27/08/18 - 12:52:14

MMA e Governo do Estado recuperam nascentes de água no Alto Sertão sergipano

Na manhã da última sexta-feira, 24, o secretário de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos, Olivier Chagas, participou da reunião de apresentação dos resultados da implementação das Unidades de Recuperação de Áreas Degradadas e Redução da Vulnerabilidade Climática (Urad) no Alto Sertão sergipano. O evento aconteceu no Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Monte Alegre/SE.

A atividade festiva serviu para que o Ministério do Meio Ambiente (MMA) recebesse oficialmente os resultados do projeto. Das quatro unidades instaladas em Sergipe, duas foram finalizadas. As outras serão entregues em no máximo dois meses. São comunidades que se encontravam em dificuldade com os recursos hídricos e, agora, têm de volta suas nascentes.

“As Unidades de Recuperação de Áreas Degradadas são importantíssimas, especialmente pelo grande índice que temos de desertificação nessa região. São experiências de campo, envolvendo a comunidade, dando orientação de como manejar a terra corretamente, fazendo esclarecimentos de como o homem lida com a sustentabilidade”, comentou Olivier.

Desde que o MMA demonstrou interesse em executar o projeto em Sergipe, a Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh) colocou-se à disposição para ajudar no que fosse necessário. “Apresentamos os outros entes do estado que poderiam apoiar esse projeto, ajudamos na seleção dos assentamentos, trabalhamos a divulgação e as parcerias com os municípios”, explicou Elísio Marinho, superintendente de Biodiversidade e Florestas da Semarh.

Olivier afirmou pretender utilizar o modelo para ações futuras de sua secretaria. “Os resultados estão a olhos nus e nós estamos muito felizes de ver essas unidades dando resultados. Só indo em campo para ver o quanto esse trabalho tem sido importante. Pretendemos a partir desse projeto que tem servido como base, expandir para toda a nossa caatinga”, afirmou.

Valdemar Rodrigues, diretor de Desenvolvimento Rural Sustentável do MMA, disse estar surpreso com a qualidade dos resultados. “Para nós, foi surpreendente, especialmente duas coisas: a capacidade das empresas locais de fazerem o trabalho e a manifestação acolhedora da comunidade. A comunidade se sente atendida, ela vê resultados concretos que estão mudando a vida dela. Você chegar em uma comunidade que não tinha nenhuma fonte de água e sair de lá deixando duas ou três nascentes é espetacular”, comemorou.

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) também esteve envolvido na culminância do projeto. Para Saenandoah Dutra, gerente de projetos do órgão, o projeto busca o “fortalecimento da nação” evolvendo a comunidade, o que o torna ainda mais importante.

“Esse projeto em Sergipe é muito interessante para o Pnud porque trabalha realmente em campo, com o empoderamento das pessoas para que elas mesmas alcancem as soluções através de um modelo que está sendo adotado pelo Governo brasileiro”, avaliou Saenandoah.

Nove meses foi o período necessário para a conclusão das duas primeiras unidades. Valdineide Barbosa de Santana, analista ambiental do MMA, acompanhou o projeto desde seu início e destaca o envolvimento da comunidade. “Sergipe está dando exemplo com as Urads implantadas, envolvendo a comunidade e envolvendo as instituições que atuam no local”, considerou.

O também analista ambiental Cláudio Rodrigues dos Santos ressalta que a resistência inicial não atrapalhou a execução do projeto. “Primeiro tivemos que garantir o convencimento e engajamento da comunidade. No início houve uma desconfiança por parte da comunidade, mas conseguimos quebrar isso. A partir do momento que houve a aproximação e se estabeleceu um laço de confiança, tudo se tornou mais fácil”, relembrou.

“Esse foi um projeto que nos ajudou muito. Não foi um projeto ditado. As instituições foram lá, viram a necessidade das pessoas e começaram a fazer junto com a gente. As nascentes antes estavam aterradas e hoje estão jorrando água com muita força”, compartilhou José Euzébio Costa Viana, morador da comunidade Florentan Fernandes, em Canindé de São Francisco/SE.

Urad

As Unidades de Recuperação de Áreas Degradadas e Redução da Vulnerabilidade Climática são a principal estratégia para o combate à desertificação e mitigação dos efeitos da seca. Atua em três frentes: ações ambientais (recuperação de água, solo e biodiversidade); ações sociais (segurança hídrica, energética e saneamento); e ações produtivas (geração de renda com alternativas sustentáveis).

“A Urad trouxe algo diferente, trouxe a junção de ações produtivas, ambientais e sociais. O que se fazia antes era contratar uma empresa, vir e fazer; mas nas Urads não. Pelo contrário, toda a comunidade está envolvida”, fez questão de enfatizar Elísio Marinho.

Além das quatro unidades já implantadas, o MMA pretende trazer mais dez para o estado. Passo essencial e significativo para a recuperação da caatinga, que hoje, em Sergipe, segundo Inventário Florestal, apresenta-se com apenas 3% de seu tamanho original.

Foto: Adelvan Nascimento

Semarh