Aracaju, 28 de setembro de 2021

Biblioteca realiza evento para debater sobre inclusão (Foto: Ascom/Secult)

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Com o intuito de efetivar as políticas de inclusão social, associadas ao incentivo a leitura, a Biblioteca Pública Epifânio Dória (BPED) promoveu, nesta terça-feira, 19, o I Encontro da Rede de Leitura Inclusiva de Sergipe. A Rede, que conta com a participação de diversos segmentos da cultura, entidades públicas e privadas e da sociedade civil, tem como incentivadora a Fundação Dorina Nowill para Cegos.

“A Rede de Leitura Inclusiva é fomentada pela Fundação Dorina Nowill em todos os estados do Brasil. Aqui em Sergipe montamos um grupo que construiu este encontro de hoje. A ideia deste evento é que possamos pensar em propostas e disponibilizar e compartilhar o conhecimento a respeito dos livros acessíveis, não só ligados a deficiência visual, mas a outras deficiências também”, ressaltou a representante do Serviço de Apoio à Inclusão da Fundação, Perla Assunção.

O encontro abriu com a fala oficial da diretora da Biblioteca, Juciene Maria de Jesus e com apresentações artísticas de dança e música, de convidados portadores de deficiência, que mostraram seus talentos e superações através da arte. Na sequência o vereador de Aracaju, Lucas Aribé apresentou uma palestra tendo como tema a “Lei Brasileira de Inclusão e a Leitura”. O evento seguiu ao longo do dia com oficinas, práticas de leituras inclusivas e outros debates.

Para a coordenadora do Projeto Roda de Leitura da BPED, Rosineide Santana, este Encontro é resultado de uma série de ações voltadas para a inclusão, que vem sido desenvolvidos pela Biblioteca nos últimos meses. “Hoje nós entendemos que estas ações precisam ser constantes. Lucas Aribé e sua mãe foram os primeiros a buscar aqui na Biblioteca um espaço ativo de inclusão, e isso nos motivou muito. Antes as Rodas eram pensadas apenas como um instrumento de incentivo à leitura, mas a partir deste contato, começamos a introduzir textos em Braille, trazer interprete de libras e buscar entender as demandas de pessoas portadoras de deficiência”, contou.

A Fundação

Sediada em São Paulo, a Fundação Dorina Nowill, tem se dedicado à inclusão social das pessoas com deficiência visual, há quase 70 anos, por meio da produção e distribuição gratuita de livros braille, falados e digitais acessíveis. A Fundação já produziu mais de seis mil títulos, imprimiu dois milhões de volumes em Braille, mais de 2.700 obras em áudio e cerca de outros 900 títulos digitais acessíveis. Estes materiais são doados para escolas, bibliotecas e organizações de todo o Brasil.

Fonte: Ascom / Secult

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Polícia já tem suspeito do roubo das joias de Ana Alves, que inclui anel do seu pai, e já vai ouví-lo
Seduc convoca 57 educadores profissionais aprovados em seleção para cursos técnicos
Sergipe recebe mais de 67 mil vacinas para aplicação em primeira e segunda doses
Luciano Bispo diz que PDES revela potencialidades para investimentos