Aracaju, 16 de junho de 2024
Search

LIRAA: ARACAJU REGISTRA MENOR ÍNDICE DE INFESTAÇÃO PELO AEDES AEGYPTI DOS ÚLTIMOS 20 ANOS

phpThumb_generated_thumbnail

O sexto e último Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa) do ano, produzido pela Prefeitura de Aracaju, por intermédio da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), aponta que a capital sergipana registrou o menor índice de infestação pelo mosquito dos últimos 20 anos para o mês de novembro. Os dados completos do levantamento foram apresentados nesta terça-feira, 14, pelo prefeito Edvaldo Nogueira e pela secretária municipal da Saúde, Waneska Barboza, durante coletiva de imprensa na sede da administração municipal. “Como resultado efetivo do nosso trabalho diário de combate ao mosquito, Aracaju está com índice 0,8, considerado como baixo risco para surtos e epidemias”, destacou o gestor.

“Desde 2017, quando retornamos à Prefeitura, o combate à proliferação do Aedes aegypti tem sido primordial. Através de ações conjuntas entre a Secretaria da Saúde e a Empresa Municipal de Serviços Urbanos, passamos a executar medidas de enfrentamento direto ao mosquito e aos criadouros, como limpeza de terrenos, recolhimento de pneus, mutirões, entre outras ações. Como resultado deste trabalho eficiente, temos, a cada LIRAa, apresentado números satisfatórios, chegando a esse dado extremamente significativo que foi registrado no último levantamento de 2023, de ter sido o menor índice dos últimos 20 anos. Mostra o nosso compromisso, empenho e dedicação”, afirmou Edvaldo, durante a apresentação.

Em comparação ao ano passado, houve uma queda expressiva de 67,2% dos casos de dengue, 68,4% nos de chikungunya e de 7,5% nos de zika. O sexto LIRAa do ano, na capital, foi realizado entre os dias 6 e 10 de novembro. Esse levantamento tem como foco nortear as ações da Prefeitura no combate à proliferação do Aedes aegypti. No levantamento anterior, divulgado em setembro, Aracaju havia registrado índice 1,0, também classificado como baixo risco e o menor dos últimos cinco anos. Realizado a cada dois meses, o LIRAa é classificado em três níveis: baixo (de 0,0% a 0,9%), médio (de 1,0% a 3,9%) e alto (acima de 4,0%).

“Tudo isso mostra que, quando o poder público é eficiente, o resultado aparece. É uma vitória muito grande, que nos deixa felizes, mas como sempre digo, não devemos nos descuidar. O mosquito existe, as doenças provenientes dele também, então, quanto mais nos empenharmos, nos unirmos, Prefeitura e população, mais distante manteremos o vetor. A gestão continuará fazendo a sua parte para que Aracaju continue mostrando a sua eficiência, mas a sociedade precisa contribuir, principalmente porque o levantamento mostra que o mosquito está nas residências”, reiterou.

De acordo com a secretária municipal da Saúde, Waneska Barboza, com base nos dados, a SMS identifica os principais focos do mosquito, bairros com maiores índices, sendo possível traçar estratégias de combate como fumacê costal, mutirões de limpeza, eliminação de focos e conscientização da população.  Dos 48 bairros da capital, 30 foram classificados com baixo risco e 18 com médio risco de infestação. “A gente faz um trabalho de eliminação dos criadouros. A Prefeitura, através da Secretaria, realiza um trabalho de prevenção, por intermédio dos agentes de endemias, nas casas das pessoas, orientando como encontrar o criadouro, como evitá-lo, para que a gente tenha, cada vez menos, pessoas adoecidas”, explicou.

Embora a capital esteja, atualmente, em baixo risco de infestação, um dado do levantamento, de acordo com a secretária, requer uma atenção especial: o crescimento expressivo de criadouros do vetor dentro das residências. Segundo indica a análise do sexto LIRAa, cerca de 64,3% dos criadouros foram localizados em lavanderias, caixas d’água e tonéis, classificando esses pontos em primeiro lugar. Em segundo lugar – 28,5% -, estão os vasos, pratos de plantas, ralos, lajes e sanitários em desuso. Já o terceiro ponto com o maior foco de criadouros, registrando um percentual de 7,1%, são os entulhos e resíduos sólidos, enquanto que o percentual de pneus foi de 0%.

Intensificação​ das ações

Para que a capital sergipana pudesse alcançar esses resultados satisfatórios no combate à proliferação do mosquito, diversas ações foram realizadas pela gestão municipal, ao longo do ano, através de uma parceria entre a Secretaria da Saúde e a Emsurb. Ao todo, foram feitos 29 mutirões, estando outros seis já programados para ocorrerem até o final de dezembro, nos bairros Santa Maria, Palestina, Porto Dantas, Lamarão, Suíssa e São José.

Além disso, foram realizadas 363.151 visitas pelos agentes de Combate às Endemias, sendo 278.731 em residências, 41.619 em estabelecimentos comerciais, 11.259 em terrenos baldios, 4.690 em pontos estratégicos e 26.852 em outros pontos. Em 2023, o Programa Municipal de Controle do Aedes aegypti também realizou a aplicação de fumacê costal em 119.621 imóveis. Para reforçar essas ações, em parceria com o Governo do Estado, a Secretaria da Saúde de Aracaju realizou, ainda, a aplicação do tratamento com ultra baixo volume (ubv), por meio do carro fumacê, em seis bairros.

Notificações

Em 2023, foram registradas 3.781 notificações das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti, na capital, sendo confirmados 1.401 casos – 972 de dengue, 392 de chikungunya e 37 de zika.

Também acompanharam a coletiva de imprensa os secretários municipais Hallison Sousa (Governo), Joaquim da Janelinha (Articulação Política e Relações Institucionais) e Valter Lima (Chefia de Gabinete); a diretora de Vigilância e Atenção à Saúde, Taise Cavalcante, e o gerente do Programa Municipal de Controle do Aedes aegypti, Jeferson Santana.

Foto: Ana Lícia Menezes

Leia também