Aracaju, 28 de setembro de 2021

ARIBÉ REBATE CRÍTICAS DOS VEREADORES VINICIOS E AGAMENON

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Por: Maraisa Figueiredo

A tribuna da Câmara de Vereadores de Aracaju (CMA) foi utilizada na manhã desta terça-feira, 26, pelo vereador Lucas Aribé (PSB) para se pronunciar e rebater, de forma respeitosa, as críticas dos vereadores Agamenon Sobral (PHS) e Vinícius Porto (DEM), que distorceram seu discurso realizado na semana passada a respeito do seu posicionamento sobre a votação do impeachment na Câmara Federal, no último domingo, 17.

O vereador Lucas Aribé iniciou sua fala de forma tranquila e fez referências firmes aos dois colegas da casa que, na quarta-feira passada, 20, utilizaram a tribuna da CMA para denegrir a imagem do parlamentar. “Eu só posso chamar o que os colegas fizeram de jogo sujo, e, infelizmente não tenho outra maneira de caracterizar esta ação. Ouvi atentamente os discursos e tive acesso as matérias publicadas na imprensa local, inclusive nos programas de rádio, aproveitando o espaço para macular a minha imagem “, pontua.

Lucas comenta ainda que ficou surpreso com o posicionamento do vereador Vinícius Porto. “Uma pessoa tão instruída partir para um jogo sujo como esse. Já é de se esperar do vereador Agamenon Sobral esse modo agressivo de falar, pois ele utiliza a tribuna e os espaços da mídia para denegrir a imagem de outras pessoas, principalmente dos vereadores da oposição. Dizer que sou manipulado pelos vereadores Iran Barbosa (PT) e Lucimara Passos (PCdoB) é um desrespeito. Não é necessário fazer isso. A política deve ser praticada com respeito ao  posicionamento de cada um”, esclarece.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Samuel decidirá adiar casamento com Zayla em ‘Nos Tempos do Imperador’
Juliette recebe Pabllo Vittar no ‘TVZ’: ‘Fico hipnotizada quando olho pra ela!’
Larissa Manoela sai do mar de maiô cavado e ganha curtida de affair
Aos prantos, Luisa Mell relembra violência médica: “Não quero viver assim”