17/05/20 - 10:48:11

O Caótico retrato da Direita em Sergipe, escreve Jefferson Santos

Antes de qualquer opinião política devemos esclarecer o que representa o segmento de Direita de forma clara, facilitada é objetiva, resumidamente e ideologicamente defende o conservadorismo, a família, o bem estar individual, o liberalismo econômico e a diminuição do estado, dentre outros.

Em Sergipe os seguidores e defensores da direita sempre tiveram o pensamento positivo, porém em muitos momentos seguiram a rota errada e isso desencadeou uma serie de problemas não solucionados. Em 2016 fui até Brasília onde tive a oportunidade de conhecer e dialogar pela primeira vez com o Deputado Estadual Jair Messias Bolsonaro, em 2018 Sergipe iniciou uma mobilização para a defesa do Deputado e Presidenciável Jair Bolsonaro pelo PSL, isso trouxe uma mobilização em massa de pessoas voluntárias ao proposto projeto de mudança que também incluiria Sergipe, nessa trilhada conheci João Paes da Costa, mais conhecido como João Tarantella que presidia o PSL em Sergipe e também Waldir Vianna que Presidia o PSL em Aracaju, posteriormente fui apresentado e bem recebido pelo Movimento de Direita Sergipana que tinha como referencia os jovens; Flavio, Tarcísio, Herbert, Marcos e Junior Egnaldo.

Desde então, comecei a participar ativamente das atividades em defesa dos projetos de candidatura de Jair Bolsonaro e Tarantella, além de diversos candidatos a Deputado Estadual, Federal e Senador. Posteriormente fui convidado para ser presidente do PSL Jovem, não era uma tarefa fácil para mim ou para qualquer outro envolvido nesse projeto, cumprir o dever de casa em todo o estado, não tínhamos infraestrutura adequada, não tínhamos recursos financeiros e grande parte do nosso pessoal não tinha preparo ou experiência politica e/ou político-partidária. Mas, pela primeira vez percebi algo diferente; tínhamos a real vontade e a entrega voluntaria para dar o nosso 100%.

Tínhamos um brilho nunca visto no estado de sergipe e com esses ingredientes o projeto começou a ganhar forma, foi desse ápice que tivemos o primeiro grande choque interno com a retirada da candidatura de João Tarantella e a substituição por Eduardo Cassini, além da mudança de comando do partido de Tarantella para Waldir Vianna, não entrando no mérito de quem estava certo ou errado, esse momento foi um episódio traumático para todos internamente e externamente. Houve uma intensa briga interna e a divisão de grupos, com o passar dos dias essa divisão foi se agigantando, tivemos problemas com fundo partidário e com o percentual de mulheres para a formação das chapas, resumindo; o resultado desses sucessivos erros, falhas e problemas foi que não alcançamos nenhum Deputado, Senador e Governador eleito pela sigla, no segundo turno o Eduardo Cassini do PSL sem autorização partidária cometeu a infelicidade de manifestar apoio a Candidatura de Belivaldo Chagas (PSD) e Eliane Aquino (PT) em 2º turno causando um extremo desconforto entre todos os participantes do movimento, do partido e da sociedade em geral.

Seguindo a trilha com todos esses problemas continuamos a luta em Sergipe em defesa do Presidenciável Jair Messias Bolsonaro visto a disputa em 2ºTurno, nesse momento entra no time o apoio do Movimento Brasil 200 e diversos outros apoiadores e mais uma vez conflitos internos voltam a ocorrer entre movimentos e entre lideranças do partido, mesmo assim com o objetivo maior de eleger o Presidente conseguimos a vitória em 2ºTurno, pós vitória os problemas continuaram com a desconstrução e desmobilização de pessoas. Tivemos ainda a criação do Blocão da Direita que em pouco tempo noticiou conflitos, depois de tudo isso, atualmente, com um arrependimento gigantesco apoiei para a presidência do PSL em Sergipe Fábio Valadares, jovem ao qual não tenho o que falar, porém infelizmente ele fica sob o controle do Deputado Estadual Rodrigo Valadares, do deputado que se diz de Direita mas apoia a esquerda em diversos municípios, posso dizer com a maior sinceridade, serenidade e tranquilidade , sem falsas modéstias que todos erramos, eu Jefferson Santos errei, meus lideres à época erraram, os líderes dos meus líderes a nível nacional erraram muito pela falta de ação ou omissão, no retrato atual após o governo eleito assumir o descaso foi maior ainda, tenho minhas criticas pontuais a muitas pessoas que participaram do projeto e eu pude acompanhar de perto tudo isso, porém, dando mérito a quem tem mérito e reconhecendo as potencialidades, currículo e perfil de vários lideres que participaram da luta é uma vergonha a forma como os lutadores do estado de Sergipe foram deixados de lado pelo Governo Federal, pelo governo do meu Presidente Jair Bolsonaro que, acredito ainda que vai olhar para Sergipe com mais afinco, carinho e cuidado, temos instituições federais em Sergipe sendo dirigidas pelo público de esquerda, por indicações de deputados e senadores que nunca defenderam o governo e que continuam como caciques na politica sergipana, tenho minhas criticas, divergências e minhas opiniões com muitos que participaram do projeto em 2018, inclusive vários deles não fazem parte do meu ciclo de amizade, mas, se me perguntarem se eles merecem ser reconhecidos, com toda certeza vou afirmar que sim.

Em sergipe temos uma única pessoa com critérios técnicos que foi a única reconhecida que esta na SPU, não é questão de ser aproveitador ou estar atrás de cargos é apenas o reconhecimento, claro que de acordo com a potencialidade técnica de cada um, vou citar alguns exemplos tivemos o projeto das escolas cívico-militares, porque não convidaram o Sub-Oficial da Reserva que fez parte da luta em sergipe, Peter Costa para realizar um debate mais próximo aos municípios já que o mesmo possui as qualificações necessárias, na questão do MTE porque não aproveitar o Waldir Vianna, Thiago de Jesus, Jailson Filho ou Lúcio Flávio, que tem experiência e sabe o valor de uma carteira de trabalho na Secretaria Nacional da Juventude porque não absorver os jovens Hebert, Flávio, Tarcísio, Rúbens Murillo, Marcus e Júnior, no Ibama porque não o ambientalista e professor Cadu Silva, no MEC a professora Claribel e por ai vai, seguindo para o ano de 2020 vejo mais uma vez a direita se dividindo e o desperdício de bons nomes que, caso houvesse união poderiam desencadear um processo de mudança na politica do nosso Estado, nomes que possam representar a Direita, concordo 100% com uma frase que li em uma matéria do Presidente do DEM em sergipe Jose Carlos Machado, “ou se unem ou vão morrer na Praia”.

Jefferson Santos, 28 anos, Papiloscopista da SSP/SE, Graduado em Segurança Publica, Ex-Presidente do PSL Jovem, Ex- Presidente do PSL Socorro/SE, foi presidente da Associação sergipana de Papiloscopistas de Carreira e também Diretor Parlamentar do Sindicato da Policia Civil de Sergipe, atualmente faz parte do Conselho da Federação Nacional dos Peritos Oficiais em Identificação e também Diretor Jurídico do Sindicato da Policia Técnica.

Por Jefferson Santos