Aracaju, 21 de setembro de 2021

Maratona de Dança agita o público no Festival de Artes (Foto: Pritty Reis)

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Diversidade. Essa foi a principal característica notada pelo público que compareceu ao Teatro Tobias Barreto no último sábado, 23, para prestigiar a Maratona de Dança 2016. Integrando a programação do II Festival Sergipano de Artes Cênicas, o evento contou com 15 apresentações em que grupos de diversos estilos e ritmos agitaram o público presente.

Pagode, Free Step, Jazz Contemporâneo e Dança Urbana foram alguns dos estilos que tomaram conta do palco. O último destes foi o ritmo escolhido pela Tripulação D’browns Cia de Dança, ao apresentar o espetáculo Renascendo das Cinzas. Segundo o diretor e coreografo do grupo, Dinho DB, a Companhia foi criada com o intuito de proporcionar aos jovens uma oportunidade de inseri-los no mundo da dança. Para ele, integrar o Festival é emocionante. “A emoção é total, estar se apresentando no Teatro Tobias Barreto é sensacional, é algo que nem tenho palavras para descrever”, relatou.

Com cinco espetáculos dentro da Maratona, a Cia de Dança Nova Era mesclou diversos estilos. Criado há três anos, o Grupo é composto atualmente por 120 integrantes. Para o diretor da Companhia, Luís Vando, é uma honra fazer parte do Festival. “É muito importante para nós da Nova Era fazer parte desse evento, esperamos participar mais vezes e parabenizo à Secretaria de Estado da Cultura pela realização do Festival”, disse.

Outro grupo que agitou o Teatro foi o NSD Arena. Criado há dois anos por amigos que desejavam mostrar seu talento, o grupo trabalha com diversos ritmos, dentre eles o Street Dance. Segundo o dançarino Luís Rodrigues, o Festival é uma oportunidade que proporciona uma maior visibilidade ao grupo. “Ao mesmo tempo em que é uma grande alegria, torna-se também uma grande responsabilidade. O Festival é uma vitrine para nosso trabalho e ficamos muito felizes em participar”, declarou.

Criado há três anos, o Grupo Black Swingueira tem como principal objetivo mostrar suas origens. Para o diretor, Marcos Vinícius, é uma oportunidade única se apresentar na Maratona de Dança. “É uma realização, não só para mim, mas para todo o Grupo que se sente muito feliz em fazer parte disto”, relatou.

Além destes grupos, subiram ao palco do Tobias Barreto as seguintes companhias: Familly Stylle Jt, Grupo Colera, As Impossívas e os Boys, Swingueira Dos Potências, Geração Guetto, Cia Swing do Guetto e o Grupo Free Step.

O Festival

Promovido pelo Instituto Banese juntamente com a Secretaria de Estado da Cultura (Secult), o Festival conta com recursos do Fundo de Desenvolvimento Cultural e Artístico (Funcart), contemplando diversos gostos e faixas etárias.  As apresentações estão distribuídas entre teatros, praças e outros espaços públicos da Capital Aracaju e do interior do Estado, totalmente gratuitas e seguem até o dia 30 de abril.

Fonte: Ascom Sec. de Estado da Cultura

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Dia Estadual de Luta da PCD: Rodrigo Valadares fala sobre conscientização e inclusão social
Janier defende aumento do teto para isenção de impostos em carros PCD
21 de setembro dia do Radialista, comemora o Sterts
Comércio já se prepara para os “empregos temporários” no fim de ano