Aracaju, 17 de setembro de 2021

Governador visita Escola Agrícola e garante melhorias para a unidade (Foto: Marcelle Cristinne)

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Escola funciona no sistema de comodato entre a Seed e a Associação Mantenedora da Escola Família Agrícola (Amefal)

Numa manhã dedicada à pauta da Educação, após cumprir agenda em Nossa Senhora do Socorro, o governador Jackson Barreto se deslocou até o município de Japoatã, mais precisamente ao povoado Ladeirinhas, para conhecer as instalações da Escola Família Agrícola, que oferece o ensino médio profissionalizante de Técnico em Agropecuária para 66 jovens. A escola funciona no sistema de comodato entre a Seed e a Associação Mantenedora da Escola Família Agrícola (Amefal).

A visita do governador, juntamente com o secretário de Estado da Educação, Jorge Carvalho, atende a um pedido dos gestores e estudantes, que aproveitaram a ocasião para apresentar uma pauta de reivindicações de melhorias na estrutura da unidade e nas condições de ensino.

Dentre os itens solicitados, alguns já foram garantidos durante a visita, como um veículo para o transporte escolar, a manutenção da bomba de água, e a verificação da reestruturação da sala de informática e da possibilidade de instalação de sinal wifi para internet. Os demais itens, em sua maioria relacionada à estrutura física da unidade, serão verificados pelo governo e Seed.

“Compreendemos que temos responsabilidade com este projeto da Escola Família Agrícola de Ladeirinhas e eu, pessoalmente, estou muito feliz de ter conhecido a escola e sua proposta. Se vê aqui jovens qualificados, rapazes e moças preparados, pessoas de bom nível de formação sabendo passar as informações para o governo, reivindicando para melhoria da escola, no sentido de que a escola possa atingir os seus objetivos”, disse o governador Jackson Barreto, após conhecer todas as instalações.

Inclusão

A escola atende filhos de assentados agrícolas, filhos de quilombolas, do Movimento de Pequenos Agricultores (MPA), entre outros movimentos sociais, que tem na unidade a oportunidade de qualificar mão de obra para o trabalho no campo. “Mas, muito mais do que isso, é a formação da consciência sobre a importância da terra na vida das pessoas, porque esses jovens, quando estiverem formados. eles não vão buscar ir para a cidade, eles vão aplicar os seus conhecimentos na própria terra que lhe deu a condição de estar qualificado como técnico e como profissional. Pode até buscar mais qualificação, mas nunca vão cortar o cordão umbilical com a terra”, completou o governador.

Ainda segundo Jackson Barreto, o governo vai avaliar a pauta de reivindicações para tornar viável o campo de estágio dos estudantes, que são as estruturas para a prática das atividades rurais e agrícolas. Essas áreas, como a pocilga, estufa para mudas, estão danificadas e precisando de reparos, o que compromete a formação dos estudantes. “O Estado pode dar esta contribuição. Nós estamos com dificuldades de ordem financeira, mas temos muitos itens aqui que podemos atender e viabilizar o ensino mais qualificado. Estou entusiasmado com a escola, com a proposta, com a qualificação dos alunos e com o amor de todos com este projeto da Amefal”, concluiu.

A escola

A unidade é acompanhada pelo Serviço de Educação Profissionalizante – SEPRO, através do Núcleo de Educação do Campo (Necam). Os estudantes passam 15 dias na escola e 15 dias na comunidade. No período em que estão na escola, estudam a base curricular, além de aulas práticas de agroecologia com experimentos realizados com hortaliças, aves, suínos, produção de mel de abelha e produção de sementes. Na comunidade, desenvolvem os conhecimentos adquiridos durante o Tempo Escola, colocando em prática o que aprenderam na escola. Os alimentos produzidos são utilizados, em parte, na complementação da alimentação escolar e outra parte é comercializada na feira da Comunidade Ladeirinhas.

A Escola já formou cerca de 70 técnicos em agropecuária, que hoje atuam em empresas de assistência técnica atendendo a pequenos agricultores e assentados. O secretário Jorge Carvalho disse que o objetivo da visita, além de conhecer, foi dialogar com alunos e professores sobre os problemas da escola. “Nós ouvimos e dentro deste diálogo iremos buscar avançar no sentido do aperfeiçoamento das atividades da escola”, garantiu.

O estudante do segundo ano, Francisco de Souza, 17 anos, morador do povoado Brejão dos Negros, terá este e mais um ano até a formatura. Ele diz que estudar na Amefal é uma oportunidade única. “Porque é totalmente diferente das escolas de outras cidades. Aqui tem ensino técnico e médio, muito importante porque o aluno já sai capacitado para trabalhar no mercado. E aqui ensina tanto para a vida profissional, como para a vida em si, o aluno aqui faz tudo o que não faz em casa. Nos dias 15 dias que passo em casa, a gente tem o plano de estudo, onde leva questões para responder perguntas da comunidade para trazer para a escola, se chama ação reflexão. O que tem na comunidade pratica aqui e o que tem aqui pratica na comunidade”, contou o jovem, que pretende ser um agrônomo para continuar trabalhando na área.

Também acompanharam a visita, o monitor Diretor da Amefal, Sérgio Cardoso Borges, o prefeito de Japoatã, Gilmarcos; e a dirigente do MPA, Elielma Vasconcelos. O presidente do DER, Antônio Vasconcelos, além de gestores da Seed e líderes agrícolas da região.

Fonte: ASN

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

UNINASSAU Aracaju mantém ações pelo Setembro Amarelo
Edição especial do Praia limpa será realizada neste sábado
Prefeitura de Aracaju inicia recuperação da avenida Santos Dumont
CUT denuncia à Adema e Ministério Público Federal fábricas de suco no município de Estância que contaminam meio ambiente