19/10/18 - 09:35:16

Agricultores reorganizam cooperativa do perímetro da Cohidro em Canindé

Cooperados já fornecem alimento à doação simultânea e para a merenda escolar do município. Eles agora despertam o interesse da indústria de beneficiamento.

Cooperativismo ressurge no Perímetro Irrigado Califórnia, em Canindé de São Francisco (SE) e se torna corriqueiro dos produtores venderem a produção e comprar insumos em conjunto. O incentivo da Companhia de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Irrigação de Sergipe (Cohidro), para que o grupo participasse de programas públicos de aquisição de alimentos da Agricultura Familiar e de contratos com grandes indústrias compradoras, promoveu a organização e reestruturação da Cooperativa de Fomento Rural e Comercialização do Perímetro Irrigado Califórnia Ltda. (Coofrucal).

A Coofrucal surgiu em 1999 e como sua razão social diz, é formada por produtores irrigantes atendidos pela irrigação pública fornecida pelo Governo do Estado, através da Cohidro e tem sua sede social construída em área cedida pela estatal. Depois de passar um extenso período de inatividade, por conta da desmotivação dos agricultores, há cerca de 2 anos e depois que Levi Alves Ribeiro (Sidrack) se tornou presidente, a cooperativa teve suas atividades retomadas. Reformou a sede e seus membros voltaram a comercializar de forma coletiva

“Temos hoje 57 Cooperados, mas que estão produzindo e vendendo são aproximadamente 30 produtores. Pretendemos beneficiar uma maior quantidade de produtores rurais da nossa Cooperativa”, explicou Sidrack. Essa produção dos cooperados será parte destinada à entrega para o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), mantido e financiado nacionalmente pela Conab, e outra para o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação do Ministério da Educação (FNDE-MEC).

Desde 2008 a Cohidro disponibiliza seus técnicos e infraestrutura para auxiliar as associações e cooperativas fundadas em seus perímetros irrigados, no que tange a formalização dessas entidades e no ato de elaborar os projetos para participar do PAA. Sandro Luiz Prata, gerente de Agronegócios da companhia, está à frente deste trabalho e expõem que em 10 anos foram 1.461 participações destes irrigantes em 40 projetos, da mesma forma que totalizam 131.731 pessoas listadas como beneficiadas com alimentos, que somaram 3.636.832 quilos plantados e colhidos em quatro dos seis polos de irrigação pública do Estado e que gerou de renda bruta ao produtor R$ 10.880.003,47, em valores corrigidos pelo IGP-M.

Diretor-presidente da Cohidro, Carlos Fernandes de Melo Neto considera fundamental o associativismo e o cooperativismo para que os agricultores irrigantes progridam em suas áreas agrícolas. “Nesses 30 anos recebendo o benefício da água de irrigação fornecida pelo Governo do Estado, o natural é encontrarmos a organização estabelecida de grupos como a Coofrucal, colaborando entre si para que todos possam ganhar mais e ter menos custos para a produção. A nossa empresa, ao sugerir a participação em projetos como o PAA e PNAE, está incentivando eles a se organizarem e fortalecerem esses grupos. Quando não for possível a cooperativa, as associações de produtores. Isso os torna mais independentes dos órgãos estaduais e preparados para desafios maiores”, analisa.

“A Cohidro ao longo dos anos tem dado a maior contribuição para o fortalecimento do Cooperativismo aqui em Canindé. Inclusive, à sede da cooperativa foi cedida pela empresa. Dá apoio técnico e até transporte, quando solicitado”, assinalou Levi Alves. Hoje, seu grupo aguarda liberação da Conab para que eles façam a entrega de 67.432 quilos de alimentos ao PAA, para beneficiar 1.500 pessoas em situação de insegurança alimentar, beneficiando também 25 cooperados, remunerados de R$ 200 mil. Para Sidrack, a cooperação da companhia com a Coofrucal é essencial para dar continuidade a esses projetos atuais e os futuros.

Industrialização

“Precisamos sempre dessa parceria com a empresa Cohidro, para que possamos em um futuro próximo ter a capacidade de produzirmos nossa poupa de frutas, sucos, etc. Objetivando maior valor à produção do produtor rural”, avalia Levi Alves. Ele é um dos dois produtores irrigantes que abrigam campos experimentais de uva em seus lotes, no convênio entre Cohidro e Embrapa no perímetro Califórnia. Já partindo para a terceira colheita comercial do fruto, Sidrack acredita que em breve outros produtores devam aderir ao plantio e haverá muita produção para a cooperativa beneficiar. Sem falar da produção de outros frutos como a acerola, a manga, a goiaba e o maracujá, que também é forte e pode entrar na linha de produtos oferecidos pela Coofrucal.

Nos dias 18 e 19 de setembro o Califórnia recebeu visita da Indústria Duas Rodas, multinacional brasileira que tem uma unidade fabril em Estância (SE) e produz ingredientes empregados na produção de diversos alimentos, como sorvetes, biscoitos e doces. “Foi a nossa sucessiva produção de frutíferas a partir da irrigação fornecida pelo Governo do Estado, que despertou o interesse da indústria, que tem intenção de comprar a produção local de acerola”, explica a gerente do perímetro, Eliane Moraes.

Para que o negócio dê certo, os produtores terão que adotar o não-uso de defensivos químicos  nas plantas e a colheita será feita com os frutos ainda verdes. Vai intermediar todo o processo, além da assistência da Cohidro, a Coofrucal. “No primeiro dia tivemos reuniões com o representante da indústria, o Emerson, com os agricultores irrigantes da cooperativa e os técnicos da Cohidro, para explicar o projeto. Já no segundo, teve a visitação aos pomares”, relata Eliane.

Alimentação escolar

Esses cooperados já fazem o beneficiamento artesanal de alguns artigos para a comercialização coletiva, como a fabricação de bolos, pão de mel e o próprio mel líquido, extraído de colmeias instaladas também no perímetro Califórnia. Isso porque em maio, a Coofrucal disputou e foi selecionada na chamada pública para a aquisição de gêneros alimentícios da Agricultura Familiar do PNAE, para fornecer à rede pública municipal de educação de Canindé durante o ano letivo de 2018. Segundo Sidrack, o valor estipulado pelo processo licitatório é de R$ 567.849,83, disponível para remunerar os produtores pelo fornecimento desses produtos processados e alimentos in natura, como melancia (60.750 quilos), batata-doce (10.990), tomate (4.380) e cenoura (2.730).

João Quintiliano da Fonseca Neto, diretor de Irrigação e Desenvolvimento Agrícola da Cohidro, condiciona a valorização dos produtos dos perímetros irrigados à organização dos seus agricultores. “Participando de chamadas públicas e de projetos da Conab, eles conseguem preços de venda superiores aos que eles recebem de oferta nos lotes, vendendo para os intermediários. Com o tempo, uma cooperativa ou associação forte, vai poder negociar os produtos diretamente com o comércio varejista, agregando mais valor ao produto quando entregue direto no ponto de venda ou revenda”, sugere.

Fonte e foto assessoria