Aracaju, 18 de agosto de 2022

Plano de Emprego e Sustentabilidade Econômica é apresentado na Alese aos deputados

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

A convite do presidente da Assembleia Legislativa de Sergipe (Alese), deputado Luciano Bispo (MDB), o consultor financeiro, ex-diretor conselheiro da Associação É de Sergipe, Manoel Costa das Chagas, participou da Sessão Plenária de hoje (02) durante o Grande Expediente da Casa Legislativa para apresentar aos parlamentares o Plano de Emprego e Sustentabilidade Econômica(PESE), projeto de sua autoria.

Exposição

Segundo sugeriu o presidente da Casa, diante do ‘Consumo Consciente’ – pauta também destacada na apresentação do PESE, “O Estado poderia investir mais intensificadamente no Consumo Consciente, para que pudéssemos comprar os nossos produtos, alavancando a economia estadual. E os nosso produtores, ter alguma bonificação para colocar nos produtos produzidos, um selo identificando a produção local: Produzido em Sergipe”, sugeriu Luciano Bispo

Segundo revelou Manoel Costa, ele se sentiu grato por ter apresentado o PESE ao presidente em seu gabinete, razão de estar sendo apresentado na Tribuna da Casa a todos aos parlamentares.

“Diane da pandemia, o estado de Sergipe, como o Brasil,  atravessou dificuldades diversas, e com minhas habilidades de desenvolver planos de solução para empresas, tomei iniciativa de desenvolver um trabalho de desenvolvimento para o Estado de Sergipe”, declarou Chagas.

Ele expôs que o Plano de Emprego de Sustentabilidade Econômica, o PESE, é um estudo do tratamento da economia sergipana. “O  estado tem como força e direito, a arrecadação e encargos, aquisição de bens e serviços, como também benefícios oferecidos à sociedade. Estou falando de um tripé, que envolve Empresas, Estado e Sociedade. E nesse tripé, dois não vive sem um terceiro, que é empresa, responsável pelo plano econômico”, colocou.

Apontou que a formação da sustentabilidade econômica local depende dessa união, onde o PESE traz para a Administração Pública a aplicação de soluções, dando o passo a passo para soluções em curto espaço de tempo. Manoel Costa das Chagas cita que o plano contempla importantes pontos de execução, a exemplo da saúde, Educação, Assistência Social e Previdência.

“A taxa de desemprego atual em Sergipe está acima de 19%. O compromisso do plano  com o Estado é  de geral, em 36 meses,  65 mil empregos, colocando a taxa de desemprego do estado abaixo da média nacional e ficando entre os sete melhores no ranking nacional”, declarou.

No dados apresentados, em apenas oito anos, a taxa de informalidade poderia ser diminuída, saindo 53% para 45% . Também, que em 36 meses há a possibilidade de reduzir os custos da Saude e Educação, sem arbitrar custos e cortes nas  despesas. “Pode-se aumentar a arrecadação dos impostos pela adimplência e pontualidade do setor produtivo, e atingir nove entre 17 metas dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS)”, avalia.

Alguns deputados se manifestaram após a apresentação. A Maria Mendonça (PSDB), parabenizou a forma didática da apresentação do plano, que apresentou problema e solução. “Eu acredito ser possível através de governo e da  classe produtiva, alavancar a economia”, disse.

O deputado Luciano Pimentel (sem partido), parabenizou a iniciativa da apresentação, mas destaca que plano precisa de detalhes mais informativos, observando, inclusive, a Lei de Licitações. “Faria reflexões diante do trabalho apresentado, em referência de caso específico, da compra de computadores para professores por meio de CNPJ”. O deputado alerta sobre a  questões de legitimidade da iniciativa, vendo a necessidade de se observar leis.

Quanto ao Consumo consciente, de valorizar os produtos do Estado e o fortalecimento da economia local, Pimentel exemplificou o estado de São Paulo, onde boa parte do que é produzido pelo estado e consumido localmente. Ele lembrou também da necessidade do “Uso Consciente”, destaca que quando o Estado tem de investir em algo que já tinha investido,ele deixa de investir em outras áreas. para isso exemplificou a quantidade de moveis escolares (carteiras) que o estado tem de gastar em algo já adquerido por conta do mal uso. “Vejo a necessidade de uma campanha do Uso Consciente, de conscientizar que quando algo está sendo destruído ,poderia estar sendo investido em outras questões”, disse.

Goretti Reis destaca que alavancamento da economia local dos Estados foi tratado durante a 24ª Conferência da União Nacional dos Legisladores e Legislativos Estaduais (Unale)

Quanto a lei de Licitações, o deputado Georgeo Passos (Cidadania), observou que hoje há uma lei que abre compra do estado para a Agricultura Familiar, medida que beneficia a produção local, e  melhoria da renda para as famílias.  Ele também destacou a importância do PESE, e sua necessidade de execução. “Sergipe cada dia mais passa por grandes perdas, como a Petrobras. O plano apresentado  pode colaborar com o desenvolvimento de Sergipe, claro, observando algumas situações, para viabilidade legal da aplicação”, salientou.

Já a deputada Goretti Reis (PSD), vê a necessidade e importância do consumo local, a nível estadual. “É importante o bairrismo dentro do Estado, pois empresas geraram ICMS e emprego para Sergipe. Há a necessidade de Políticas Públicas para que venham contribuir para esse devolvimento, alavancando a economia”, disse, enfatizando ainda que no evento da Unale houve importante debate sobre o tema.

Foto: Jadilson Simões

Por Stephanie Macêdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Leia também