Aracaju, 16 de junho de 2024
Search

GRUPO GAMBIARRA E O INSTITUTO SER INICIAM O PROGRAMA REDE SERGIPANA DE MULHERES EMPREENDEDORAS

Banner principal

Foi iniciado na última sexta-feira (17), o projeto “Rede Sergipana de Mulheres Empreendedoras – Programa de Formação Para Líder Empreendedoras”. Realizado pelo Grupo Gambiarra e o Instituto SER, tendo financiamento do Ministério da Cultura, através de emenda parlamentar do senador Alessandro Vieira, a Rede nasce para proporcionar a profissionalização, autonomia e liderança de mulheres sergipanas. A princípio, o projeto irá trabalhar com 20 mulheres que serão replicadoras de todo o processo para outras empreendedoras, fortalecendo, assim, o ecossistema de negócios femininos e da Economia Criativa.

O lançamento do processo seletivo foi realizado na sexta, através do site do projeto, o www.redesergipanaempreendedora.com.br. As inscrições ocorrerão no período de 17 a 31 de maio e os resultados ficarão disponíveis no dia 13 de junho. O início será no dia 17 de junho com a abertura do coworking e primeiro módulo. O segundo módulo será no dia 19 do mesmo mês.

Para a coordenadora do projeto, a arquiteta e empreendedora Isabele Ribeiro, a Rede apresentará um panorama das suas respectivas marcas para as mulheres beneficiadas. “A Rede é um projeto com duração de um ano que busca o fortalecimento de mulheres empreendedoras sergipanas, assim como o seu posicionamento competitivo no mercado de trabalho e resgate da autoestima, fortalecendo a sergipanidade no processo criativo das marcas de diversos setores da Economia Criativa como Moda, Gastronomia, Design, Artesanato, dentre outras, através de mentoria, aulas com 10 módulos teóricos e práticos, participação na Feirinha da Gambiarra e uso de espaço gratuito de coworking equipado com espaço para gravações, fotos, trabalho e networking”, explica.

O trabalho da Rede com mentoria e ações tem o intuito de instruir pequenas empresárias para a perpetuação do tempo de vida das suas marcas no mercado, assim como o amadurecimento delas através de uma troca profícua entre as mulheres contempladas, facilitadores e mercado com módulos que caminham sob todos os campos do empreendedorismo, sejam eles teóricos e práticos. Além de espaço gratuito para que as empreendedoras utilizem durante 10 meses equipado para coworking e gravações de foto e vídeo.

O processo seletivo é aberto para todo o Estado. Isabele Ribeiro ressalta que a ideia é, assim, fomentar o empreendedorismo feminino em Sergipe. “Com foco no fortalecimento da identidade sergipana na reestruturação das suas marcas, a mentoria busca ampliar o mercado para comercialização da produção artesanal, se assim for, conquistando novos investidores no âmbito estadual, nacional e internacional e dando continuidade ao aprimoramento dos processos envolvidos na produção de base artesanal, a fim de dar permanência ao ciclo de inovação, além da criação de produtos para o setor do artesanato, preenchendo as lacunas que geralmente impedem que a produção local seja valorizada”, define.

Obará Comunicação Integrada

Leia também