Aracaju, 26 de fevereiro de 2024

FIM DO PERSE PREJUDICA EMPRESAS DE SERVIÇOS, COLOCANDO TURISMO EM RISCO, DIZ PRESIDENTE DA FECOMÉRCIO

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
WhatsApp-Image-2023-07-18-at-19.23.38-1024x768

Um estudo realizado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) mostra que, caso o Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (Perse) seja encerrado, até R$ 244 bi por ano deixarão de ser injetados na economia nacional. Em uma nota estimativa, a Receita Federal apontou perdas tributárias entre R$ 17 e R$ 32 bilhões entre 2021 e 2023 – até 13% do valor que pode deixar de circular não apenas no turismo, mas em todos os setores. A pesquisa indica, ainda, que, para cada R$ 10 mil de faturamento a mais, o salário do trabalhador brasileiro pode aumentar R$ 18,8.

O estudo, elaborado pela Diretoria de Economia e Inovação (Dein), foi apresentado nesta tarde (6/2), durante reunião do Conselho Empresarial de Turismo e Hospitalidade (Cetur) da CNC, na sede da Confederação, em Brasília. Participaram empresários do setor, representantes das Federações do Comércio de todo o País, bem como parlamentares que apoiam a causa. No encontro, as lideranças assinaram um manifesto que será entregue durante ato público nesta quarta-feira, 7 de fevereiro, na Câmara dos Deputados.

O manifesto, o estudo e diversas outras informações estão no site portaldocomercio.org.br/perse

Mais turismo, mais desenvolvimento e menos violência

Conforme os dados, antes da pandemia, o setor de turismo crescia em uma taxa próxima a 6% ao ano. Após a instituição do Perse, essa taxa saltou para 30%, o que mudou a trajetória não apenas do turismo, bem como de importantes indicadores sociais. O estudo revela que, para cada 1% de aumento no valor adicionado pelo setor de turismo na economia em geral, há o aumento de 0,9% no Produto Interno Bruto (PIB).

Para o presidente da CNC, José Roberto Tadros, o turismo é um dos impulsionadores do desenvolvimento brasileiro. Tadros salienta que, dos dez estados com atividade turística mais intensa, seis estão no Nordeste (Sergipe, Ceará, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Paraíba e Bahia) e um no Norte (Amapá). No entanto, esses estados têm menos de 3% de participação cada um no PIB nacional. “O turismo pode ser um divisor de águas na melhoria das condições de vida de uma região inteira, e a resposta certa, definitivamente, não é reduzir investimentos”, afirma o presidente da CNC.

O presidente do Sistema Fecomércio-Sesc-Senac de Sergipe, Marcos Andrade, disse que o fim do PERSE é muito prejudicial para as empresas de serviços e que isso não pode acontecer no momento em que o turismo sergipano se encontra em evidência.

“Sergipe está bem posicionado no mercado do turismo nacional, chegando a ocupar o primeiro lugar em buscas, está entre os 15 melhores destinos do Brasil, agora aparece na maior plataforma de viagens por milhagem, a Smiles, na quinta posição. Muitas ações foram feitas para fortalecer o turismo sergipano no ano passado e há um planejamento para este ano. Mas como daremos continuidade a isso, sem que as empresas que dependem do PERSE possam ter esse incentivo. O programa deu certo e deve continuar, pelo bem de Sergipe, de outros estados brasileiros, como disse o presidente Tadros, e pelo bem dos empregos das pessoas. O fim do PERSE é uma trava para o turismo”, afirmou Marcos Andrade.

O Perse

O Perse foi instituído pela Lei nº 14.148/2021 e representou um alívio para os empresários do setor em meio à pandemia de covid-19, que foi responsável pela morte de mais de 700 mil brasileiros, causando prejuízos até hoje, sentidos pela economia. Em 2020, enquanto o PIB brasileiro teve uma queda de 3,3%, o faturamento do turismo caiu 38%. Muitas empresas fecharam as portas, gerando desemprego e prejuízos econômicos e sociais.

O programa reduziu a zero o Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPF), da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), do PIS e do Cofins para as empresas que se enquadram como beneficiárias, não se aplicando a empresas do Simples Nacional. As empresas aptas ao programa puderam renegociar dívidas tributárias e não tributárias, incluindo FGTS, com desconto de até 70%. O Perse teve início em março de 2022, e sua previsão legal é que vigore até fevereiro de 2027.

O Sistema S do Comércio é composto pela Fecomércio, Sesc, Senac, Instituto Fecomércio e 13 sindicatos patronais em Sergipe. Presidida por Marcos Andrade, a entidade é filiada à Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), que está sob o comando de José Roberto Tadros.

Texto e igaem: Marcio Rocha

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Leia também