Aracaju, 27 de setembro de 2021

EDUARDO CUNHA NÃO CEDERÁ PARA NOVO DISCURSO DE CARDOSO

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, disse, há pouco, que não mudará seu entendimento sobre a possibilidade de um novo pronunciamento da defesa da presidente Dilma Rousseff após a fala do relator do processo de impeachment, deputado Jovair Arantes (PTB-GO).

O pedido foi feito pelo advogado-geral da União, José Eduardo Cardoso, no inicio de sua fala de defesa na sessão do Plenário desta sexta (15). Cunha, no entanto, disse que o pedido já havia sido feito por escrito e foi negado. Para ele, o rito está estritamente igual ao impeachment do ex-presidente Fernando Collor, em 1992.

“O relator fala por último, ao fim do processo de discussão, porque o papel dele é como o de um juiz, que fala por último”, disse. “Seria alterar o rito em relação ao ex-presidente Collor, e nós não desejamos fazer isso”, completou.
Cunha frisou que na comissão especial que analisou o impeachment a defesa falou após o relator, mas por liberalidade, e não por qualquer previsão legal.

Quanto ao outro questionamento de Cardozo, de que o presidente deveria orientar os deputados a se aterem à discussão das denúncias aceitas pela Câmara, excluindo outras acusações, como a delação do senador Delcídio Amaral, por exemplo, Cunha disse que não é possível cercear a palavra dos deputados, que têm direito a discursar livremente durante a discussão.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Estado inicia pagamento dos servidores públicos nesta quarta-feira, dia 29
Escolas estaduais intensificam preparação para o Enem 2021
Ato Fora Bolsonaro vai ocupar ruas da Coroa do Meio no sábado
Adolescente de 14 anos morre após se afogar em açude no município de Salgado