09/10/20 - 00:35:30

Desafio é levar eleitor às urnas

Diógenes Braynerdiogenesbrayner@gmail.com

Candidatos a prefeito de Aracaju terão contatos mais diretos com a sociedade a partir de hoje, através do programa eleitoral. A expectativa é que o eleitorado se anime em relação a uma eleição ainda sem motivação, apesar da apresentação de umas e outras manifestações durante visitas aos bairros. Nessa primeira exibição, os candidatos vão se apresentar, anunciar os seus vices, explicar porque decidiram disputar o mandato e as causas que os levaram a isso. Provavelmente nada muito atraente, mas certamente a apresentação mínima de um projeto que já possa despertar algum interesse.

O marketing de cada um dos concorrentes ao lugar ocupado hoje por Edvaldo Nogueira deve se superar em criatividade, para oferecer ao eleitorado a melhor opção para administrar Aracaju, principalmente tentando convencer que os seus ‘produtos’ estão mais preparados e têm melhores propostas e projetos do que quem está com no mandato e também se coloca à disposição para se manter. Já o pessoal que expõe Edvaldo como a melhor proposta para permanecer prefeito, vai mostrar o que foi feito durante sua administração e exibir projeto novo para os próximos quatro anos.

Sem dúvida, será mais cômodo para o eleitor decidir votar naquele que já teve chance de mostrar o que fez, em relação aos demais candidatos que vão tentar convencer do que são capazes para superar a atual administração. Claro que a mudança pode ou não ocorrer, mas o programa de oposição terá responsabilidade de conquistar o eleitor, exibindo de que cada um é capaz, diante da desqualificação do que fora realizado. Além disso, todos têm necessidade de se mostrar mais à frente, inclusive em efeitos que possam levar até à ilusão do que seja melhor ou pior para o cidadão.

Aracaju ainda está sem tesão para eleição. Enfrenta um momento complicado em razão da pandemia que assusta o mundo e não vê razões para euforia. Quem conseguiu sair imune do terrível vírus está emocionalmente abalado com a perda de amigos, familiares próximos e de muitos outros que ainda carregam sequelas da doença e se mantêm precavidos em relação a uma doença, que provocou uma divisão no estilo de vida no mundo, em pleno século XXI, pondo por terra grandes avanços na medicina, que se rendeu a um ser invisível que desafiou os mais qualificados cientistas, de uma área que se imaginava invulnerável a mais uma peste que assombrasse a todos.

O coronavirus ainda é uma ameaça. E, como bem disse o vereador Elber Batalha (PSB), o maior desafio de todos os candidatos é exatamente tentar convencer o eleitor a ir às urnas, porque a tendência de abstenção é grande e provável. Lógico que vai eleger-se quem se sair melhor em toda estrutura de campanha e até no que fez ou possa fazer, mas é importante saber que a população está desanimada para escolher quem ainda deixa dúvida de que é capaz de combater o coronavírus em caso de um infeliz retorno. A prioridade na preservação da saúde será hoje um dos motivos que pode fazer a diferença entre os que disputam o mandato ou a permanência nele.

Duro baque financeiro

Segundo o Relatório Econômico, o Partido dos Trabalhadores vai sofrer um duro baque financeiro: ficará um mês sem receber o rateio do Fundo Partidário.

*** O dinheiro retido servirá para o pagamento de uma multa de R$ 6,9 milhões aplicada pelo TSE, por irregularidades na eleição de 2014.

Reverência a Déda

O candidato do PT, Márcio Macedo, ajoelhou-se e reverenciou a fotografia oficial do ex-governador Marcelo Déda, exposta em uma cadeira na calçada de uma casa, onde passaria sua carreata.

*** Márcio desceu da camionete, fez a reverência, abraçou a dona da casa, encoberta com a bandeira do PT e lhe deu um beijo na cabeça.

*** Logo após a passagem de Márcio, o cenário foi retirado.

Um local do povo

Falando para um grupo de eleitores, Marcio Macedo garantiu que “as pessoas podem contar comigo.” E acrescentou: “Irei fazer o bolsa família municipal e cuidar dos mais pobres.”

*** Segundo Márcio, “a prefeitura não será mais um local estranho ao povo, mas um local do povo”.

Conservadores assumem

Um fato que se percebe nessas eleições e que não se ouvia antes: os conservadores passaram a assumir suas posições e estão participando das eleições de forma direta.

*** Essa é uma das mudanças que se percebe hoje também em Aracaju e demonstra influência do presidente Jair Bolsonaro.

Questão de tempo

Um vereador, que busca a reeleição, disse que no Instagran é postado um áudio de uma mulher, residente no Conjunto José Eduardo Dutra, dizendo que Edvaldo Nogueira só passa por lá de quatro em quatro anos.

*** Segundo o vereador, o conjunto “tem pouco mais de dois anos que foi entregue aos seus moradores”. E pergunta: “como Edvaldo pode ter passado de quatro em quatro anos?”

Campanha fria

Para o presidente regional do PSDB, ex-senador Eduardo Amorim, a campanha eleitoral ainda está “muito fria”. Até admite que “isso deve ser estratégico”.

*** – Não tem ninguém disparado à frente e é quase uma certeza: haverá segundo turno, disse e admitiu que aconteça entre os candidatos Edvaldo Nogueira e a delegada Daniele Garcia.

Fundo não será muito

Eduardo Amorim disse que o PSDB tem uma chapa de 36 candidatos a vereador e admite que o Fundo de Campanha será um problema, porque “todo mundo acha que virá muito dinheiro, mas não será tanto”.

*** Surpreendeu ao dizer que o Fundo pode até “não vir, mas não é isso que se espera.” Acrescentou que o seu partido tem reserva do Fundo Partidário e vai ajudar aos candidatos.

Eleição é incógnita

Candidato à reeleição, o vereador Elber Batalha (PSB) reconhece que a eleição para a Câmara Municipal de Aracaju será uma incógnita: “Com a nova regra pelo fim das coligações, aliado ao cenário da pandemia, o resultado é imprevisível.”

*** Segundo Elber “uma chapa forte pode fazer um grande número de vereadores ou não eleger nenhum. Ninguém sabe se o eleitor vai votar”.

*** Admite que a melhor campanha neste momento é convencer o povo a ir às urnas para se ver o resultado depois.

Ganha até de ré

Um advogado, que trabalha há anos na Saúde do Estado, acha que o prefeito Edvaldo Nogueira (PDT) “ganha no primeiro turno até de ré”.

*** – Os adversários podem reclamar e criticar, mas o eleitor “está indo pelo conjunto da ópera”, disse.

*** Considera Edvaldo bom administrador, mas diz que “também ele só consegue ser prefeito de Aracaju, não tem densidade eleitoral para outros mandatos”.

Movimenta Canindé

Em Canindé do São Francisco a candidatura de Weldo Mariano (PT) a prefeito arrancou e anima a militância, que vai às ruas para mobilizar sua campanha.

*** Estiveram lá, para dar uma força, o deputado João Daniel, o senador Rogério Carvalho, o deputado Iran Barbosa e Lurian Silva, filha do ex-presidente Lula.

Vereador faz oferta alta

De Estância chega à informação que um candidato a vereador está oferecendo R$ 5 a outro para que desista da candidatura .

*** O tal vereador não sossega e agora faz as investidas em outros candidatos do PP, espalhando o chamado fogo amigo. É preciso investigar…

Aposta em Georlize

O presidente estadual do DEM, José Carlos Machado, diz que Georlize Teles é a aposta do partido que quer testar o legado de João Alves.

*** – Com o apoio da senadora Maria do Carmo Alves e proposta de manter o legado de João, o DEM está apostando em Georlize Teles e defende um plano de governo factível, responsável e adequado à demanda dos aracajuanos, disse Machado.

Uma boa conversa

Maioria parda – Uma surpresa para os partidos: a maioria dos candidatos a vereador registrou que são pardos.

Grande problema – O problema do Fundo de Campanha continua trazendo problemas para todos os partidos, que não vão poder atender aos interesses dos candidatos.

Marcos Cardoso – O jogador brasileiro esqueceu como se bate falta. Essa é uma evidência da decadência do nosso futebol.

Sobre pesquisa – Candidatos a prefeito de Aracaju estão ansiosos com a divulgação da pesquisa do Ibope, que acontece hoje à noite na TV-Sergipe.

Correio Brasiliense – Em live, Bolsonaro se altera e xinga apoiador que o chamou de corrupto: “Fala merda o tempo todo.”

Deu no Jota – No TSE, Marco Aurélio alfineta Kassio Nunes Marques, indicado para o STF, por, se “autoconceder” título de desembargador.

Deu na Folha – Centrão pressiona por cisão na Economia, e ministro Paulo Guedes diz que proposta é ‘conversa fiada’.

BR Político – O vice-presidente Mourão tentou explicar a fala do presidente de que acabou com a Lava Jato porque não existe corrupção no seu governo.