Aracaju, 23 de julho de 2021

MANIFESTANTES FORMAM A PALAVRA GOLPE NO GRAMADO DO CONGRESSO

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Manifestantes se reuniram na manhã deste domingo (24) no gramado do Congresso Nacional para protestar contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff. Orientados por um megafone e aos gritos de “Não vai ter golpe, vai ter luta”, “Fora Cunha” e “Fora Temer”, o grupo se deitou formando as palavras “golpe”, em seguida “coup” (golpe, em inglês) e “S.O.S”, expressão universal utilizada para pedir ajuda. O protesto durou cerca de 1h30 e atraiu aproximadamente 200 pessoas.

A convocação para o ato partiu de um grupo de artistas e produtores culturais da capital, e se disseminou pelas redes sociais. De acordo com o idealizador do protesto, o professor de Artes Cênicas da UnB, Fernando Villar, o número de participantes esperado não chegava a 50 pessoas. “É um movimento espontâneo de amigos claramente posicionados contra o golpe e contra tudo o que ele significa”, disse Fernando, que, juntamente com a colega Rita Andrade, orientava por megafone o posicionamento dos manifestantes para formar as palavas. “Não vai ter golpe. Se depender de todos nós, se cairmos vamos cair brigando – e brincando – até o fim”, acrescentou.

Questionado sobre a escolha de um termo em inglês (“coup”) para compor a performance, Villar justifica dizendo que a imprensa internacional está ciente de que o processo de impeachment direcionado à presidente Dilma é um golpe de Estado. “É para falar com o mundo, para retribuir ao mundo porque a nossa mídia é mentirosa, é a voz dos patrões”, afirmou o professor. “A gente tem que retribuir para todo esse pessoal que está falando lá fora: It’s a coup! [É um golpe!] para confirmar o que a mídia deles tem falado e o que a nossa tem escondido”, conclui Villar.

O estudante de artes cênicas da UnB e representante do Centro Acadêmico do curso, Victor Hugo Leite, 22, explica que não se trata de um protesto de governistas. “Não somos pró-governo, mas estamos aqui por uma coisa maior que se chama democracia”, defende. “Temos esperanças no Senado e no STF, mas a nossa esperança maior é no Estado Democrático de Direito”, completou.

Depois que as palavras foram formadas, o grupo se dirigiu ao centro do gramado para uma selfie. Em seguida, estudantes de artes cênicas realizaram uma performance e orientaram a formação de uma ciranda. Aos poucos o público foi se dispersando. Não foi registrada nenhuma ocorrência de violência durante o protesto.

Os manifestantes aproveitaram a ocasião para divulgar outro ato que será realizado amanhã (25), a partir das 17h30, em frente ao Supremo Tribunal Federal. O foco do protesto será o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Organizadores pediram para que o público compareça e leve vassoura, rodo e balde.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Prefeitura de Barra empossa servidores aprovados no concurso
Lúcio Flávio diz que insinuação de suposta ameaça “é tão absurda que dispensaria resposta”
Rosário: vereadores discutem pautas futuras e balanço dos trabalhos
Redes Públicas de Ensino se preparam para Avaliação de Fluência