21/09/18 - 08:07:54

Pesquisa no HU estuda três modalidades para tratar artrose de joelho

A artrose é uma doença de caráter inflamatório e degenerativo que pode atingir articulações do corpo, a exemplo do joelho. Também conhecida como osteoartrite de joelho, a patologia provoca dor e pode causar deformidades. Normalmente, o diagnóstico é confirmado pelos próprios sintomas e por exames complementares.

No Hospital Universitário da Universidade Federal de Sergipe (HU-UFS), filial da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), pacientes com a doença estão sendo investigados em uma pesquisa que envolve as áreas de fisioterapia e ortopedia.

De acordo com o chefe da Unidade do Sistema Musculoesquelético do Hospital, ortopedista Diego Protásio, estão sendo avaliadas três formas de tratamento: a fisioterapia, o comprimido e a injeção no joelho, sendo que esses dois últimos foram viabilizados por doação.

“A primeira etapa é selecionar os pacientes no ambulatório de joelho. Os que tiverem os critérios de inclusão, como uma artrose que não tenha sido tratada nos últimos seis meses, podem ser incluídos na pesquisa, destacando que o tratamento todo ocorrerá no HU”, informa o médico.

“Os pacientes são informados sobre a pesquisa e submetidos à modalidade selecionada durante um tempo. Passam por avaliação antes, durante e após o tratamento. Queremos ver as respostas para cada modalidade e verificar qual forma é a melhor”, complementa Protásio.

Uma das beneficiadas com a pesquisa é a dona de casa Maria Aparecida Silva, que chegou ao HU com fortes dores no joelho. No momento, ela está na fase de avaliação, e iniciará o tratamento em breve. “A minha principal dificuldade hoje é andar de ônibus, subir e descer os degraus, mas tenho muita fé em Deus e confiança nos profissionais do Hospital Universitário. Espero voltar a ter uma rotina normal”, conta.

Pesquisa

A iniciativa da pesquisa começou com um Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) de uma aluna do curso de fisioterapia da UFS, que envolveu o atendimento a pacientes com artrose no joelho e um protocolo de intervenção de tratamento com avaliação diferenciada, conforme detalha o chefe da Unidade de Reabilitação do HU-UFS, professor Jader Farias.

“Esse projeto foi ampliado e virou um projeto guarda-chuva [que se desdobra em subprojetos], envolvendo outros alunos da pós-graduação. Agora ele é um projeto em que um fisioterapeuta, Saulo Machado, está desenvolvendo o mestrado, já se pensando no doutorado dele, tudo vinculado ao Grupo de Pesquisa, Extensão e Funcionalidade Humana (GPEFH)”, explica Jader.

O professor comenta que a ação foi pensada a partir da demanda de pacientes do HU-UFS. “Começamos com um projeto inicial, que foi o TCC de uma aluna de graduação, desse TCC criamos uma linha de pesquisa, porque como a demanda é muito alta, é interessante que haja um tratamento interdisciplinar, que haja um fluxo para o serviço e para a pesquisa”, completa.

Multidisciplinaridade

Para Jader, a ideia central é promover acesso ao tratamento, capacitar profissionais e contribuir para a pesquisa. “Quando a gente consegue criar o tratamento ideal, a eficiência aumenta. Quando não consegue, o paciente fica sempre no serviço, o que gera uma ineficiência, uma morosidade, desestimula. Por isso, a importância da multidisciplinaridade, a gente discute e se aprofunda nos casos. A primeira intervenção, por exemplo, conseguiu melhorar aspectos nos pacientes como equilíbrio, coordenação, força, mobilidade, medo do movimento, resultados importantes que tivemos já em um primeiro estudo”, declara Jader.

Já o fisioterapeuta envolvido na pesquisa atual, Saulo Machado, está responsável, com outros fisioterapeutas e alunos, por avaliações de força, mobilidade, equilíbrio, flexibilidade, agilidade e capacidade de marcha dos pacientes com osteoartrite de joelho atendidos pelo Ambulatório de Ortopedia do HU-UFS.

“Estamos fazendo as avaliações dos pacientes que serão encaminhados para a medicação ou para a fisioterapia. O tratamento é baseado no que a literatura já vem trazendo de evidências científicas. Trabalhamos com a parte de eletroterapia, alongamento, mobilização e, principalmente, exercícios, sempre com base nos sintomas que o paciente apresenta”, explica Saulo.

“Estamos conseguindo reduzir a fila de espera. O tratamento da fisioterapia dura cinco semanas, depois o paciente é reavaliado e acompanhado por até seis meses, tempo em que observamos a sua evolução”, afirma.

Para ser atendido no ambulatório de joelho do Hospital Universitário de Sergipe, o paciente precisa ser encaminhado via regulação por um posto de saúde. Outra possibilidade é a interconsulta, ou seja, quando o indivíduo já é paciente do HU e um médico de outra especialidade verifica a necessidade de encaminhamento ao ortopedista.

Sobre a Ebserh

Desde 2013, o HU-UFS faz parte da Rede Ebserh. Vinculada ao Ministério da Educação, a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) atua na gestão de hospitais universitários federais. O objetivo é, em parceria com as universidades, aperfeiçoar os serviços de atendimento à população, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), e promover o ensino e a pesquisa nas unidades filiadas.

Criada em dezembro de 2011, a empresa administra atualmente 40 hospitais, sendo responsável pela gestão do Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (Rehuf), que contempla ações em todas as unidades existentes no país, incluindo as não filiadas à Ebserh.

Foto assessoria

Por Andreza Azevedo