25/07/20 - 06:14:30

PMA ORIENTA SOBRE AS VÁRIAS ETAPAS DA COVID-19 E FORMAS DE ACESSO AO TRATAMENTO

Quem deve e quando fazer o exame, como é feito o acompanhamento, que unidade procurar. Essas são algumas das principais dúvidas que a população tem em relação à covid-19 e que a Prefeitura de Aracaju busca elucidar, por meio de ações de comunicação, a fim de orientar as pessoas com relação a cada etapa da doença.

Ao apresentarem sintomas leves de síndromes gripais, por exemplo, a orientação é buscar as Unidades Básicas de Saúde (UBS) que foram adaptadas para serem referência a esse tipo de ocorrência: a UBS Augusto Franco, localizada no conjunto Augusto Franco; UBS Geraldo Magela, no conjunto Orlando Dantas; UBS Ministro Costa Cavalcante, no Inácio Barbosa; UBS Fernando Sampaio, no Castelo Branco; UBS Cândida Alves, no Santo Antônio; UBS Eunice Barbosa, no Coqueiral; UBS José Machado de Souza, no Santos Dumont, e a UBS Onésimo Pinto, no Jardim Centenário.

As UBS são a porta de entrada para a rede municipal. No entanto, se você apresenta sintomas e possui comorbidades, é preferível que busque uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA), que pode ser tanto a Fernando Franco (zona Sul) quanto a Nestor Piva (zona Norte), destinadas ao atendimento de casos mais graves.

Com relação ao exame para detecção, ou não, da covid-19, o disponibilizado pela Secretaria Municipal da Saúde (SMS) é o RT-PCR. Segundo a área técnica dos agravos agudos, enfermeira Mariana Aragão, o resultado do exame estava sendo entregue em cerca de três dias, mas, com o aumento da demanda, esse tempo tem variado.

“Nós enviamos a amostra, que é coletada em uma das unidades, para o Lacen (Laboratório Central), que faz a análise e, através de um sistema ao qual temos acesso, disponibiliza o resultado. Muitas vezes, quando acessamos, o exame ainda está em análise, então nós comunicamos ao paciente”, explica Mariana.

Quando o resultado é disponibilizado, a equipe do MonitorAju também tem acesso. E são esses profissionais que comunicam os casos positivos aos usuários da rede, já iniciando o monitoramento que a Prefeitura tem disponibilizado. Quem preferir, também pode solicitar o resultado do exame pela plataforma AjuInteligente, que oferta alguns serviços municipais de forma remota.

“Mas a orientação é procurar a unidade em que a coleta do material para o exame foi feita. É interessante solicitar a algum parente que vá até a unidade, já que há a suspeita de caso de covid-19”, orienta Mariana. Além do MonitorAju, pelo qual milhares de aracajuanos já passaram e ainda estão sendo monitorados, a Prefeitura também criou o Aracaju pela Vida, uma extensão da ferramenta de acompanhamento.

A técnica da Rede de Atenção Primária (Reaps) e coordenadora do Projeto, Sindaya Belfort, esclarece que ele é voltado para os casos mais preocupantes, a fim de que possam ser acompanhados mais de perto. Na prática, os profissionais devem observar como está acontecendo a evolução do caso, se os pacientes precisam de algum outro encaminhamento ou medicação, além de realizar o teste rápido ou o RT-PCR e a regulação para o internamento em um serviço hospitalar.

Vistas e monitoramento

Por isso, as visitas estão priorizando pessoas, suspeitas ou confirmadas, que estão em isolamento domiciliar, e de acordo com a idade. “Porque quanto mais idoso, mais há risco de complicação. Assim como em pessoas com comorbidades, que também implicam em risco maior de complicação, como diabetes, insuficiência cardíaca, câncer, doença renal, imunodepressão”, explica Sindaya.

O trabalho também é voltado para alguns bairros específicos, em que há uma relação direta entre o número de óbitos e da população. Nesse caso, os bairros visitados são Soledade, Centro, Santos Dumont, Porto Santas, Cidade Nova e Industrial. A partir desta semana, entram no cronograma de visitas os bairros Santo Antônio e Lamarão.

“As pessoas que estão sendo priorizadas são as que possuem comorbidades e que podem ter complicação, são as que têm mais dificuldade de sair de casa ou que, se saírem, estarão mais expostas. Como não temos como dar conta de visitar todas as pessoas, priorizamos essas”, reforça Sindaya.

As visitas são feitas por sete equipes, sendo quatro de manhã e três à tarde, sempre compostas por médico e enfermeiro, acompanhados por um agente comunitário de saúde. “Cada uma sai com um número de visitas para fazer no turno, a partir das informações dos serviços que temos. A UBS, então, é informada e poderá acessar as informações do paciente através do prontuário eletrônico”, explica a técnica.

Depois que as equipes do Aracaju pela Vida realizam a visita, quem continua o monitoramento são as sete equipes de saúde das UBS. Até o momento, o programa já realizou 388 atendimentos, 145 testes rápidos, 44 testes RT-PCR e encaminhou três pessoas para internamento.

MonitorAju

O MonitorAju é acessado através do número 0800 729 3534, pelo site da Prefeitura ou ainda no desembarque de passageiros no aeroporto da capital. A central de monitoramento dos casos suspeitos e confirmados funciona de domingo a domingo, com ligações diárias feitas pela equipe de técnicos.

O monitoramento é feito por 14 dias a contar da data de início do relato dos sintomas. “O que é preconizado pelo Ministério da Saúde e pela Organização Mundial da Saúde. A gente posterga esse tempo, quando vê que o quadro do usuário não está evoluindo bem, daí passamos a monitorar por mais sete dias, totalizando, no máximo, 21 dias de monitoramento”, afirma a coordenadora do MonitorAju, Cynthia Rocha.

Em quatro meses de funcionamento, o MonitorAju já atendeu mais de 43,5 mil pessoas, monitorando casos suspeitos e confirmados, orientando sobre sintomas, cuidados durante o isolamento domiciliar ou a busca por avaliação médica quando necessário. Atualmente, o MonitorAju faz o acompanhamento de 3.097 usuários, e a busca pelo serviço tem prevalência na faixa etária entre 20 a 39 anos.

Foto André Moreira