Aracaju, 19 de setembro de 2021

DILMA ACHA RIDÍCULAS ACUSAÇÕES QUE EMBASAM O IMPEACHMENT

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

A presidente Dilma Rousseff classificou de “ridícula” as acusações que embasam o seu pedido de impeachment e afirmou que sua luta é para garantir “direitos sociais históricos”, durante cerimônia no Palácio do Planalto em que renovou a duração do programa Mais Médicos.

“Tenho clareza que é ridícula a acusação. Porque o que fizemos foi garantir programas sociais, garantir programas como o Plano Safra para a agricultura e garantir o programa de sustentação de investimento para a indústria”, afirmou.

“Há de fato um processo que está em curso e esse processo tem nome: o nome é golpe.”

A cerimônia em que assinou a medida provisória em que estende a duração do programa Mais Médicos, incluindo a manutenção do convênio com o governo de Cuba para manter no Brasil profissionais daquele país, marcou o início da ofensiva da presidente, no que devem ser seus últimos 15 dias antes de seu afastamento pelo Senado, para mostrar as ações do governo.

Com a grande possibilidade de ter de deixar o Planalto, Dilma quer apresentar tudo o que for possível e deixar o mínimo para o vice-presidente Michel Temer, que assumirá caso o Senado aprove o afastamento da presidente.

A cerimônia no Palácio do Planalto se tornou mais um ato contra o impeachment, mas em um tom muito abaixo das manifestações de apoio acontecidas antes da admissibilidade do impedimento na Câmara, há duas semanas.

Cerca de 500 pessoas ligadas à área da saúde assistiram à cerimônia e gritos esporádicos de “não vai ter golpe” e “Dilma, guerreira do povo brasileiro” surgiam, assim como de “Fora Cunha” e “Tira o Temer” mas com menos entusiasmo do que há algumas semanas.

Dilma defendeu o programa, muito criticado no seu lançamento, há quase três anos, e lembrou que existem hoje mais de 18 mil médicos atuando no país pagos pelo governo federal. Desses, mais de 70 por cento são estrangeiros, a maioria cubanos, dentro do convênio entre os dois países.

“Ampliamos sim os gastos em saúde e ainda é necessário fazer mais. Qualquer um que propõe fazer ajuste fiscal diminuindo a despesa com saúde da população está propondo um grande retrocesso”, afirmou.

“Muito pior se ousar acabar com a vinculação obrigatória e constitucional na área da saúde. Além de rasgar nossa lei maior, fere direitos básicos do povo brasileiro.”

Entre as propostas que estão sendo estudadas pela equipe de Temer, em um provável governo a partir do afastamento da presidente, está o fim da vinculação de recursos do Orçamento para Saúde e Educação.

Lançado na metade de 2013, o Mais Médicos foi a principal marca social do governo Dilma para a campanha de reeleição, em 2014.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Chega a Sergipe neste domingo mais de 106 mil doses de Pfizer
Capitania dos Portos de Sergipe abre processo seletivo
Mulher é presa em flagrante pelo Denarc com centenas de munições, fuzil e drogas
Prefeitura realiza quarta edição especial do Programa Praia Limpa