25/05/19 - 16:18:57

“QUEM NÃO É O MAIOR TEM QUE SER O MELHOR”, ESCREVE EX-DEPUTADO IVAN LEITE

“Small is beautiful “

“Quem não é o maior tem que ser o melhor”

Vamos falar de Sergipe, seu desenvolvimento!

Tive a oportunidade de sendo Secretário de Estado de indústria Comércio e Turismo no governo Albano Franco de 1995 a 1998 realizar com o apoio integral dele as seguintes ações.

Viabilizar via busca de empresários e estímulos fiscais:

-A reabertura do então Hotel da Ilha na Barra dos Coqueiros, para o que contei com o apoio da ministra Doroteia Werneck que brincava comigo dizendo lá vem o secretário do hotel de tanto que insistia na busca de solução.

-A reabertura da Fábrica Frutos Tropicais, de suco de laranja,com o gigantesco grupo empresarial Coimbra-Frutesp que trabalhou durante mais de um ano a pleno-vapor, e  iria fazer investimentos também no campo em parceria com os produtores de laranja.

-Evitar o fechamento da Azalea em Itaporanga, cujo dono, Sr Nestor, tinha duas fábricas no nordeste, uma em Sergipe e a outra em Campina Grande, e iria fechar uma. A fechada não só não foi a de Sergipe, como a daqui foi, dentro do estado, ampliada com quatro ou cinco municípios recebendo unidades produtivas descentralizadas.

-A inauguração e abertura da Fábrica de suco TROPFRUIT cujo andamento estava emperrado na Sudene.

-A conclusão e inauguração da fábrica de papelão em Itaporanga com a atração de Empresario pernambucano do ramo para fazê-lo a qual se encontrava inconclusa há mais de dez anos.

-A reabertura de indústria de suco fechada, hoje Marata, dando condições de competitividade com fábrica nova, ao fazer o diferimento do pagamento do ICMS do momento da compra da laranja para a venda do suco.

-A reabertura da Nutrial, com atração de empresários de Goiás para reabri-la e depois i retorno da mesma aos donos originais sergipanos.

-A implantação efetiva do distrito industrial de Nossa Senhora do Socorro, com a abertura de 20 galpões industriais pertencentes à CODISE que se encontravam prontos sem serem disponibilizadas para indústrias, e as trouxemos, entre elas a Tigre.

-A reanimação de investimentos no distrito Industrial de Aracaju, permitindo que os inquilinos da CODISE dos diversos galpões que ela lá possuía, construíssem novos galpões em quaisquer dos distritos do interior e através de permuta pudessem passar a ser os donos dos galpões até então alugados.

-Foram construídos galpões em Itabaiana, Estância, e Tobias Barreto( se não me falha a memória), sem ônus nenhum para o estado com a permuta dos galpões dos inovado distrito de Aracaju.

-A realização de um importantíssimo “road show” do estado de Sergipe, com a parceria do jornal Gazeta Mercantil,  em São Paulo no auditório super lotado da FIESP, reunindo centenas de empresários, que representavam expressivo percentual, atraídos em especial pelo prestígio pessoal de Dr. Albano Franco.

-A vinda, que parecia inicialmente inexequível, face a disputa com Pernambuco e Bahia da Fábrica da Brahma para Sergipe, “coincidentemente” para a terra do então secretário Ivan Leite, mas teria ficado também feliz se a tivéssemos conquistado para outro município sergipano.

-O ágil, correto e desburocratizado funcionamento da ADEMA sob a competente gestão de Dr. Luiz Carlos Resende.

-A vinda para Sergipe do INMETRO, pois antes os empresários sergipanos dependiam da Bahia para a certificação e aferição dos seus produtos através do IBAMETRO. O que passou a ser feito através do ITPS, foi uma luta difícil pois a Bahia não queria abrir mão, mas conseguimos junto ao órgão nacional esta importante vitória.

-Fui eleito pelos meus colegas secretários de estado de Indústria Comercio e Turismo, diretor regional, da região nordeste, do FONSICT-Forum Nacional de Secretários de Indústria Comercio e Turismo, e depois eleito presidente nacional sucedendo a Emerson Kapaz que era o secretário de São Paulo. Observem, Sergipe sucedendo a São Paulo.

-Talvez pelo prestígio, visibilidade e credibilidade que ser presidente do FONSICT me davam tenha conseguido algumas destas grandes vitórias.

-Com o apoio imprescindível da EMBRATUR, presidida à época pelo competente mackenzista, escola paulista na qual também estudei, Dr Caio Carvalho, realizamos em Sergipe a BNTM-Brasil National Tourism Mart que é o maior evento para operadores de turismo no país e atrai centenas de profissionais e empresas da área, nacionais e internacionais, agências de viagem, donos  de hotéis, empresas de transporte, organizadores de eventos, guias turísticos e outros,

-Impedimos a invasão por milhares de pessoas da área da CODISE , na praia do Jatoba, no retroporto de Sergipe, com uma ação firme, segura e sem truculência da Polícia Militar, e criamos a expressão para denominar os invasores de os “Sem Praia”,

pois constava que a maioria era de pessoas de posses querendo fazer casas de veraneio.

Os lotes já estavam remarcados, eram mais de 500 lotes, várias casas em construção e espertamente até uma denominado por eles igreja católica com uma plaquinha assim identificando-a para provavelmente caracterizar como invasão antiga e sensibilizar aos políticos e ao judiciário. Quanto aos políticos, no meu caso, eu que seria candidato à reeleição como deputado Estadual, foi-me oferecido que levariam uma relação de mais de 1000 títulos de eleitores, que votariam em mim, bastando apenas que eu nada fizesse para impedir a invasão. Evidente que não aceitei. Quanto ao judiciário igual postura e decisão correta foi tomada  dando o direito a reintegração de posse a qual foi feita legalmente. Possivelmente a CELSE a gigantesca usina termoelétrica não existiria hoje se o terreno estivesse na mão de invasores.

Enfim, escrevi, nesta manhã de sábado,  de memória,  os tópicos acima, os quais possam merecer algumas complementações e/ou correções de de detalhes, mas retratam parte do nosso esforço em colaborar com o desenvolvimento de Sergipe.

Ivan Leite

25/05/2019