Aracaju, 2 de agosto de 2021

Trabalhador de serviços essenciais tem de comunicar data da greve

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Trabalhadores de serviços essenciais não têm o direito de entrar em greve sem fazer a comunicação prévia da paralisação e sem manter um percentual mínimo de funcionários em atividade. Com esse entendimento, a Seção Especializada em Dissídios Coletivos (SDC) do Tribunal Superior do Trabalho decidiu que foi abusiva a greve dos lixeiros no Espírito Santo, em abril de 2015.

A greve foi de 10 a 14 de abril de 2015, pedindo melhores condições de trabalho. Ajuizado o dissídio coletivo pelas empresas, foi feito acordo acerca do reajuste salarial e tíquete de alimentação, homologado pelo TRT-17, que determinou a compensação dos dias parados e declarou a abusividade da greve, condenando o sindicato ao pagamento de multa por descumprimento de decisão liminar que determinou quantidade mínima de trabalhadores em atividade.

O Sindilimpe recorreu ao TST, alegando que a greve é um direito fundamental inerente às sociedades democráticas e que cumpriu integralmente todos os requisitos exigidos pela Lei de Greve (Lei 7.783/1989).

Ao examinar o recurso, porém, a relatora, ministra Maria Cristina Peduzzi, manteve o entendimento no sentido da abusividade da greve com base em três fundamentos: ausência de autorização dos trabalhadores para a deflagração; ausência de comunicação prévia aos empregadores e usuários do serviço essencial de limpeza urbana; e descumprimento de ordem judicial de manutenção de percentual mínimo de trabalhadores em atividade.

Segundo a relatora, o sindicato não demonstrou a aprovação da greve pela categoria e não apresentou ata da assembleia e lista de presença. Quanto à comunicação da decisão de paralisar as atividades com antecedência mínima de 72 horas, a ministra observou que o documento apresentado pelo sindicato como um aviso aos empregadores foi em um edital de convocação para a assembleia geral que deliberaria sobre a greve. “Como os trabalhadores poderiam, ou não, aprovar a deflagração do movimento, não há como conceber que o edital de convocação configure uma notificação prévia do início do movimento”, afirmou.

Em relação ao descumprimento da ordem judicial, Cristina Peduzzi destacou vários documentos nos autos que o comprovam, entre eles a notícia veiculada na mídia com manifestação expressa do representante do sindicato indicando que haveria o desrespeito à liminar e o decreto da Prefeitura Municipal de Vila Velha (ES) afirmando “o descumprimento pelos trabalhadores representados pelo Sindilimpe”.

Divergência – A ministra Kátia Magalhães Arruda divergiu do voto da relatora, e provia o recurso do Sindilimpe para extinguir o processo sem resolução do mérito, ressaltando que foi feito acordo entre os envolvidos e que, mesmo assim, o TRT-17 declarou a abusividade da greve. Com o mesmo entendimento, a ministra Dora Maria da Costa acrescentou que a jurisprudência da SDC é de que seria necessária manifestação das empresas para examinar a abusividade da greve.

Com a votação em três a três, a decisão foi por maioria, e o resultado foi definido pelo voto de minerva do presidente do TST, ministro Ives Gandra Martins Filho, que seguiu a relatora.  O ministro salientou que o acordo firmado durante a greve não registrou expressamente que não se discutiria a abusividade.

Ficaram vencidos os ministros Kátia Magalhães Arruda, Dora Maria da Costa e Mauricio Godinho Delgado. Com informações da Assessoria de Imprensa do TST.

 

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Batata-doce é cultivada no Alto Sertão com irrigação pública
Em Aracaju, 16,4 mil pessoas estão aptas a receber 2ª dose de AstraZenca e Pfizer
“Somos ricos em gás e minérios e referência para o país agora e nos próximos anos”, diz Belivaldo
No próximo sábado vai ter Fora Bolsonaro na Feira do município de Siriri