30/12/20 - 00:25:00

Exagero para denegrir o correto

Diógenes Brayner diogenesbrayner@gmail.com

A oposição faz um jogo perfeito para dar veracidade a uma informação recheada de excessos, propositadamente equivocados. Sempre foi assim. Não acontece só agora, com a participação ativa das redes sociais. Quando não se tinha a força dos grupos, o disse-me-disse em pontos estratégicos próximos à Assembleia Legislativa, levava para todo o Estado ações de oposição que atingiam o Governo, mesmo que a situação estivesse absolutamente certa e votasse dentro de critérios que cobriam falhas e evitavam danos.

Agora, com a imensidão de grupos que opina o que lhe pareça falsamente favorável ao povo, mesmo que venha de uma atitude equivocada de segmentos oposicionistas, soam como ato da situação, que dá amplitude e voz à oposição, mesmo que ela seja culpada. Há um oportunismo em tudo isso, porque geralmente favorece a quem precisa mexer com atos que teoricamente atingem o bolso do cidadão, mesmo que o formato refeito seja favorável a uma estrutura que sirva melhor ao povo em geral.

E quem está por trás disso? Os mesmos que sempre mantiveram posição hostil a decisões oficiais direcionadas a uma melhoria em áreas que os desagradem, porque favorece a população.

Segundo relato de um parlamentar que votou no Projeto de Lei, de autoria do Poder Executivo, aprovado pela Assembleia Legislativa (Alese), nele não continha perdão de dividas de partidos e preços de taxa do Detran, que ouriçaram tanto a oposição e agitaram os que, naturalmente, se colocam do outro lado de algumas medidas absolutamente necessárias, para atender com maior dignidade aos seus usuários.

Há necessidade de avaliar bem o que ocorreu: essas taxas voltaram aos mesmos valores de 2019, quando foi apresentada uma emenda, de autoria do deputado Georgeo Passos, que reduzia os valores das taxas da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) pela metade. Na realidade o valor da CNH era de R$ 180 e foi reduzido para R$ 92,00. A emenda com a redução aprovada provocou um impacto e mexeu de forma negativa com as finanças do Detran, que repassa 40% desse valor à Secretaria de Segurança Pública, e com isso gerava um déficit de R$ 1 milhão, só com a confecção de Habilitação, que terminava por prejudicar a população.

Na realidade, o que os deputados aprovaram foi à volta ao valor que era praticado de 2019 para trás, o que trouxe condições ao Detran de realizar um trabalho melhor em favor da população. Quanto ao perdão de dívidas de partidos políticos, nada houve a respeito, por que nada tinha em débito, com o Corpo de Bombeiros, pois desde 1999 que há uma Lei isentando de taxas de Fiscalização, entidades sem fins lucrativos como Igrejas, ONGs, residências, partidos políticos e estruturas provisórias como palcos e camarotes.

A verdade é essa. O cenário em nada muda com a aprovação do Projeto de Lei, porque de uma parte retorna-se ao que era antes, e de outra se cumpre uma lei que, em nenhum momento, atinge ao povo.

As apostas com Ulices

Nos bastidores da política começam as apostas em relação ao candidato a governador da base aliada, no pleito de 2022. O nome de Ulices Andrade continua aparecendo firme.

*** Entretanto, já tem algumas lideranças que duvidam que Ulices se aposente do TCE com antecedência de oito anos, para disputar o Governo do Estado.

*** Tem ouvido conselhos para se afastar do TCE só na certeza de que não perderá as eleições.

Mexe bem as pedras

O conselheiro Ulices Andrade conversa muito, observa o momento político e faz análise do risco de entrar numa “aventura” que possa deixá-lo oito anos sem o TCE e perder o Governo.

*** Ulices sabe mexer bem com o tabuleiro desse xadrez político e só vai mover as pedras para derrubar o rei e comer a rainha.

Sobre Edvaldo

Nos bastidores algumas lideranças políticas acham que Edvaldo Nogueira (PDT) terá dificuldade de ser candidato a governador por não ter grupo e não cativar amigos.

*** Acha também que ele não conhece o interior e se perde ao chegar no entroncamento da BR-101, porque não sabe para que lado fica o sertão.

*** – Entretanto, se continuar realizando obras em Aracaju e com a boa equipe de marketing que mantém, o seu nome pode repercutir no interior.

Bom empréstimo

Aliás, esse trabalho de construir obras continuará, com empréstimo adquirido pela PMA, no valor de R$ 1 bi, de um banco chinês e que está prestes a ser liberado.

*** A carência é longa. Dá até para ele terminar o mandato que se iniciar para iniciar o pagamento.

Edvaldo reúne base

O prefeito reeleito Edvaldo Nogueira (PDT) vai conversar com membros dos partidos da base eleitoral dia 15 de janeiro para tratar sobre a próxima administração.

*** Segundo uma fonte ligada ao prefeito, ele dá sinais de que não será candidato a governador.

Despacha do Olimpio

O governador Belivaldo Chagas (PSD) está despachando do Olimpio Campos. Fica por lá pela manhã e à tarde pode ir ao Palácio dos Despachos.

*** Belivaldo inclusive tem circulado pelo Calçadão do centro comercial e tem sido abordado por pessoas que o conhecem.

*** Diz que gosta do local, “inclusive porque fica próximo à Assembleia Legislativa e conversa mais com os deputados”.

Vê muita ansiedade

O senador Alessandro Vieira (Cidadania) está enxergando muita ansiedade em alguns setores da imprensa e até de certos políticos, que já estão com a cabeça em 2022.

*** – Acho que este não é o melhor caminho, O momento é de cuidar da recuperação econômica e da saúde dos brasileiros, disse.

André e o PSL

O ex-deputado federal André Moura tem dito, em entrevistas que o PSL está sob seu comando em Sergipe e vai fortalecê-lo com lideranças que o acompanham, inclusive prefeitos.

*** André ainda não anunciou, mas pretende disputar mandato majoritário e pensa no Governo do Estado.

*** Para deputada federal já tem um nome: Yandra Moura, sua filha.

Sobre a anulação

A decisão final sobre a anulação da diplomação de vereadores eleitos pelo PSC só deve acontecer em fevereiro. Eles serão substituídos por eleitos do PSB, Elber Batalha, e do PT, Camilo.

*** Com o recesso, a Justiça Eleitoral só vai retornar dia 21 de janeiro e reiniciar o processo até sua fase final, quando será dada a decisão.

Prorroga os cargos

O PSB nacional decidiu prorrogar todos os cargos de presidentes regionais do partido. Em Sergipe, o ex-deputado federal Valadares Filho se mantém presidente.

*** O PSB passa por uma reforma política interna e quer realizar um congresso presencial, em outubro, para aprovação das mudanças.

Condições precárias

Heleno Silva (Repubicanos) acha que o fim do auxílio emergencial vai atingir Sergipe e impactar na economia e na área social. O Governo Federal não acena para continuar com o auxílio, em momento que a Covid avança.

*** Heleno se mostra preocupado com Sergipe, que tem aproximadamente 500 mil pessoas em condições precárias.

Rogério quer auxílio

Rogério Carvalho (PT) diz que “sem auxílio emergencial, sem Minha Casa Minha Vida, brasileiro é jogado à própria sorte pelo Governo brasileiro no meio da pior pandemia da nossa história recente”.

*** – Por isso apresentamos proposta para que o auxílio emergencial seja pago no mínimo até o final do primeiro semestre de 2021 e que o valor volte para R$ 600.

E conclui “Quem tem fome não pode esperar”!

Uma boa conversa

Desestímulo à ação – O comportamento da população em relação ao Covid-19 está desestimulando a ação de fiscalização de aglomerações e de quem cumpre ou não medidas para evitar a propagação.

Sem abraços – Há uma orientação para que as pessoas não comemorem o reveillon e nem se abracem no período de passagem de ano.

Há um fato interessante: todo mundo está querendo comemorar ter sobrevivido ao Vírus, mesmo que adquira logo depois.

Blog do Noblat – Estou surpreso, soube da minha exoneração pela imprensa’, diz médico que pediu vacina para STF.

Cristóvam Buarque – Temos um presidente com uma psicologia política doentia. A história já teve outros, como Nero e Caligula.

Fabrício Carva – O presidente vai boicotar a vacina e todo mundo tem consciência desse ato. A previsão do Ministério da Saúde para fevereiro, eu não acredito!

Fazem cobrança – Governadores estão cobrando do Ministério da Saúde um cronograma nacional para a vacinação contra o coronavírus.

Fernando Castro – O Estadão diz em editorial que o Bolsonaro fez o oposto do que lhe cabia fazer na pandemia.