos muitos frutos a colher. Não devemos ignorar nossos problemas, mas há uma janela de oportunidades e devemos discutir os fatores que inibem o crescimento para aproveitar ao máximo nosso potencial. Em 2018, apesar dos contratempos que tivemos, é esperado que o mercado de TI cresça 4,1%”, complementou Sukarie.

No mesmo mês em que a Lei Geral de Proteção de Dados foi sancionada, o painel “Pequenas e Médias Empresas e as Leis da Privacidade” trouxe a Dra. Viviane Maldonado, ex-Juíza de Direito no Tribunal de Justiça de São Paulo, o Dr. Thiago Luís Sombra, ex-Procurador do Estado de São Paulo junto ao Supremo Tribunal Federal, e o Dr. Saul Coutinho, Advogado Especialista. “É importante ressaltar que as leis devem sempre trazer isonomia e segurança jurídica ao setor. Podemos dizer que o painel terminou com otimismo moderado quanto ao cenário regulatório e econômico, dependendo da regulamentação da lei e do seu órgão fiscalizador. Os empreendedores e inovadores estão temerosos de como a nova Lei de Segurança de Dados, com multas elevadíssimas, às quais podem se somar ações de indenização promovidas sob a égide do Código de Defesa do Consumidor, poderá inibir a inovação e o uso de dados no Brasil”, analisou Manoel dos Santos, diretor jurídico da ABES.

“Embora já estampada em diversos artigos do Marco Civil da Internet e outras leis, para que as empresas pudessem continuar a prestar serviços aos países da Comunidade Europeia, o Brasil precisava consolidar as diversas proteções oferecidas pela Constituição e leis e regulamentos em uma única legislação que se equiparasse ao GDPR europeu e de outros países. Teremos um período de 18 meses para que as empresas se adaptem. Evidentemente haverá um custo importante, que as Pequenas e Médias empresas talvez não consigam pagar. Por outro lado, a lei gerará novos negócios e empregos, em funções totalmente novas”, acrescentou Manoel.

Key note speaker do evento, o ex-presidente do STF (Supremo Tribunal Federal) Carlos Ayres Britto comentou sobre a necessidade do Direito de trazer segurança jurídica e ajudar a promover a igualdade social no Brasil, com o suporte da constituição. “Quanto mais leio as outras constituições, mais me convenço de que a brasileira é excelente. É uma Bíblia jurídica, no qual a democracia é um credo político. O oposto da democracia é a ditadura e ditadura não é opção, é barbárie”, afirmou. Ayres Britto citou Ruy Barbosa para mostrar a importância da impessoalidade da lei, priorizando as demandas da sociedade e não interesses particulares, e sempre de modo transparente: “‘salvação, sim; mas salvadores, não’, como diria Ruy Barbosa. Sem cultos à personalidade, a lei deve ser aplicada para o bem de todos, não interessa quem governa e sim a forma que governa”.

“O Judiciário tem que trabalhar sob intensa vigilância da sociedade. As coisas estão acontecendo, chegamos em um ponto da maximização da capacidade coletiva de se indignar, o que é muito bom. Estamos passando de indignados para propositivos, as coisas estão andando. Precisamos conhecer mais a Constituição para aplicá-la e trazer cada vez mais segurança”, declarou Ayres Britto.

O painel “Transformação Digital – A Visão do Governo” juntou Rafael Moreira, Secretário de Inovação e Novos Negócios do MDIC; Jorge Campagnolo, Coordenador Geral de Serviços Tecnológicos do MCTIC; Thiago Camargo Lopes, Secretário do SEPOD do MCTIC; e Gerson Schmitt, Empresário e VP do Conselho da ABES. Foi debatida a importância de políticas públicas que incentivem o empreendedorismo e, sobretudo, a inovação, cobrindo os mais diversos segmentos da economia e impulsionando o PIB nacional com investimento na indústria 4.0. Entre as iniciativas citadas já sendo implementadas, estão a Unificação dos Programas de Apoio às Startups, a Agenda Brasileira para a Indústria 4.0 e a Estratégia Brasileira de Transformação Digital.

Na sequência, o painel “Desafios da Inteligência Artificial” reuniu Jomar Silva, Developer Evangelist da Intel; Fábio Rua, Diretor de Relações Governamentais e Assuntos Regulatórios da IBM; Adriana Silva, Jedi em Analyst da SAS; e Werter Padilha, Empresário e Coordenador do Comitê de IoT da ABES. Os participantes comentaram o potencial da tecnologia em revolucionar o nosso cotidiano e trazer benefícios como curar doenças, melhorar o trânsito e dinamizar a educação, por exemplo. Alguns desafios enfrentados pelo Brasil para evoluir nesse campo foram mencionados, como a demanda por profissionais capacitados.

Finalizando o ABES Software Conference, o painel “Transformação Digital – A Visão dos CEOs” contou com a participação de Tonny Martins, Presidente da IBM Brasil; Laércio Consentino, Presidente da TOTVS; Paula Bellizia, Presidente da Microsoft Brasil; Maurício Ruiz; Presidente da Intel Brasil e o moderador Marcelo Pagotti, ex-secretário de Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento. Os executivos comentaram iniciativas e apresentaram cases de suas empresas, com aplicação de tecnologias de ponta.

Em uma quebra de protocolo após a última palestra, Fábio Rua homenageou Francisco Camargo com a Comenda dos Embaixadores do Movimento Brasil País Digital, honraria oferecida peloMovimento Brasil País Digital, uma inciativa multissetorial, sem fins lucrativos, liderado pela ABES que busca informar o público em geral sobre de transformação digital, uso de dados e segurança cibernética.

Em diversos momentos da agenda de apresentações foram saudados os 32 anos da ABES e os avanços desse período. Em 1986, a entidade foi fundada com 18 associados e hoje representa mais de 2 mil empresas, de todos os portes e espalhadas por todas as regiões do país, em 23 Estados da federação. “Nessas três décadas presenciamos uma verdadeira revolução. Hoje um dentista possui mais tecnologia que empresas inteiras, utilizando recursos que vão desde o uso de scanners tridimensionais até impressoras 3D. Nos próximos anos esses avanços serão ainda mais notórios e velozes, por isso é fundamental que o setor conte com Segurança Jurídica e Tributária, um ambiente aberto ao desenvolvimento da inovação e do empreendedorismo no Brasil. Software hoje é infraestrutura e como tal deve ser considerado, essencial para o futuro do país“, finalizou Francisco Camargo.

Thiago Ribeiro/ Divulgação ABES
João Amoêdo
Alta | Web


Thiago Ribeiro/ Divulgação ABES
José Maria Eymael
Alta | Web


Thiago Ribeiro/ Divulgação ABES
Kátia Abreu
Alta | Web


Thiago Ribeiro/ Divulgação ABES
Henrique Meirelles
Alta | Web


Alta | Web


Carlos Ayres Britto e Francisco Camargo
Alta | Web


Sobre a ABES

A ABES, Associação Brasileira das Empresas de Software, é a mais representativa entidade do setor com cerca mais de 2.000 empresas associadas ou conveniadas, distribuídas em 23 Estados brasileiros e no Distrito Federal, responsáveis pela geração de 200 mil empregos diretos e um faturamento anual da ordem de US$ 24 bilhões por ano.

Desde sua fundação, em 9 de setembro de 1986, a entidade exerce a missão de representação setorial nas áreas legislativa e tributária, na proposição e orientação de políticas voltadas ao fortalecimento da cadeia de valor da Indústria Brasileira de Software e Serviços – IBSS, na defesa da propriedade intelectual e combate à pirataria de softwares nacionais ou internacionais e no apoio às iniciativas de fomento à pesquisa, desenvolvimento, inovação e ao desenvolvimento do software nacional. Acesse o Portal ABES – www.abes.org.br ou fale com a nossa Central de Relacionamento: (11) 2161-2833.

Fonte e foto: ABES
Weber Shandwick Brasil