26/12/19 - 08:56:17

Aracaju encerra 2019 com menor índice de infestação pelo Aedes aegypti do ano

Com ações planejadas, a Prefeitura de Aracaju atuou durante todo o ano no combate ao Aedes aegypti e assim tornou a capital sergipana resiliente a infestações das doenças transmitidas por esse mosquito. Além de dar continuidade ao trabalho desenvolvido nos dois anos anteriores, a gestão municipal intensificou ainda mais as ações a partir de junho deste ano.

Para isso, montou um grupo de trabalho intersetorial e amplificou as ações de conscientização, de eliminação de locais de acúmulo incorreto de água e de visitas aos bairros da cidade, inclusive com a realização de mutirões todos os sábados e visitas noturnas às residências.

Apesar disso, antes do final do primeiro semestre de 2019, o Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa), que, no início do ano era de apenas 1,2, devido ao trabalho do ano anterior, registrou 2,6, número que deixou a administração municipal em alerta e que ganhou a devida atenção.

“Começamos a perceber um aumento no número de notificações, o que gerou uma preocupação. Então nos reunimos com o prefeito Edvaldo Nogueira e a secretária Waneska Barbosa, além de representantes de todas as outras secretarias e empresas municipais, e criamos o Plano de Intensificação de combate ao Aedes aegypti. Começamos em junho os mutirões nos bairros com maior nível de infestação. Assim, desde então, todos os sábados profissionais das pastas da Saúde, Meio Ambiente, Emsurb e Emurb visitam às residências e outros prédios, eliminando material de possível acumulação de água e conscientizando a população”, explica o gerente do Programa Municipal de Controle do Aedes aegypti da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), Jeferson Santana.

Entretanto, a intensificação das atividades não fica restrita aos mutirões, embora eles sejam fundamentais para compreender a redução drástica no LIRAa neste segundo semestre, quando compara-se o pico registrado e o índice atual (0,9 em novembro); as visitas noturnas e aplicação do fumacê costal contribuíram também para maior abrangência na eliminação de focos de nascedouros do mosquito.

No caminho para atingir o melhor resultado do ano, parcerias estabelecidas pela Prefeitura foram fundamentais, como o termo de cooperação técnico firmado com a Cruz Vermelha, instituição que doou kits com materiais educativos (panfleto e folder), repelente, aerosol inseticida e repelente elétrico com refil líquido, para mais de mil famílias.

As ações de conscientização foram reforçadas em todas as unidades de ensino da capital, a partir da visita de equipes ligadas ao Plano de Intensificação, levando às crianças, de maneira lúdica, pelo teatro, informações de como eliminar focos, os sintomas das doenças cujo Aedes é vetor, com objetivo de que elas sejam multiplicadoras e repassem o conhecimento adquirido na sua comunidade.

Com esse trabalho amplo, durante o ano, a Prefeitura recolheu em oficinas e borracharias mais de 55 mil pneus sem condições de uso, e realizou o descarte indicado para o material, respeitando o meio ambiente e, ao mesmo tempo, impedindo a circulação de um objeto propício ao acúmulo de água.

Junto à Secretaria Municipal da Saúde atuam equipes da Secretaria do Meio Ambiente, que auxiliam no mapeamento de terrenos baldios, ou mesmo a identificação de caixa d’água muito altas que podem estar sem tampas a partir do uso de drone; como também os agentes da Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb), que auxiliam no recolhimento de lixo durante os mutirões do Plano de Intensificação no bairros.

Todo esse esforço conjunto impede que a cidade passe por um surto de doenças como dengue, zika e chikungunya. Além disso, prepara o município para o futuro, dificultando as chances de aumento no número de infestações. “Os resultados alcançados neste ano, sobretudo a redução no LIRAa, após um pico, mostram que estamos no caminho certo, que a estratégia que adotamos foi acertada e nos tranquiliza em relação às perspectivas para o próximo ano”, reforça Jeferson.

Foto assessoria

Por Tirzah Braga