10/09/18 - 14:29:28

PERSEGUIÇÃO POLÍTICA SERÁ BANIDA DO GOVERNO, AFIRMA VF

Em encontro com delegados de polícia, o candidato ao governo do estado assegurou que vai abandonar esse tipo de prática e irá priorizar o técnico

Delegados de Sergipe conheceram, na manhã desta segunda-feira (10), o Programa de Governo de Valadares Filho, candidato ao governo pela coligação “Um Novo Governo para Nossa Gente”. Promovido pela Associação de Delegados de Polícia do Estado de Sergipe (Adepol), o encontro ocorreu no Celi Hotel, em Aracaju, e durou cerca de duas horas quando, além de expor suas propostas para administrar Sergipe, focando na questão da segurança pública, Valadares Filho respondeu a perguntas dos delegados que, ao final, lhe entregaram um documento contendo sugestões para a área.

Para combater a violência e reduzir os índices da criminalidade Valadares Filho aposta numa política de prevenção. Importante, para ele, conforme colocou, dotar a polícia de autonomia financeira e livre da burocracia, proporcionando a agilidade do processo investigativo. Para isso, o candidato pretende investir em tecnologia e inovação, além de criar mecanismos capazes de destravar as ações policiais. “Não podemos imaginar que a polícia pare uma investigação por falta de recursos financeiros ou pela burocracia que engessa a máquina administrativa”, defende o candidato.

O candidato assegurou à categoria que vai priorizar os critérios técnicos na formação de sua equipe de governo, o que vale também para a área da segurança pública. Questionado sobre as remoções “políticas”, e não por critérios técnicos, de agentes de segurança, entre eles delegados de polícia, Valadares foi categórico ao afirmar que esse tipo de prática será banida do seu governo. “No nosso governo não haverá perseguições ou indicações meramente políticas. Nossa prática será de priorizar o técnico. Será de valorização, reconhecimento e qualificação dos quadros técnicos”, falou ele.

Agradecimento – Acrescentou que isso não significa, necessariamente, que não aceitará indicações políticas. “Seria hipocrisia dizer que não. Mas não bastará ser política, tem que ser técnica também”, disse Valadares, para quem a politização da máquina administrativa causa mal à sociedade. De acordo com ele, o fato de não ter um grande leque de alianças políticas lhe facilita a decisão de privilegiar a gestão qualificada. “Sinto-me muito à vontade para isso”.

Questionado sobre o fato de pequenas cidades disporem de boa estrutura de segurança e outras maiores não contarem com o mesmo benefício, Valadares Filho apontou essa realidade como resultado da falta de planejamento da estrutura governamental atual, o que mereceu sua crítica. “Esse é um dos grandes problemas identificados por nós em todas as áreas do estado, que trabalha em retalho, sem planejamento, o que reflete na má distribuição de recursos, aparelhamento e pessoal”, assinalou, completando que enfrentará esse problema com um verdadeiro, estratégico e eficiente plano de segurança.

Os delegados mostraram preocupação com a aposentadoria da categoria, lembrando que o estado não dispõe de lei que regulamente a aposentadoria especial prevista na Constituição. Sobre o assunto, Valadares Filho disse estar aberto ao diálogo para, junto com a categoria, buscar uma saída legal que contemple seus interesses. Disse que sua intenção é trabalhar para proporcionar uma previdência sadia e viável para todos os servidores.

Durante o evento o presidente da Adepol,  Isaque Cangussu, fez questão de lembrar e agradecer a interferência do senador Antonio Carlos Valadares para a derrubada de um projeto que tramitava no Congresso Nacional considerado prejudicial à categoria e visto como retrocesso. A proposta retirava dos delegados a “autoridade única” para lavrar o Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) estendendo a qualquer policial – civil, militar, rodoviário ou legislativo – a permissão. “Os delegados do Brasil inteiro são extremamente gratos ao senador pela interferência que impediu essa ilegalidade”, enfatizou Cangussu.

Matéria produzida pela Coligação