Aracaju, 28 de setembro de 2021

Internas do Prefem apresentam espetáculo no Teatro Tobias Barreto (Foto: Victor Ribeiro)

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

A tarde desta quarta-feira, 20, foi de muita arte contra o pré-conceito, expressada por internas do Presídio Feminino no espetáculo “A Cor da Vida é Transparente” do Projeto Penarte, no II Festival de Artes Cênicas de Sergipe. A apresentação contou com a participação da banda “O poeta do Caos e o Alcatroz” e a cantora Bia Ferreira.

Na plateia estavam, o secretário de justiça, Antônio Hora Filho, acompanhado do defensor público, Anderson Amorim, e a diretora do Presídio Feminino, Valéria Victor. Estiveram presentes também, familiares das internas, que vibravam a cada aparição delas no palco, e estudantes de escolas particulares e da rede estadual da capital e interior do estado.

Para o secretário de justiça, Antônio Hora Filho, a participação das internas nessa atividade é gratificante, considerando a apresentação no circuito de Artes Cênicas à nível sergipano, reflexo do trabalho de ressocialização que está sendo desenvolvido dentro do presídio e que está levando muitas delas a traçar caminhos vencedores.

“A cultura é uma ferramenta de educação e tem levado muitas das internas a ingressar em faculdades, de Direito, de Dança, agora temos uma das internas ingressando na Universidade Federal de Sergipe. Então o trabalho de ressocialização está sendo cumprido,” disse, o secretário.

A aparição das internas no palco foi muito esperada pelos familiares presentes, pois se tratava de uma oportunidade de vê-las em outra situação, diferente de quando eles fazem visita na prisão. Era o momento em que elas estariam na condição de verdadeiras artistas.

“Eu acho muito importante, porque ela tem aqui uma oportunidade de sair do presídio e mostrar o que ela sabe para todo mundo, colegas, amigos, pai, mãe, e para mim também como irmã. A participação tem ajudado no comportamento dela, desde o ano passado que ela entrou ela trabalha, não briga com ninguém, e ela está fazendo de tudo para sair. Ela encontrou algo para consertar o erro que ela causou,” disse, dona Verônica Santos, irmã de uma interna.

As internas, Olga Larissa e Andréa Barbosa, estavam entusiasmadas com a volta delas aos palcos, depois de já ter passado pelo Teatro Atheneu em 2015.

“É muito bom, porque mostramos a sociedade que ali não é o fim,  e que quando a gente for para a rua de novo, nós vamos sair com outra mente, outra vida. A área do teatro é muito boa, as vezes eu penso em sair e fazer uma faculdade de Teatro ou dança,” disse, Andréa.

“É muito importante, porque como é a segunda vez, e a gente gostou de lidar com o público, de expressar a nossa arte, então para a gente quantas vezes for para vir a gente vem.,” disse, Olga.

Para a diretora do Presídio Feminino, Valéria Victor, essa participação é sempre muito importante para o processo de ressocialização das presas, principalmente quando essas atividades atravessam os muros do presídio e as colocam em contato com o público.

Também a presença de estudantes da rede pública e particular, foi importante, promovendo uma reflexão sobre o pré-conceito contra a população carcerária, como destacou uma estudante do munícipio de Umbaúba.

“Eu nunca havia visto uma peça teatral, e hoje pela oportunidade do colégio irei ver uma peça como essa. Acho que a sociedade deveria investir mais nisso, porque descobre novos talentos. Eu achei muito interessante,” disse, Ana Paula.

Penarte Literatura

No evento também foi lançado o Penarte Literatura, novo projeto de ressocialização criado pelo coordenador do Penarte, Cláudio Viana e pelo secretário de justiça, Antônio Hora Filho e orientado pelo juiz da Vara de Execuções Penais, Dr. Hélio Figueiredo Mesquita Neto.

Segundo, Cláudio Viana, o projeto é inovador, porque atenderá toda a população carcerária de Sergipe e irá oferecer quase 50 dias de remissão de pena para os internos que participar do projeto, e deste modo reduzirá também os custos do Estado com a população carcerária.

O Penarte Literatura atuará na erradicação do analfabetismo, pois só poderá participar do projeto quem tem domínio da leitura e pela recomendação 44 do Ministério da Justiça (SNJ), é obrigatório que o preso produza uma resenha de cada livro lido dentro do projeto, para provar que leu e entendeu e assim, ter o direito a remissão penal. Porém, a proposta do projeto Penarte Literatura é possibilitar que os presos possam expressar o que aprendeu através de outras linguagens artísticas, além da escrita.

Assessoria de comunicação – Sejuc

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Samuel decidirá adiar casamento com Zayla em ‘Nos Tempos do Imperador’
Juliette recebe Pabllo Vittar no ‘TVZ’: ‘Fico hipnotizada quando olho pra ela!’
Larissa Manoela sai do mar de maiô cavado e ganha curtida de affair
Aos prantos, Luisa Mell relembra violência médica: “Não quero viver assim”