18/12/19 - 00:01:45

Unidade na PEC e no pleito

Diógenes Brayner[email protected]

Dentro da base aliada, incluindo tendências do PT, já não se fala tanto em eleições municipais. Na ordem do dia está a votação da PEC que adapta a Previdência estadual à reforma efetuada pelo Governo Federal. Desde segunda-feira que não se fala em outra coisa na área política, aliviando os sucessivos comentários e algumas posições que entram em desalinho a um projeto político que vem desde 2006.

As mudanças na Previdência não agradam a todos, natural que isso aconteça, mas caminham naturalmente para aprovação por parte dos deputados, amanhã, na Assembleia Legislativa, mesmo que afetem alguns servidores ativos e inativos. A conclusão é que ou “muda ou terá uma catástrofe”, porque a tendência natural é que, talvez até, já no próximo ano, o Estado não tenha condições de pagar a folha. Tudo é muito triste e há necessidade de um breque, para evitar o caos absoluto nas finanças públicas.

Os servidores devem avaliar o risco que correm caso a emenda não seja aprovada. Simplesmente podem ter prolongados atrasos nos pagamento dos salários. Sem essa reforma não há como evitar que isso aconteça. O Estado não terá recursos para bancar aposentadorias, caso não haja compreensão absoluta dos servidores. Politizar isso é uma insensatez de quem não tem responsabilidade sobre um futuro triste e age dentro de um sentimento partidário ideológico, que visa desfazer atos de adversários, mesmo que seja integrante de uma base aliada.

A vice-governadora Eliane Aquino (PT) fez bem em conceder entrevista e manifestar seu apoio à reforma no Estado. Apesar do seu partido ter se colocado contra na votação em Brasília, ela foi sensata ao reconhecer que em Sergipe a história é outra, até porque em um dos Estados administrado por governador petista (Piauí) a reforma foi proposta e aprovada, lá com reação da direita raivosa que visava atrapalhar a administração de Wellington Dias (PT).

Também já se admite um recuo do PT em lançar candidatura própria em Aracaju e quebrar a aliança política montada pelo ex-governador Marcelo Déda, que sempre apoiou Edvaldo Nogueira a prefeito. Essa é uma história diferente da reforma posta em discussão, mas o destroço político pode ser o mesmo. Um gesto do tipo, encenado pelo PT, deve ser bem avaliado dentro da sigla e com todos os ‘companheiros’, para que não termine provocando um crise profunda que prejudique já em 2022.

Não há como se apresentar uma candidatura a prefeito de Aracaju sem romper com todos os membros da aliança. Se afastar de Edvaldo também quebra a relação com o governador Belivaldo Chagas, ex-governador Jackson Barreto, deputados federais e estaduais e todos os demais membros de um grupo político sólido, mas à beira de uma ruptura. Além disso, a direita vem se estruturando, impondo posição ideológica com sucesso e mira exclusivamente o PT.

Nesse caso dificulta, porque não há como manter a esperança sozinho… 

PSC apoia Edvaldo

O apoio do PSC à reeleição do prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB) está fechado. Ontem, o presidente do Diretório Municipal do partido, Clóvis Silveira, acompanhado do ex-deputado Zeca da Silva (PSC), esteve com Edvaldo Nogueira (foto).

*** Em pauta a decisão do PSC em apoiar a reeleição de Edvaldo. Ficou definido que o anúncio oficial será na sexta-feira à tarde na sede do partido.

*** As conversas vinham acontecendo já há algum tempo e caminhavam para a decisão de apoio. O ex-deputado Zeca da Silva representou o presidente regional do PSC, André Moura.

Passa tranquilo

Um dos parlamentares que tinha dúvida quanto à aprovação da PEC sobre a reforma da Previdência, disse ontem que “ela e o Projeto de Lei Complementar passam tranquilamente”.

*** E justifica: “até porque o senador Alessandro votou favorável em Brasília e seu grupo deve manter a coerência em Sergipe”.

*** Segundo o parlamentar, “até agora, efetivamente contra, tem apenas Iran Barbosa (PT)”.

Tudo tranquilo

Até o momento a avaliação da PEC acontece de forma tranquila na Alese. Sindicatos e servidores “acham que está bom e não aparecem nas galerias”.

*** Mas circula a informação de que amanhã, quando se dará a votação, quem está contra a reforma vai ocupar as galerias da Assembleia.

É questão de Estado

Deputado Georgeo Passos (Cidadania) disse que sua posição “é muito simples”. Explicou: “a gente entende a importância da reforma da Previdência para Sergipe. Não é uma questão de situação ou oposição, Não é uma questão de Governo, mas de Estado”.

*** Disse mais: “nós temos que entender a dificuldade que é esse déficit. Lógico que os trabalhadores não têm culpa, mas a vida toda eles pagaram por isso”.

Precisa dialogar

Georgeo diz ainda que “se a bancada do Governo quiser dialogar para que a gente, via emendas, melhore o texto que lá está, não tenho problemas de votar favoravelmente”.

*** – Agora, se a situação conduzir dizendo que não vai abrir o diálogo sobre o texto que chegou, eu voto contra. Muito simples! – disse.

*** Para Georgeo “hoje depende do Governo querer dialogar – ‘estou ouvindo algumas reivindicações de trabalhadores’ – e a depender do que vai acontecer esta semana, é que a gente vai finalizar esse processo”.

Aguarda mais posições

O deputado estadual Capitão Samuel (PSC) está “quase convencido com as declarações da petista e vice-governadora Eliane Aquino”. Em entrevista, Eliane disse que apoia a reforma da previdência estadual.

*** Samuel acrescentou que “agora aguarda posicionamento dos demais petistas com cargos no Governo Estadual”.

Trata-se de ajuste

O deputado Francisco Gualberto (PT), vice-presidente da Alese, acha que não se trata de uma reforma da previdência, “mas sim de ajustes necessários diante da situação dos estados”.

*** Segundo Gualberto, “após a aprovação da reforma da previdência a nível nacional, o desafio é saber como lidar com os problemas previdenciários em Sergipe”.

Direita ideológica

O ex-governador Jackson Barreto (MDB) disse ontem que é possível um entendimento para as eleições municipais em Aracaju, com apoio à reeleição de Edvaldo Nogueira.

*** – Quem rachar agora deve assumir a responsabilidade no futuro, porque a oposição hoje é ideológica de direita, advertiu. JB.

*** Jackson também acha que “quem foi eleito pela força do bolsonarismo pode colocar as barbas de molho”. Prevê que “em 2022 tudo indica que isso não se repetirá”.

Na Roda Gigante

Ao lado do arquiteto Ézio Déda, o ex-governador Jackson Barreto andou, segunda-feira, de Roda Gigante, no Natal do Museu da Gente. Lembrou os tempos de garoto, que era levado para o Natal do Parque Theófilo Dantas.

*** JB assistiu à exibição da Orquestra Jovem de Sergipe e disse ela que foi posta em atividade em seu Governo, apesar de ter sido criada por Marcelo Déda.

Comando dos delegados

Os delegados estão começando a aparecer firme na política. A maioria deles acha que a profissão transmite segurança (claro), honestidade e o “caralho a quatro”.

*** Em papo, Renata Brayner fez uma observação: “está tudo certo! Se antes a política tinha o comando dos “coronéis”, hoje tem dos delegados”.

Iran repudia

O deputado Iran Barbosa (PT) expôs todo seu repúdio “a mais esse ataque vil do presidente da República. Jair Bolsonaro, ao educador Paulo Freire”.

*** Iran, que é professor, diz que “Paulo Freire é o patrono da educação brasileira – e sergipana – e um dos intelectuais mais lidos e respeitados no mundo”.

Uso das redes

Folha de São Paulo cita campanha feita pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania) nas eleições de 2018 e ressalta a importância das redes sociais para o pleito de 2020.

*** O Cidadania já avisa que manterá a mesma estratégia para as eleições municipais a prefeito e vereadores.

Cidade sem rumo

O ex-deputado Heleno Silva (Republicanos) disse ontem que Canindé do São Francisco está uma cidade sem rumo político, parada e cheia de incertezas em relação ao prefeito Ednaldo da Farmácia.

*** Para Heleno, há perspectiva de que haja intervenção e que se coloque a folha dos servidores dentro da possibilidade financeira da receita.

Só uma catástrofe

Sobre as eleições a prefeito de Aracaju, Heleno disse que “só uma catástrofe política fará com que o Republicanos não apoie Edvaldo Nogueira à reeleição”.

*** – Essa é a vontade dos pré-candidatos a vereador por Aracaju e não sou eu quem decide sobre isso, disse.

Culto em Brasília

O presidente Bolsonaro participou de culto de Ação de Graça com lideres evangélicos de todo o Brasil. Chorou no ato e atribuiu a “um milagre” não ter morrido com a facada que recebeu durante a campanha.

*** Heleno Silva participou do culto com Bolsonaro em Brasília.

Bilhete de Lula

O governador Jackson Barreto (MDB) encontrou ontem um bilhete (foto) que recebeu do ex-presidente Lula (PT), quando participou da vigília do ‘Lula Livre’, em frente à sede da Polícia Federal, em Curitiba.

*** O bilhete diz o seguinte: “Para meu grande amigo Jackson Barreto com agradecimento pelo gesto de solidariedade que você dedicou para a campanha Lula Livre vindo na vigília de Curitiba. Abraços do seu amigo de sempre, Lula – 14/10/2019 – Sem medo de ser feliz” (sic).

Um bom bate papo

Vendas crescem – As vendas de Natal estão surpreendendo os empresários do setor comercial, das grandes e pequenas lojas, incluindo os vendedores ambulantes.

Apesar dos preços – Produtos mais vendidos são os de Natal, além de alimentos para a ceia tradicional da família. Peru e Chester são os mais procurados, apesar dos preços.

Amplia tempo – O comércio do centro e os shoppings estenderam o horário de expediente, para atender aos consumidores e aumentar as vendas.

Tarde curta – Uma tarde curta, ontem, em razão do jogo do Flamengo para disputar do mundial de time. Os 90 minutos foram de paradeira total.

Em surdina – Alguns filiados ao PT tentar mobilizar servidores para se manifestarem contra a PEC da Previdência estadual. Um pouco na surdina.

Eliane silenciou – A vice-governadora Eliane Aquino (PT) faz bem. Silenciou em relação à adaptação da Previdência em Sergipe, como boa aliada ao Governo.

Safra aumenta – Segundo estimativas da Unica, a produção de etanol na safra 2019/2020 deve aumentar 7,1%; exportações devem ficar em 1,6 bilhão de litros.

Veta aumento – Bolsonaro vai vetar aumento da pena para calúnia, difamação e injúria nas redes sociais. Checagem mostra que o presidente deu 538 declarações falsas/distorcidas.

Meio combate – José Dirceu reaparece e diz que a união das esquerdas brasileiras precisa considerar a reforma bancária como meio combate à desigualdade social do país.