04/12/18 - 16:03:20

Projeto Canto Limpo combate o Aedes aegypti nas escolas de Aracaju

O último levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa), realizado pela Secretaria Municipal da Saúde (SMS) em setembro deste ano, mostra que a capital sergipana está com o índice de 0,9%, que representa baixo risco de Infestação Predial. Para fortalecer ainda mais esse resultado positivo, a Prefeitura de Aracaju, através do Programa Saúde na Escola (PSE), da SMS, em parceria com a Secretaria Municipal da Educação (Semed), conta com o Projeto Canto Limpo, que leva ações educativas para escolas da rede municipal e estadual, além de instituições filantrópicas.

Criado na atual gestão, o objetivo do projeto é sensibilizar a comunidade escolar para combater o mosquito transmissor de doenças. “As informações recebidas pelas crianças e adolescentes em sala de aula é disseminada em toda a comunidade. Sabemos que na escola existe um número específico de alunos, mas o número de pessoas que são atingidas pelo Canto Limpo é muito maior. Os alunos acabam compartilhando a informação com seus pais, irmãos, vizinhos e amigos, que também acabam sendo atingidos pelas ações do projeto”, contou o coordenador do Programa do Controle do Aedes, Jeferson Santana.

As escolas desenvolvem as ações propostas pela SMS com o tema “Combate contra o Aedes”, onde são realizadas atividades como rodas de conversas, exibição de filmes e  algumas dinâmicas que envolvem o tema, entre elas, a ‘Caça ao Mosquito’, onde os alunos saem da escola para identificar os pontos favoráveis para a proliferação do Aedes aegypti. Para que os estudantes saibam reconhecer o mosquito da dengue, o laboratório do Centro de Controle de Zoonoses de Aracaju (CCZ) também é alocado para as escolas onde são levados um microscópio e amostras de larvas do mosquito, com o objetivo de que as crianças possam conhecer todo o processo evolutivo do Aedes aegypti. Agentes de endemias, enfermeiros, médicos e as equipes do PSE são alguns dos profissionais que participam das atividades.

As ações executadas pelos alunos não são pontuais. Após as atividades desenvolvidas junto com os órgãos municipais, eles produzem outras ações com a mesma temática, como jograis, peças de teatro, maquetes, cartazes, folders, banners e apresentam para a escola e para toda a comunidade do bairro no dia D, dia escolhido para a apresentação dos trabalhos.

Ao total, 71 escolas participam do projeto, sendo 15 delas estaduais e uma instituição social. Desde o início deste ano, o projeto Canto Limpo já foi executado em 10 escolas e a meta é realizar atividades em mais seis redes de ensino até dezembro deste ano. Para a coordenadora do PSE, Aline Vieira, a ideia do projeto é somar esforços junto com a população no combate contra o Aedes aegypti. “O PSE trabalha 12 temas educativos e o combate ao Aedes é tema prioritário. A ideia do projeto é que ele seja uma ferramenta de sensibilização no combate contra o Aedes, para que, através do conhecimento adquirido em sala de aula, os alunos sejam multiplicadores da informação no seu território. Queremos que as atividades propostas por nós não sejam pontuais e que as ações sejam construídas e executadas pelos próprios alunos para que sejam trabalhados ao longo do ano pela escola”, disse.

O coordenador do Programa disse ainda que o maior benefício dessas ações é a diminuição da transmissão de doenças causadas pelo mosquito. “Como benefício, temos percebido uma redução dos índices de infestação nas comunidades em que o projeto é executado. Percebemos também uma movimentação positiva das comunidades no combate ao Aedes aegypti, o que gera uma resposta positiva dentro do programa. Projetos como o Canto Limpo são importantes para que todos os esforços sejam somados e executados e a gente consiga impactar minimamente na população e evitar doenças tão graves e sérias transmitidas pelo mosquito”, ressaltou Jeferson.

Novas parcerias

Além da SMS e Semed, o projeto é realizado em parceria com as Unidades Básicas de Saúde (UBS), com os agentes de endemias, com o Núcleo de Apoio à Saúde da Família (Nasf), Centro de Controle de Zoonoses de Aracaju (CCZ) e universidades. O Canto Limpo também conta com o apoio da Defesa Civil de Aracaju para desenvolver as atividades.

Foto: Walter Martins

Por Tirzah Braga