Aracaju, 3 de agosto de 2021

“Emagreci mais de 50 quilos em um ano”, diz capitão da PMSE (Foto: Assessoria)

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Estar com a saúde física e mental em dia é fundamental para quem almeja longevidade e qualidade de vida. E quando o foco é a atividade policial militar, principalmente. O dia a dia do profissional de segurança pública exige uma boa dose de equilíbrio psicológico e, claro, preparo físico. Esses itens estão previstos desde o ingresso do policial militar à Corporação e constituem etapas eliminatórias do processo seletivo. Vale para homens e mulheres.

Após aprovação na fase intelectual, os candidatos se submetem a uma série de exames de saúde e tornam-se aptos ao curso de formação somente após uma dura bateria de testes físicos, que inclui corrida, barra, abdominal e natação. O desafio, após o ingresso do recruta, é dar continuidade aos exercícios e manter o corpo em sintonia com a balança, para que se tenha o desempenho almejado na hora de correr atrás de indivíduos suspeitos, escalar muros, percorrer pântanos e matagais, em busca de pessoas, armas e drogas.

Para incentivar a prática regular de atividade física e estimular o bom condicionamento da tropa, a Polícia Militar de Sergipe dispõe, há três anos, de uma academia moderna, operada por profissionais da própria Corporação, formados em Educação Física. Ela funciona nas dependências do Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças, de segunda à sexta, das 7h às 18h30. Além da modalidade de musculação, tem sido oferecido treinamento funcional e de atletismo gratuitos, sob a orientação do sargento Paulo Barbosa dos Anjos, treinador e árbitro de Atletismo e pós-graduado em Personal Training (Treinamento Funcional), que responde interinamente pelo setor de Educação Física do CFAP.

“A atividade policial exige para o seu desempenho uma boa aptidão física, tanto para o dia a dia como para um bom desempenho nos cursos de formação, aperfeiçoamento policial e desenvolvimento profissional. Prezar por um bom condicionamento físico traz benefícios como o controle do estresse, diminuição da ansiedade e da depressão, melhoria no sistema imunológico, da imagem corporal e da autoestima. Por isso, é importante manter o corpo em movimento”, salientou o sargento Dos Anjos.

A busca por uma vida mais saudável e equilibrada tem feito crescer a procura não só por academias, mas por atividades alternativas exercidas ao ar livre, a exemplo de clubes de corrida de rua, grupos de ciclismo, lutas marciais e treinamentos funcionais. Esta última modalidade, aliás, vem atraindo muitos policiais ao Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças da PMSE, dispostos a manter corpo e mente sãos, por meio de exercícios relacionados à especificidade da vida diária.

O treinamento funcional é caracterizado pela utilização de exercícios complexos que envolvem vários grupos musculares, principalmente os estabilizadores, músculos que dão sustentação ou firmam uma parte do corpo. O personal Michael Boyle, autor do livro “Avanços no Treinamento Funcional” (2015), descreve a modalidade como “um contínuo de exercícios que ensina os atletas a lidar com o seu peso corporal em todos os planos de movimento”.

De acordo com o sargento Dos Anjos, o treinamento funcional está embasado na melhoria dos aspectos neurológicos que afetam a capacidade funcional do corpo humano. “O treinamento utiliza exercícios que desafiam os diferentes componentes do sistema nervoso, estimulando sua adaptação e promovendo a melhoria gradativa do desempenho do esportista. São aptas para o treinamento funcional todas as pessoas que se classifiquem como de baixo risco para atividade física, sem restrição”, esclarece o instrutor.

Já a musculação tem entre seus benefícios o desenvolvimento da força e da resistência muscular, o tônus muscular, hipertrofia, ajudando a formar a massa óssea, reduzir o percentual de gordura e aumentar o percentual de (MLG) massa magra (músculo). “Quando a pessoa tem como objetivo a hipertrofia, é bom conciliar com o treinamento funcional com a musculação”, completou o sargento.

Foco e disciplina

As possibilidades são várias, mas o importante mesmo é dar o primeiro passo. E foi exatamente o que fez o capitão Manoel Alves de Araújo, chefe de Operações do Comando do Policiamento Militar do Interior (CPMI), que adotou um estilo de vida mais saudável e eliminou, em um ano, mais de 50 quilos de gordura corporal, aliando a prática de corrida a uma dieta balanceada. “Desde a infância, luto contra o aumento de peso e, na adolescência, comecei a praticar esporte. No entanto, não dei continuidade e, ao atingir a fase adulta, comecei a ganhar peso a cada ano, chegando à marca de 155 quilos. A obesidade que me trouxe não só complicações na saúde, como também um processo depressivo que se desenvolveu gradativamente. Vale dizer que o aumento das taxas de glicose e colesterol foi consequência desse ganho descontrolado de peso e me levou a ter dificuldade para locomoção e executar tarefas diárias”, confessou o oficial.

Hoje com uma disposição invejável, o capitão comemora a participação em três maratonas e cerca de 40 corridas de rua. Tudo isso após um processo no qual pesaram a força de vontade e a determinação do militar. “Inicialmente decidi começar a caminhar e estabeleci que das 24h, dedicaria uma hora por dia para minha saúde, fato que após três meses comecei a emagrecer e ter mais disposição. As roupas começaram a folgar e isso me dava mais estímulo para continuar. Daí, passei a correr moderadamente e a ingerir água em maior quantidade durante o dia”, relatou o capitão.

A companhia de amigos e a predisposição a uma nova dieta contribuíram para levar à frente o projeto da medida certa. “Corria diariamente na companhia de amigos, fato que torna a atividade mais agradável. Procurei um clube de corrida para obter orientações a respeito da prática de corrida de rua. Comecei a treinar seis dias por semana e fazer provas de curta e média distância, além de substituir uma alimentação rica em calorias por vitaminas e proteínas, o que acelerou ainda mais a perda de peso. O resultado foi que em 365 dias corri a minha primeira Maratona, na cidade de Porto Alegre, totalizando 42 km”, comentou.

De lá para cá, o militar coleciona medalhas pelo país, dentre elas três de participação na Corrida Cidade de Aracaju, com percurso de 25 Km entre a cidade de São Cristóvão e a capital sergipana. Tal conquista elevou a autoestima do capitão Alves, que agora se sente à vontade para compartilhar sua experiência e influenciar positivamente as pessoas que se deparam com as dificuldades da obesidade e o preconceito social.

“A obesidade é uma doença popularmente tratada com muita zombaria e expõe a pessoa do obeso a ser alvo de brincadeiras ofensivas ou mesmo do escárnio social, e isso ocorre desde a infância. É como se o obeso fosse um prisioneiro no próprio corpo, o que causa um desconforto terrível. A atividade física veio como uma terapia na qual pude fazer novos amigos e ajudar pessoas a praticar atividade física e vencer suas próprias limitações. Isso me gerou uma estima elevada por ter a oportunidade de ajudar as pessoas que lutam contra a obesidade e o sedentarismo”, frisou.

Os dados mais recentes da Organização Mundial de Saúde apontam a obesidade como um dos maiores problemas de saúde pública no mundo. Estima-se que, em 2025, cerca de 2,3 bilhões de adultos estejam com sobrepeso; e mais de 700 milhões, obesos. Quanto às crianças, 75 milhões delas estariam obesas ou com sobrepeso. No Brasil, fontes como o IBGE (2008/2009) revelam que mais de 50% da população está acima do peso, ou seja, na faixa de sobrepeso e obesidade. Entre crianças, estaria em torno de 15%.

Palavras de quem já sentiu na pele os efeitos da doença, o capitão Alves demonstra, com sua história, que é possível superá-la por meio de escolhas saudáveis. “Recomendo ao iniciante que faça uma avaliação médica, procure um profissional para prática de atividade física e busque, também, a ajuda de um nutricionista para elaborar uma alimentação que atenda às suas necessidades. Opte por uma atividade que desperte seu interesse em praticar, estabeleça metas e, ao alcançá-las, estabeleça outras. Aproxime-se de pessoas que praticam atividade física. Inicie isso o mais breve possível e, principalmente, nunca desista”, estimulou o militar.

O caso do capitão Alves é apenas um exemplo. Se você é militar, deseja começar uma atividade física, porém não sabe como dar os primeiros passos, procure um profissional de saúde, escolha a modalidade esportiva de acordo com seu objetivo e estilo de vida e, sem muitas desculpas para a rotina corrida, comece. Para Einstein, “falta de tempo é desculpa daqueles que perdem tempo por falta de planejamento”. Na sua agenda de compromissos, priorize o seu bem maior: a saúde.

Confira os horários de funcionamento da academia do CFAP:

Musculação

De segunda à sexta-feira

Manhã: 7h – 12h30

Tarde: 14h – 18h30

Treinamento funcional

Segunda, quarta e quinta-feira

Manhã (três turmas): 7h -8h / 8h30 – 9h30 / 10h – 11h

Tarde – não há divisão de turmas ainda, mas há profissional das 14h às 18h30, à disposição.

Fonte: Assessoria)

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Sindcom e Fecomércio debatem sobre prodeter em Tobias Barreto
UFS registra média anual de quase 19 pedidos de patentes desde 2011
PL inclui surdo unilateral nas cotas para deficientes em concursos públicos
Eduardo participa de solenidade para cidade mais sustentável