03/09/18 - 23:45:03

André Moura com novo jeito de fazer política surpreende donos do poder

O Faxaju Online continua com as suas entrevistas com os candidatos ao Senado Federal, para que o eleitor tenha maior e melhor conhecimento das propostas de cada um deles e faça a escolha do quem considerar que atende ao seu pensamento de um Estado e um País melhor.

O entrevistado desta terça-feira é André Moura (PSC). Ele diz que inaugurou “um jeito novo de fazer política e isso surpreendeu os tradicionais “donos” do poder. Mirei o povo, pensei no mais pobre e me dediquei todos os dias dos últimos dois anos a buscar recursos para ampliar o desenvolvimento de Sergipe”.

André diz que aprendeu que “o importante é ajudar as pessoas a terem melhores condições de vida e oportunidade para ascender social e economicamente”. E acrescentou que “quando ajudei prefeitos e adversários políticos, na verdade estava fazendo pelo povo. Aprendi que não se deve olhar o partido do prefeito, do governador, ou se ele apoia ou não o meu projeto político”.

André Moura se declara “municipalista” e em razão dessa posição, “defendo com urgência um novo pacto federativo, para que haja uma reforma tributária e fiscal que privilegie as cidades. O dinheiro produzido no município, fruto da arrecadação de impostos, deve ficar na origem”.

Entrevista de André Moura

Faxaju – Percebe-se um avanço na sua candidatura ao Senado. Atribui isso a quê?

André Moura – O eleitor sergipano cansou de votar em candidatos que só falam mal dos concorrentes e nada fazem pelo povo. Na pré-campanha, fui a todos os municípios apresentando o resultado do meu mandato, através do qual pude trazer quase R$ 1,5 bilhão em verbas do Governo Federal. São recursos que estão ajudando a melhorar a qualidade de vida da população, ao mesmo tempo em que geram emprego e renda. Agora começo a colher os frutos desse trabalho sério graças à generosidade do povo sergipano, que sabe reconhecer quem verdadeiramente trabalha para beneficiar os mais carentes.

Faxaju – O seu estilo de ajudar a prefeituras e ao governo estadual, independente de cor partidária, deu maior amplitude a sua campanha?

André Moura – Inaugurei um jeito novo de fazer política e isso surpreendeu os tradicionais “donos” do poder. Mirei o povo, pensei no mais pobre e me dediquei todos os dias dos últimos dois anos a buscar recursos para ampliar o desenvolvimento de Sergipe. Quando ajudei prefeitos e adversários políticos, na verdade estava fazendo pelo povo. Aprendi que não se deve olhar o partido do prefeito, do governador, ou se ele apoia ou não o meu projeto político. O importante é ajudar as pessoas a terem melhores condições de vida e oportunidade para ascender social e economicamente.

Faxaju – Caso seja eleito senador, o que fará de imediato por Sergipe e pelo Brasil?

André Moura – Pretendo manter a minha linha de trabalho: lutar para trazer mais e mais recursos e ajudar no desenvolvimento. Da mesma forma, creio que Sergipe deva ter uma representação forte para ser respeitado. Somos o menor Estado da Federação do Brasil, mas temos grandes riquezas naturais e um povo determinado, ordeiro e muito trabalhador. Pautarei no Senado projetos voltados para a segurança pública, alguns já aprovados na Câmara dos Deputados, como o que reduz de 18 para 16 anos a maioridade penal. Esta, aliás, será uma das minhas prioridades: estabelecer políticas públicas para garantir mais segurança e o retorno da paz social.

Faxaju – Que reformas emergenciais defende para o País?

André Moura – Sou municipalista declarado e por isso defendo com urgência um novo pacto federativo, para que haja uma reforma tributária e fiscal que privilegie as cidades. O dinheiro produzido no município, fruto da arrecadação de impostos, deve ficar na origem. Não é justo que a maior fatia do bolo seja repassada para os estados e a União, enquanto quem gera a riqueza viva o tempo inteiro no limite, quando não, sem qualquer recurso disponível até mesmo para pagar os salários dos servidores. Precisamos dividir de forma justa para que os municípios se sustentem. Também é preciso avançar na reforma política. O Brasil tem um sistema político-eleitoral que acaba favorecendo o conflito, jamais o diálogo, além de ter um número excessivo de partidos. Isso precisa mudar. Temos de adequar o País ao novo momento mundial.

Faxaju – o senhor continuará defendendo a reforma da Previdência e do Trabalho projetadas pelo atual governo?

André Moura – Toda lei que prejudique a população precisa ser revista. O que há de bom na reforma trabalhista, que ajude a gerar emprego e reduza os custos das empresas, continuarei defendendo. Mas onde houver comprovada perda para os trabalhadores, irei propor mudanças na legislação, para que os pais de família e os jovens não sejam prejudicados. Direitos assegurados desde a CLT, que protegem o trabalhador, terão a minha defesa intransigente. Quanto à reforma da Previdência, essa deverá ser rediscutida com todos os segmentos da sociedade. Como está, a Previdência não pode ficar, sob pena de o Brasil quebrar dentro de 10, 15 anos. Mas tem de ser algo que não prejudique quem está na ativa ou se aposentando. Se for bom para o povo, irei apoiar, caso contrário, os aposentados e pensionistas terão em mim um defensor de sua causa.

Faxaju – Qual a sua visão do resultado do atual pleito, já que se percebe que a sua força eleitoral sustenta o atual candidato a governador de sua coligação?

André Moura – Cada um toca a sua campanha e um ajuda o outro. Sempre foi assim e não está sendo diferente agora. Eu e Eduardo vamos juntos rumo à vitória.