07/08/20 - 14:26:03

AÇÕES MANTÉM ARACAJU ENTRE AS CAPITAIS COM A MENOR TAXA DE LETALIDADE

Com população estimada de mais de 600 mil habitantes, segundo dados do IBGE, Aracaju está entre as capitais que possui uma das menores taxas de letalidade por covid-19 no país. Atualmente, a capital possui 30.136 casos confirmados e 584 óbitos. De acordo com a Área de Dados Covid-19, da Prefeitura de Aracaju, o índice de letalidade da doença é de 1,9%, indicador que está entre os menores do ranking geral levantado pelo Dataglass, e que considerando as capitais, fica atrás apenas de Boa Vista (1,7%) e Campo Grande (1,3%).

Ações de prevenção, controle e monitoramento da doença, elaboradas pela Secretaria Municipal da Saúde, têm sido essenciais para a estabilidade da doença na capital sergipana. E entre as estratégias que vêm sendo aplicadas, desde o início da pandemia, está o atendimento exclusivo para covid-19, tanto nas oito Unidades Básicas de Saúde destinadas para pacientes suspeitos ou com sintomas de síndromes gripais, quanto nas portas de acesso da Rede de Urgência e Emergência da capital [Unidades de Pronto Atendimento Nestor Piva e Fernando Franco].

Atualmente, já foram testadas, em Aracaju, 49.628 pessoas, sendo boa parte delas atendidas na rede de saúde do município, a qual garante a realização das coletas nas unidades de atendimento exclusivo, conforme avaliação médica e de acordo com os critérios estabelecidos pelo Ministério da Saúde.

Mesmo com o índice de letalidade menor que a maior parte das capitais, e o cenário atual apresentando certa estabilidade, a secretária da Saúde de Aracaju, Waneska Barboza, avalia com cautela a curva epidêmica.

“É difícil precisar, apesar de identificarmos a estabilização de casos em alguns bairros. Estamos com uma taxa de ocupação de leitos de enfermaria municipais de 45,9%, e seguimos monitorando todos os indicadores diariamente. Esta semana o governo do Estado iniciou o plano de flexibilização de atividades econômicas, seguiremos observando os números e o impacto das medidas no quantitativo de casos confirmados e de internações”, garante Waneska.

Estruturação

Com a elaboração antecipada do Plano de Contingência, antes mesmo do registro do primeiro caso da doença na cidade, a Prefeitura teve condições de estruturar o sistema de saúde municipal de maneira a assegurar à população atendimento de qualidade sem estrangular o serviço.

Nesse sentido, a gestão vem atuando em diversas frentes, desde o trabalho de educação e saúde, fornecendo todos os equipamentos de proteção individual necessários para o trabalho dos servidores, parcerias com a Universidade Federal de Sergipe para mapear a prevalência do vírus nos bairros da capital, até a estruturação de leitos e a construção do Hospital de Campanha, o qual já é responsável pelo atendimento de 403 pessoas e a recuperação de 288 delas.

A garantia da oferta de leitos para atendimento de covid-19 é fator fundamental para a redução do índice de letalidade da doença na capital. E para isso, estão ativos 97 leitos, sendo 60 no Hospital de Campanha, sete na UPA Fernando Franco, dez na UPA Nestor Piva, e 20 no Hospital São José.

HCamp e respiradores

Em atividade há pouco mais de dois meses, o Hospital de Campanha (HCamp) Cleovansóstenes Pereira Aguiar é responsável pelo tratamento e recuperação de centenas de aracajuanos, vítimas da covid-19. Com seis alas especializadas, no HCamp são internados os pacientes de baixa e de média complexidades, enviados pelas portas de acesso na rede municipal de saúde.

Quando há o agravamento do quadro clínico do paciente, com necessidade de transferência para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI), a solicitação é feita junto ao Estado, que faz a regulação e oferta os leitos de alta complexidade.

O HCamp foi erguido com capacidade para acolher até 152 leitos, dos quais 60 estão ativos. Dos leitos ofertados, 42 podem se tornar leitos de estabilização, visto que a unidade dispõe de 25 respiradores e, na última semana, a Prefeitura de Aracaju recebeu a doação de mais dez respiradores, por meio do Governo do Estado.

No momento, atuam no HCamp 460 profissionais, entre médicos; nutricionistas; técnicos de enfermagem; enfermeiros; psicólogos; fisioterapeutas; farmacêuticos; assistentes sociais; apoio de redes.