17/06/20 - 05:55:58

TRABALHADORAS DOMÉSTICAS DESEMPREGADAS PROCURAM AMPARO DO SINDICATO

Até o fim da pandemia, o Sindoméstica/SE está em campanha para a arrecadação de alimentos e doações em espécie

Hosana Chaves (49 anos) é trabalhadora doméstica desde os 12 anos, com o início da pandemia do Coronavírus ela ficou sem trabalho e enfrentou um momento de dificuldade. “Ninguém quer contratar diarista com medo da pandemia. Sou sindicalizada, então procurei ajuda no sindicato. Na semana santa, recebi uma cesta básica do Sindoméstica, mas a situação continua difícil. A gente vai se virando como pode”, revelou a trabalhadora.

Segundo a vice-presidente do Sindomestica/SE e dirigente da CUT/SE, Quitéria Santos, existem mais de 100 trabalhadoras domésticas na mesma situação que Hosana Chaves. Portanto, até o fim desta pandemia, o sindicato está em campanha permanente para arrecadar alimentos não perecíveis e também têm recebido a doação em espécie de outros sindicatos, instituições e pessoas físicas.

Na última semana, o Sindoméstica/SE distribuiu 50 cestas básicas, sendo que 20 cestas foram doadas pela Central Única dos Trabalhadores (CUT/SE), 15 pela Cáritas e mais 15 pela Fenatrad (Federação Nacional das Trabalhadoras Domésticas). O sindicato ainda distribuiu máscaras entreues pela secretaria de Estado de Inclusão Social.

De acordo com a dirigente sindical Quitéria Santos, o desemprego entre as trabalhadoras domésticas segue crescendo de forma alarmante. “A cada dia que passa, mais mulheres trabalhadoras domésticas e diaristas estão sendo desempregadas. Na medida do possível, o Sindoméstica/SE está acolhendo quem nos procura, mas a situação está péssima, o maior desespero”, afirmou.

Quem quiser e puder ajudar, a doação de mantimentos pode ser feita na sede do Sindicato das Domésticas, na Rua Propriá, 386, Centro (com agendamento pelo telefone 79-9994-9414). As doações em dinheiro podem ser feitas na Caixa Econômica, conta poupança: 902133-0, agência 059, operação 013, CNPJ: 32858623/0001-96, titular: sindicato das Trabalhadoras Domésticas do Estado de Sergipe.

Por: Iracema Corso